UECE PELAS DUNAS DA SABIAGUABA

UECE PELAS DUNAS DA SABIAGUABA

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 150.000!


No dia 08 de julho, foi aprovado um projeto de loteamento, com área superior a 50 hectares, em Área de Proteção Ambiental (APA) da Sabiaguaba, em Fortaleza, Ceará. Isso significa a devastação ambiental de dunas, lagoas e o potencial desmatamento de mais de 50 campos de futebol de florestas – onde habitam várias espécies de animais, além de ter uma rica biodiversidade de vegetação.

Repudiamos essa tentativa de se utilizar de um momento de pandemia para aprovar um projeto tão potencialmente destruidor.

Nós, da comunidade acadêmica da Universidade Estadual do Ceará (UECE) repudiamos o voto da representação da UECE no Conselho Gestor da Sabiaguaba. Exigimos dos órgãos superiores da UECE a anulação desse voto e a urgente revisão das portarias de representação da universidade junto às Secretarias do Meio Ambiente Municipal e Estadual. Exigimos, com a retirada do voto da UECE, a revogação da decisão de autorização dos estudos para a construção desse empreendimento imobiliário na Sabiaguaba.

Unidos aos movimentos sociais e coletivos culturais abaixo listados, solicitamos também ao Prefeito Roberto Cláudio e ao Governador Camilo Santana que não levem adiante esse projeto devastador e se comprometam a proteger ativamente a Área de Proteção Ambiental da Sabiaguaba. Barrem essa destruição!

Esperamos que a UECE cumpra o seu papel de defender a conservação ambiental. A universidade não pode ficar ao lado de grupos que destroem a biodiversidade, a natureza, a vida para salvaguardar o lucro. Assim como, que o prefeito e o governador se comprometam a proteger a Sabiaguaba.

Precisamos pressionar o Prefeito Roberto Cláudio e o Governador Camilo Santana para que a Sabiaguaba seja protegida! 

Assine o abaixo-assinado e pressione nas redes sociais!

Segue abaixo a lista de movimentos, coletivos e associações que assinam e apoiam essa petição:

Programa de Extensão Viva a Palavra;

Pragmacult- Grupo de Pesquisa;

Mov.social Circulos Populares;

Associação dos moradores do bairro da Serrinha- AMORBASE;

Movimento Pró-Parque Lagoa de Itaperaoba;

Associação Beneficiente O Pequeno Nazareno;

Associação Nacional Criança Não É de Rua;

Central da Classe Trabalhadora Intersidical CE;

Ceará no Clima;

Escola Vila;

Associação de Catadoras Mulheres luta em cena da Serrinha;

Livro Livre Curió Biblioteca Comunitária;

Biblioteca Viva - Biblioteca Comunitária do Barroso;

Biblioteca Comunitária  Papoco de Ideias;

Cia Bates Palmas;

Banco Palmas;

Batuque de Mulher;

Coletiv Elaspoemas: escritas periféricas;

Núcleo de estudos e pesquisas afro-brasileiros ( Neabi - Camocim );

Núcleo das Africanidades Cearenses ( NACE) ;

Coletivo Programanas;

Associação dos Moradores do Titanzinho;

Associação dos Moradores do Conjunto Palmeiras-ASMOCONP;

Centro de Nutrição do Palmeira;

Área Pastoral de Cebs da Praia do Futuro;

As Comunidades Eclesiais de Base da Arquidiocese de Fortaleza;

Pastoral de Juventude de Fortaleza;

Movimento Negro Unificado Ceará e nacional;

Associação  das Mulheres em Movimento- AMEM;

Central de Movimentos Populares;

Coletivo Nacional de Juventude Negra - ENEGRECER;

Cefil- Centro Acadêmico de Filosofia-Uece

Instituto Trêsmares;

Coletivo Gav. Amaris;

Coletivo Vegano Popular;

Cia de teatro Balbúrdia; 

Sarau das pretas-Pretarau;

Grupo Garajal;

Projeto Transpassando, Uece

Avoantes.

#UECEpelasDunasdaSabiaguaba

#SalveasDunasdaSabiaguaba

#UniversidadepelaConservaçãoAmbiental

#SaberesemDefesadaVida

Para saber mais visite o perfil do movimento @fortalezapelasdunas