Proibição do uso de agrotóxicos danosos a polinizadores

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 500!


A utilização de agrotóxicos se faz cada vez mais crescente no Brasil. Infelizmente esse uso é irresponsável e extremamente danoso ao meio ambiente. Um levantamento da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA) calculou 770 milhões de abelhas mortas no Brasil ao longo de quatro anos. Elas estavam contaminadas por neonicotinóides e pelo fipronil, que apareceu em 92% das amostras de insetos. Como nem todos os apicultores registram as perdas, a estimativa é que o número real de insetos mortos passe de 1,5 bilhão.

Não existe uma doença que mate as abelhas, 100 colônias ao mesmo tempo, em dois, três dias. Isso é característico do uso de agrotóxicos. Nós temos vários casos no Brasil, isso vêm acontecendo há bastante tempo. A gente tem trabalhado inclusive com os agricultores nos sistemas de aplicação para diminuir, mas inseticida é para matar inseto, e abelha é inseto”, explica Roberta Nocelli, bióloga e professora da Universidade Federal de São Carlos. (matéria retirada do jornal Oeco)

Com a morte das abelhas, que são polinizadoras, a fome mundial é consequência. Isso acontece pois trata-se de um animal polinizador, agente diretamente responsável no desenvolvimento do fruto e da semente, ou seja, no reinício de um novo ciclo no Reino Plantae. "A falta de abelhas provocaria um efeito em cascata: se não temos sementes, não temos pasto, flores, frutas, nem animais que se alimentam de frutas. As abelhas e os demais polinizadores desempenham um papel fundamental na regulação dos ecossistemas", explica Carolina Starr, consultora de biodiversidade e serviços aos ecossistemas da FAO (braço da ONU para alimentação e agricultura). Sendo assim, além da fome mundial iminente, os agrotóxicos são tóxicos ao ser humano. Logo, não haverá comida suficiente, muito menos "comível"; uma vez que segundo Carlos Vergara - professor da Universidade de las Américas em Puebla, no México - as abelhas polinizam a maior parte das plantas que existem.

Entretanto, as abelhas não enfrentam apenas esse obstáculo. Elas são afetadas pela perda de habitat natural, mudanças climáticas, portanto, sua existência na biosfera é ameaçada por diversos fatores - que se fazem cada vez mais mais corriqueiros e ascendentes. 

Ademais, os polinizadores dão condições mais favoráveis para a produção agrícola. Segundo Barbara Gemmill-Herren, especialista em serviços de ecossistemas e ex-assessora da FAO a planta investe mais recursos na flor que foi polinizada, logo, a fruta que nasce desta flor terá maior valor nutricional e um sabor melhor. Também, "Quando há insetos, a quantidade de grãos produzida por uma planta aumenta em 20%. E a qualidade do grão que foi polinizado com pólen de outra planta e não da mesma é muito melhor", afirma o entomologista Vergara. (dados retirados da BBC -https://www.bbc.com/portuguese/geral-40220606 

Sendo assim, é imperativo que deve ser feita a revisão dos agrotóxicos aprovados para uso no Brasil, fazendo a proibição daqueles ligados às mortes das abelhas e de outros agentes polinizadores. A importância desse animais é clara, porém é velada através da neglicencia e cobiça dos nossos representantes políticos. Infelizmente, se nada for feito tal avareza resultará em um planeta sem vida - literalmente.