Decision Maker

Ministério da Saúde

  • Secretaria Especial de Saúde Indígena - Sesai

Does Ministério da Saúde have the power to decide or influence something you want to change? Start a petition to this decision maker.Start a petition
Petitioning Ministério da Saúde, FUNAI (Fundação Nacional do Índio), Governo Federal, Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso

Pela proteção dos povos indígenas: queremos testes da Covid-19 nas aldeias!

A história nos mostra que epidemias já dizimaram comunidades inteiras. Agora, vivemos sob o risco de uma ameaça que tem alertado o mundo todo: a pandemia da Covid-19, inimigo invisível que já chegou e se avança em nossas terras. Tememos que um novo genocídio esteja em curso nos territórios indígenas, por isso lutamos e reivindicamos que o Estado brasileiro cumpra com o seu papel e nos proteja! Contamos com 305 povos no Brasil e, em ao menos 44, sabemos que o novo coronavírus já circula. Em nosso estado, o Mato Grosso, formamos 43 povos. “Eu, Soilo Urupe Chue, sou um dos representantes da regional Vale do Guaporé do povo chiquitano, que vive no oeste do MT, em uma região de fronteira com a Bolívia. Sou psicólogo. Quero com esta petição defender o direito Indígena de ter a devida proteção para não ser atingido pelo inimigo invisível que é o novo coronavírus. Neste momento ainda de ascendência precisamos urgente, nos polos base de saúde e nas aldeias, testes rápidos para poder detectar a Covid-19 e fazer com urgência os encaminhamentos cabíveis." O aumento da Covid-19 é alarmante entre os povos indígenas, principalmente na Amazônia Brasileira. “Eu sou Kaianaku, e pertenço ao povo Kamaiurá, que vive no Alto Xingu. Sou graduada em licenciatura intercultural e Mestranda em Direitos Humanos pela Universidade Federal de Goiás. De acordo com os dados da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), ao menos 1.256 indígenas já foram infectados pelo coronavírus em todo o país, e já perdemos 143 deles. A verdade é que essa pandemia está se espalhando rapidamente entre os nossos povos, especialmente aqueles que vivem em áreas mais afastadas. Precisamos de testes para detectar e isolar os casos o quanto antes!” “O meu nome é Cristian Wariu, sou do povo Xavante, e nasci na Terra Indígena Parabubure. Saí do meu estado do Mato Grosso para estudar comunicação na Universidade de Brasília (UnB). Sempre recorri à internet e às novas tecnologias para erguer a voz dos povos tradicionais do Brasil. Hoje, faço parte da Federação dos Povos e Organizações Indígenas de Mato Grosso (FEPOIMT) para melhor atuar e articular a política de defesa dos interesses e direitos indígenas em nível local, estadual e nacional.” A população indígena do nosso estado está estimada em 50 mil pessoas, que se distribuem em 86 terras. Sempre lutamos por nossa sobrevivência, contra o avanço de grileiros, garimpeiros e madeireiros em nossos territórios. Batalhamos pela demarcação de nossas terras, por respeito ao nosso povo e contra políticas que matam os direitos humanos. Agora, além de tudo isso, ainda precisamos brigar contra a ameaça da Covid-19, que nos atinge com ainda mais força. Corremos o risco de um novo genocídio! Nossos povos conseguem seguir a recomendação de isolamento dentro de seus territórios, mas alguns de nós precisamos sair das aldeias para buscar alimento, medicação e outras necessidades. Temos muito medo de retornar às aldeias infectados pela Covid-19 e ainda levar o vírus para dentro dos territórios e espalhá-lo. A realização de testes é a única forma de controlar e impedir ainda mais o avanço da doença. Por isso, pedimos sua ajuda para exigir do governo brasileiro, do Ministério da Saúde e demais órgãos envolvidos a realização de testes rápidos para detectar os casos do novo coronavírus nos territórios dos 43 povos indígenas que vivem no estado do Mato Grosso, e assim isolar os infectados. É urgente! Por favor, nos ajude nessa luta! Assine e compartilhe essa petição!

Soilo Urupe Chue e Kaianaku Kamaiurá, com Cristian Wariu
112,052 supporters
Pela proteção dos povos indígenas: queremos testes da Covid-19 nas aldeias!

As aldeias indígenas do Estado do Mato Grosso são atendidas por cinco Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI), que são unidades descentralizadas do Ministério da Saúde, ligadas à Secretaria Especial de Saúde indígena (SESAI), a qual é responsável por prestar atendimento na atenção primária à saúde nas Terras e Territórios Indígenas de todo o país. Os DSEI do Mato Grosso são: Araguaia, Cuiabá, Kayapó-MT, Xavante e Xingú, que juntos contam com mais de 872 trabalhadores de saúde, sendo 389 agentes indígenas de saúde, 33 médicos, 154 enfermeiros e 328 técnicos de enfermagem, que compõem as Equipes Multidisciplinares de Atenção à Saúde Indígena (EMSI). Essas equipes realizam ações nas 745 aldeias do estado, onde vivem 47.484 indígenas, sendo que parte delas contam com Unidades Básicas de Saúde Indígena (UBSI). Diante da situação da pandemia Covid-19, as EMSI estão sendo orientadas a priorizarem o trabalho de busca ativa domiciliar de casos de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave, realizando a triagem dos casos, evitando, assim, a circulação de pessoas com sintomas respiratórios. Além disso, essas equipes orientam os pacientes indígenas sobre a importância do isolamento, das medidas de prevenção da transmissão para contatos e sinais de alerta para possíveis complicações. Nesse contexto, o Agente Indígena de Saúde tem um papel fundamental para monitorar o caso. A presença de qualquer sinal de alerta deverá determinar a remoção imediata do paciente indígena para unidade de referência hospitalar. Considerando as especificidades étnicas, culturais e de modos de vida dos povos indígenas, é necessário que a EMSI realize a avaliação caso a caso, devendo observar se o ambiente domiciliar é adequado e se o paciente é capaz de seguir as medidas de precaução recomendadas. As EMSI têm realizado testes rápidos nas UBSI ou durante as visitas domiciliares nas aldeias indígenas que compõe a rotina das equipes. Além disso, para ampliar a capacidade de resposta das equipes de saúde ao risco de disseminação do SARS-Cov-2 em terras indígenas, foi publicada, em 14 de abril de 2020, a Portaria nº 55, que institui a Equipe de Resposta Rápida (ERR), no âmbito dos Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI), para enfrentamento da pandemia. A ERR permanecerá em isolamento domiciliar, na cidade sede do DSEI, e será acionada para entrar em área indígena nas situações de emergência ou outras situações decorrentes da pandemia ou surtos de Síndrome Gripal ou Síndrome Respiratória Aguda Grave. A ERR tem à sua disposição kits de insumos, medicamentos, EPI, equipamentos de saúde, bem como a logística necessária para entrar nos territórios indígenas. Às equipes caberá realizar, prioritariamente, ações relacionadas ao enfrentamento da Covid-19. Os informes e boletins epidemiológicos da Covid-19 no Subsistema de Atenção à Saúde Indígena estão disponíveis no site https://www.saude.gov.br/saude-indigena, a partir do banner Monitoramento DSEI. A Sesai criou esse ambiente na internet especialmente para divulgar, diariamente, o número de casos suspeitos, confirmados, descartados, óbitos e curas. A atualização ocorre, diariamente, de segunda a sábado, entre 17h00 e 18h00. Quadro do Boletim Epidemiológico: https://i.imgur.com/JdLynbh.png Em relação à disponibilização de testes rápidos, a Sesai enviou aos DSEI do Mato Grosso 5.380 testes de tipo sorológico, sendo 480 para o DSEI Araguaia; 680 para o DSEI Cuiabá; 580 para o Kayapó-MT; 1920 para o DSEI Xavante; e 1720 para o DSEI Xingú. Os testes laboratoriais disponibilizados aos indígenas são de responsabilidade dos municípios e do Estado por extrapolarem as ações de atenção primária, conduzidas pela Secretaria Especial de Saúde Indígena. A Sesai tem realizado compras de testes regulamente, assim como os DSEI têm instruído seus próprios processos de compra desse tipo de insumo, buscando-se ampliar e facilitar o diagnóstico precoce e as medidas de prevenção para controle da disseminação da Covid-19 nas Terras Indígenas do Mato Grosso. Além disso, a Sesai tem recomendado à população indígena que evite ao máximo se dirigir aos centros urbanos, onde pode haver transmissibilidade do vírus. Ações como essa, além de reduzirem o número de casos, e por consequência, evitar a transmissão dentro da aldeia indígena, tem o potencial de reduzir o impacto para os serviços de saúde.

1 week ago