Vitória

Pela Obrigatoriedade das Escolas de Receberem Crianças com Deficiência

Este abaixo-assinado foi vitorioso com 4.574 apoiadores!


Educação é para todos  -   O Brasil é um país de todos e precisa garantir acesso à educação para todos!

As Escolas particulares querem escolher seus alunos, querem poder escolher a quem ensinar.

Eugenia é a seleção dos melhores indivíduos para continuarem a raça humana.
Ao longo da história da humanidade, vários povos, tais como os gregos, celtas, fueginos (indígenas sul-americanos), eliminavam as pessoas com deficiência, as mal-formadas ou as muito doentes. Hitler e sua política social racial da Alemanha Nazista eliminava pessoas visando a melhoria da raça ariana.

Lutamos muito para conseguir a aprovação da Lei Brasileira de Inclusão.

Agora as Escolas Particulares querem ter o poder de decidir qual aluno ensinar e não querem receber alunos com deficiência. Entraram com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade contra o art. 28 da Lei Brasileira de Inclusão, que garante a obrigatoriedade das escoas de receber o aluno deficiente.

Qualquer forma de seleção de seres humanos é preconceituosa e absurda!
Vamos retroceder? Vamos voltar ao vale dos leprosos ou às câmaras de gás? Vamos permitir que as escolas escolham quem deve aprender e quem deve frequentar as aulas?? Vamos falar em "aluno padrão", "ser humano padrão" e voltar ao eugênico “ideal” de “pureza” nazista?

É essa escola que você quer para seus filhos? Onde está a função social da escola? Qualquer contrato deve cumprir função social e ter boa-fé. Por que o contrato de prestação de serviço educacional não teria? Você ainda acha que só quem ganha com a inclusão é a criança com deficiência???

A inclusão não beneficia somente as crianças com deficiência, ao contrário, acho que beneficiam mais às outras crianças, que não conhecem dificuldades na vida. Volto sempre ao mesmo ponto - ao bem enorme que o convívio com as crianças com deficiência faz para as faz para  as crianças "ditas normais" - talvez elas sejam as que mais tenham a ganhar com a inclusão. Escolas particulares tendem a classificar alunos, separá-los em turmas padronizadas. Os alunos que vão para a turma "A", onde todos são muito bonitos, saudáveis, tiram notas parecidas, podem comprar o mesmo brinquedo, etc. A criança é criada num gueto, com a falsa impressão de que o mundo é daquele jeito. Não aprende a lidar com certas dificuldades porque nem sabe da existência delas. Num futuro, se for reprovada num teste, não saberá como enfrentar essa situação.  Quando passar por alguma situação adversa, poderá ser incapaz de reagir - Se sofrer um acidente, perdendo uma perna, por exemplo, será capaz de suicidar-se por total despreparo emocional. E se elas ganham tanto, crescendo como pessoas, não existe mal nenhum ou nenhuma injustiça, no rateio de todas as despesas com mediadores ou materiais diferenciados no cálculo da mensalidade - nada mais é do que o Princípio da Justiça Distributiva (distribuição justa, equitativa e apropriada na sociedade, de acordo com normas que estruturam os termos da cooperação social).

http://m.stf.jus.br/portal/noticia/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=297473



Hoje: Consuelo está contando com você!

Consuelo Machado precisa do seu apoio na petição «Supremo Tribunal Federal: Pela Obrigatoriedade das Escolas de Receberem Crianças Deficientes». Junte-se agora a Consuelo e mais 4.573 apoiadores.