Petition update

Ação online contra o PLC 24/2016 / Online action against the bill 24/2016

Revolução Animalista

Jul 9, 2016 — (Please scroll down for English text)

O PLC 24/2016 se aprovado vai considerar como patrimônio cultural imaterial do Brasil os rodeios e as vaquejadas. É fato comprovado que os rodeios e vaquejadas causam sofrimento físico e psicológico aos animais, não podemos deixar o PLC 24/2016 ser aprovado pelo Senado Federal, tortura não é patrimônio cultural!

Por favor assinem e divulguem a petição para que o PLC 24/2016 não seja aprovado: https://www.change.org/p/senado-federal-não-ao-pl-1767-2015-no-to-the-bill-1767-2015

Por favor votem CONTRA o PLC 24/2016 no site do senado federal: https://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaomateria?id=125802

Se você tem facebook por favor participe e convide seus amigos para este evento: https://www.facebook.com/events/1058538224226315/

Além disso por favor enviem e-mails para os senadores.

Enviar para (caso sua conta de e-mail não aceite todos os endereços de e-mail favor dividir em blocos): asimpre@senado.leg.br; acir@senador.leg.br; aecio.neves@senador.leg.br; aloysionunes.ferreira@senador.leg.br; alvarodias@senador.leg.br; ana.amelia@senadora.leg.br; angela.portela@senadora.leg.br; antonio.anastasia@senador.leg.br; antoniocarlosvaladares@senador.leg.br; armando.monteiro@senador.leg.br; ataides.oliveira@senador.leg.br; benedito.lira@senador.leg.br; cassio.cunha.lima@senador.leg.br; cidinho.santos@senador.leg.br; ciro.nogueira@senador.leg.br; cristovam.buarque@senador.leg.br; dalirio.beber@senador.leg.br; dario.berger@senador.leg.br; davi.alcolumbre@senador.leg.br; edison.lobao@senador.leg.br; eduardo.amorim@senador.leg.br; eduardo.braga@senador.leg.br; elmano.ferrer@senador.leg.br; eunicio.oliveira@senador.leg.br; fatima.bezerra@senadora.leg.br; fernandobezerracoelho@senador.leg.br; fernando.collor@senador.leg.br; garibaldi.alves@senador.leg.br; gladson.cameli@senador.leg.br; gleisi@senadora.leg.br; humberto.costa@senador.leg.br; heliojose@senador.leg.br; ivo.cassol@senador.leg.br; jader.barbalho@senador.leg.br; jorge.viana@senador.leg.br; jose.agripino@senador.leg.br; jose.maranhao@senador.leg.br; josemedeiros@senador.leg; jose.pimentel@senador.leg.br; joao.alberto.souza@senador.leg.br; joao.capiberibe@senador.leg.br; katia.abreu@senadora.leg.br; lasier.martins@senador.leg.br; lindbergh.farias@senador.leg.br; lidice.mata@senadora.leg.br; lucia.vania@senadora.leg.br; magno.malta@senador.leg.br; marcelo.crivella@senador.leg.br; marta.suplicy@senadora.leg.br; omar.aziz@senador.leg.br; otto.alencar@senador.leg.br; paulo.bauer@senador.leg.br; paulopaim@senador.leg.br; paulo.rocha@senador.leg.br; raimundo.lira@senador.leg.br; randolfe.rodrigues@senador.leg.br; reginasousa@senadora.leg.br; reguffe@senador.leg.br; renan.calheiros@senador.leg.br; ricardo.ferraco@senador.leg.br; ricardo.franco@senador.leg.br; roberto.requiao@senador.leg.br; robertorocha@senador.leg.br; romero.juca@senador.leg.br; romario@senador.leg.br; ronaldo.caiado@senador.leg.br; rose.freitas@senadora.leg.br; simone.tebet@senadora.leg.br; sergio.petecao@senador.leg.br; tasso.jereissati@senador.leg.br; telmariomota@senador.leg.br; valdir.raupp@senador.leg.br; vanessa.grazziotin@senadora.leg.br; vicentinho.alves@senador.leg.br; waldemir.moka@senador.leg.br; pinheiro@senador.leg.br; wellington.fagundes@senador.leg.br; wilder.morais@senador.leg.br; zeze.perrella@senador.leg.br

Assunto: PLC 24/2016

Mensagem modelo:

Excelentíssimos senadores,

Venho pedir para que, por favor, votem Contra o PLC 24/2016, que visa declarar rodeios e vaquejadas como patrimônio cultural imaterial do Brasil.

O PLC 24/2016, e os próprios rodeios e vaquejadas, são inconstitucionais. O artigo 225 da Constituição Federal determina que:
Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.
§ 1º Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público:
VII - proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade.

Os rodeios e vaquejadas violam também o Decreto nº 24.645/34, que diz ser dever do Estado tutelar os animais e a Lei de Crimes Ambientais, que considera esses atos, em seu artigo 32, como crimes de maus-tratos.

Os rodeios e vaquejadas violam a declaração universal dos direitos dos animais, da qual o Brasil é signatário, pois a mesmo determina em seu artigo 10 que:
1. Nenhum animal deve de ser explorado para divertimento do homem.
2. As exibições de animais e os espetáculos que utilizem animais são incompatíveis com a dignidade do animal.

Além disso, não é prerrogativa do Legislativo definir o que será ou não considerado como patrimônio cultural brasileiro, processo que cabe ao Poder Executivo, por meio de um minucioso processo de consulta, inventário, pesquisa e salvaguarda sob responsabilidade do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

É fato também que rodeios não podem ser considerados patrimônio cultural do Brasil, pois surgiram nos EUA.

Nas vaquejadas bois ou bezerros são perseguidos por dois competidores a cavalo e depois tem seus rabos puxados e são derrubados. A cauda dos animais é composta, em sua estrutura óssea, por uma sequência de vértebras, ao ter a cauda puxada o animal pode sofrer luxação das vértebras, ruptura de ligamentos e de vasos sanguíneos, sendo que às vezes a cauda é arrancada. Os bois e bezerros também podem sofrer fraturas, luxações e hemorragias internas por causa da queda. Antes de entrar na arena os bois e bezerros são agredidos no brete levando choques, socos, tapas e tendo seus chifres serrados sem anestesia. Um estudo demonstrou que as vaquejadas também causam lesões e danos irreparáveis aos cavalos utilizados na atividade, o estudo constatou percentual relevante de ocorrência de tendinite, tenossinovite, exostose, miopatias focal e por esforço, fraturas e osteoartrite társica em cavalos usados em vaquejadas.

Nas diversas modalidades de rodeio são usados instrumentos que causam dor, lesões, estresse e incômodo aos animais e os levam a exercer comportamentos que não lhes são naturais, tais como sedém, corda ameriana, chicote, esporas, bastões de choque, freios e bridões.

O sedém é uma espécie de cinta, de crina ou lã, que se amarra na virilha do animal e que faz com que ele pule nas provas de montaria em touros, cutiano, bareback e sela americana. Momentos antes de o brete ser aberto para que o animal entre na arena, o sedém é puxado com força, comprimindo ainda mais a região dos vazios dos animais, provocando muita dor, já que nessa região existem órgãos, como parte dos intestinos, bem como a região onde se aloja o pênis, no caso dos machos. A região dos vazios dos animais é extremamente sensível e a pele é mais fina nessa região. Há, inclusive, diversos laudos comprovando os maus-tratos aos animais submetidos à utilização do sedém, desmistificando o dito por aqueles que são favoráveis aos rodeios, de que o sedém provoca apenas cócegas. Aliás, mesmo que considerássemos que o sedém cause apenas cócegas, devemos ressaltar a definição de cócegas como sendo “uma sensação particular, irritante, que provoca movimentos espasmódicos”. Portanto, mesmo que apenas as cócegas fossem causadas, por si só já caracterizam os maus-tratos. Os sedéns macios não evitam o sofrimento dos animais, pois a região onde são colocados são extremamente sensíveis e, portanto, é inócua essa tentativa de minimização dos efeitos de danos que os sedéns causam aos animais. Fotos comprovam que mesmo sedéns revestidos de material macio causam ferimentos aos animais.

A corda americana, usada na modalidade montaria em touros consiste em uma corda ou faixa de couro amarrada e retesada ao redor do corpo do animal, logo atrás da axila. A forte pressão que este instrumento exerce no animal acaba causando-lhe ferimentos e muita dor. Na corda americana são colocados sinos, os quais produzem um barulho altamente irritante ao animal, o qual fica ainda mais intenso a cada pulo seu.

Antes das provas de montaria, os animais são agredidos nos bretes com choques elétricos, tapas, chutes, socos, paus e objetos pontiagudos, de forma a deixa-los agressivos. Os touros têm parte dos seus chifres serrados sem anestesia.

As esporas são objetos pontiagudos ou não, acoplados às botas dos competidores, servindo para golpear o animal na cabeça, pescoço e baixo-ventre, dependendo da modalidade, pois as esporas são usadas em todas as modalidades de rodeios e também nas vaquejadas e gineteadas. Sem fundamento o argumento de que as esporas rombas (não pontiagudas) não causam danos aos animais, pois visa-se golpear o animal e, portanto, com ou sem pontas, as esporas machucam o animal, normalmente provocando cortes na região cutânea, lesões profundas nos músculos e nas modalidades cutiano, bareback, sela americana e nas gineteadas, nas quais os cavalos são golpeados pelas esporas na região do pescoço e na região dos ombros, elas também podem causar perfuração no globo ocular, pois existe o risco do animal, ao movimentar-se, ser atingido na cabeça.

Nas modalidades três tambores, team penning, work penning, bulldog, prova do laço e nas gineteadas são usados chicotes. O dicionário define o chicote como um instrumento usado para castigar animais e que no passado também foi usado para castigar humanos que eram escravizados. O chicote é causa de muitos ferimentos. A pele do cavalo tem sua estrutura anatômica e fisiológica que é muito delicada e consiste de glândulas sudoríparas, os músculos da pele, vasos sanguíneos e nervos. É por isso que é extremamente sensível a lesões. Usando um chicote, mesmo sem uma grande força, se faz ferida na pele do cavalo. Por causa da pigmentação da pele esses hematomas são invisíveis a olho nu, no entanto eles existem, sendo comprovados por necropsias que mostram claramente os hematomas causados por chicote. Usar um chicote com uma força maior causa ferimentos graves — cortes e danos de tecidos mais profundos como fáscias, vasos sanguíneos e fibras musculares.
Um estudo feito pela Dra Lydia Tong indica que cavalos podem sentir mais dor do que humanos. O estudo demonstra que os cavalos têm uma camada superior de pele mais fina com mais terminações nervosas e fibras sensoriais que os humanos.

Na prova de laço em bezerros, animais de apenas três meses de idade, são perseguidos em alta velocidade, laçados em volta do pescoço e jogados ao chão, uma experiência horrível causando estresse, medo, dor e, por vezes lesões. Um peão ou amazona laça o bezerro pelo pescoço. Os bezerros podem atingir velocidades de até 35 quilômetros por hora e é parado abruptamente e arremessado contra o chão, se ele se levantar ele é arremessado contra o chão novamente. Enquanto estão atordoados, três de suas pernas são amarradas deixando-os desamparados, e muitas vezes com ferimentos, incluindo ossos quebrados, rompimento da traqueia, danos na coluna e hematomas. Foi observado que a parada abrupta do animal possibilita fratura ou deslocamento na coluna ou no pescoço, em razão do golpe sofrido, com risco dos animais virem a óbito ou ficarem tetraplégicos e serem sacrificados.

Nas prova do laço em dupla, novilhos são perseguidos em alta velocidade e depois laçados sendo que um dos competidores laça a cabeça ou os chifres do animal e o outro laça as pernas, o animal é puxado em direções opostas podendo resultar em fraturas, distensão e ruptura de músculos e tendões, deslocamento de vértebras com risco dos animais virem à óbito ou ficarem tetraplégicos e serem sacrificados.

No bulldog os competidores perseguem novilhos a cavalo, em seguida, saltam dos cavalos para pegar os novilhos que correm aterrorizados pelos chifres antes de torcer o pescoço para forçá-los a cair no chão. Isso causa dor e estresse ao animal. As lesões podem incluir chifres quebrados, rupturas musculares, pescoço quebrado, fratura na coluna do animal e deslocamento de vértebras com risco dos animais virem à óbito ou ficarem tetraplégicos e serem sacrificados.
Um bezerro teve sua coluna quebrada em uma competição de bulldog no rodeio de Barretos em 2011 e foi sacrificado por ter ficado tetraplégico.

Um estudo demonstrou que é comum cavalos usados em provas dos três tambores sofrerem danos na articulação metacarpofalângica. Foram feitos exames em 30 cavalos nesse estudo eentre os cavalos que exibiram anormalidades radiográficas observou-se a prevalência de sinais radiográficos das seguintes doenças: sesamoiditis (70%), sinovite vilonodular (56,6%), osteoartrite (OA), fragmentos osteocondrais (13,3%), capsulite (13,3%), e inchaço nos tecidos moles (STS) (6,6%).
O esforço que o cavalo tem que fazer em competições pode causar hemorragia pulmonar, úlceras e ataque cardíaco, na maioria das vezes os cavalos não morrem na arena devido à hemorragia pulmonar, eles morrem horas depois longe dos olhos do público. Um outro estudo demonstrou que 70% dos cavalos usados em provas de três tambores sofrem de hemorragia pulmonar.

Na paleteada dois competidores perseguem um novilho e o prensam entre os dois cavalos. Nas paleteadas os novilhos podem sofrer fraturas e hemorragias internas.

Nas vaquejadas, paleteadas, prova dos três tambores, paleteadas, team penning, work penning, bulldog e provas do laço, são usados freios e bridões para que os competidores possam controlar os cavalos e também castigá-los caso eles façam algo que o peão ou amazona não quer ou desobedeça, se o animal se recusa a fazer algo ou demonstra um comportamento que o peão ou a amazona não quer que ele demonstre ele é castigado com fortes puxões nos freios ou bridões. Qualquer livro sobre odontologia equina fala sobre a dor e as lesões causadas pelos freios e bridões (também chamados de freios articulados). Segundo estudos realizados pela Nevzorov Haute Ecole, um forte puxão no freio produz uma pressão de 300 kg / cm2, enquanto que uma pressão suave produz entre 80 e 150 kg / cm2. A baba grossa que sai da boca do cavalo ao usar o freio se deve ao fato de que há ressecamento na garganta do cavalo pois com o freio ele não consegue engolir saliva e que a baba grossa saindo da boca do animal indica que as glândulas parótidas estão lesadas, a cervical e o sistema muscular do cavalo são lesados pelo puxão das rédeas.
Os freios se dividem em duas categorias: os de ação trigeminal quando os ramos do nervo trigêmeo que passam ao longo dos ossos que formam a mandíbula inferior são escolhidos como principal ponto da inflição da dor e os de efeito dental (bridões) pela qual as áreas dentais macias – as barras, os dentes (o primeiro e segundo pré-molares), língua, palato e gengivas são submetidos a uma influência dolorosa direta, isto é, à dor direta que atua sobre os nervos palatais menores, os ramos dos nervos maxilares, o nervo sublingual, os nervos alveolares e os nervos faciais. O freio atua sobre o diastema, o espaço sem dentes das gengivas em vertebrados, pois é no diastema que está localizada a parte mais sensível do nervo trigêmeo e que nessa área não há uma camada submucosa que o possa proteger dos impactos da pressão do ferro. O ferro pressiona e impacta exatamente nesse ponto causando no cavalo uma dor aguda, queimante e paralisante.

Um experimento científico realizado pelo Dr. Robert Cook provou que o freio é a causa de 40 diferentes doenças. Dizer que existem freios macios é um mito, pois na verdade o que se chama de freio macio são freios mais grossos, o que muda entre um freio fino e um freio grosso é o ponto em que eles infligem mais dor, os freios grossos, chamados de macios, causam menos dor aos lábios dos cavalos, mas causam mais dor à língua do cavalo.

Importante lembrar que o sofrimento dos animais não se limita ao momento em que está sendo realizado o rodeio ou vaquejada, pois eles também sofrem durantes os treinamentos que duram horas por dia.

Além de sofrerem fisicamente, os animais também sofrem psicologicamente em rodeios e vaquejadas. Os animais são submetidos a um ambiente estressante com muito barulho, são forçados a exibir comportamento de luta e fuga, são expostos a multidões, odores desconhecidos, são transportados por longas distâncias. Nos rodeios e vaquejadas os olhos dos animais mostram uma grande área arredondada, luminosa, consequente à dilatação de sua pupila. Na presença de luz, a pupila tende a diminuir de diâmetro (miose). Ao contrário, a dilatação da pupila (midríase) acontece na diminuição ou ausência de luz, na vigência de processo doloroso intenso e na vivência de fortes emoções (medo, pânico etc.) e que acompanham situações de perigo iminente, caracterizando a chamado Síndrome de Emergência de Cânon.

Cabe lembrar também que em enquete realizada pelo site Vote na Web, a maioria dos brasileiros manifestaram que não querem a aprovação do PLC 24/2016. A população já não mais aceita causar sofrimento a animais por entretenimento.

Atenciosamente,
(seu nome)

The bill 24/2016 if approved will declare rodeos and vaquejadas as intangible cultural heritage of Brazil. It is a proven fact that rodeos and vaquejadas cause physical and psychological suffering to animals, we can not allow the bill 24/2016 to be approved by the Brazilian Senate, torture is not cultural heritage!

Please sign and share the petition: https://www.change.org/p/senado-federal-não-ao-pl-1767-2015-no-to-the-bill-1767-2015

If you have a facebook account please invite your friends for this event: https://www.facebook.com/events/1058538224226315/

Also please email de Brazilian Senators.

Send emails to (If your email account does not accept all the e-mail addresses please split them into blocks): asimpre@senado.leg.br; acir@senador.leg.br; aecio.neves@senador.leg.br; aloysionunes.ferreira@senador.leg.br; alvarodias@senador.leg.br; ana.amelia@senadora.leg.br; angela.portela@senadora.leg.br; antonio.anastasia@senador.leg.br; antoniocarlosvaladares@senador.leg.br; armando.monteiro@senador.leg.br; ataides.oliveira@senador.leg.br; benedito.lira@senador.leg.br; cassio.cunha.lima@senador.leg.br; cidinho.santos@senador.leg.br; ciro.nogueira@senador.leg.br; cristovam.buarque@senador.leg.br; dalirio.beber@senador.leg.br; dario.berger@senador.leg.br; davi.alcolumbre@senador.leg.br; edison.lobao@senador.leg.br; eduardo.amorim@senador.leg.br; eduardo.braga@senador.leg.br; elmano.ferrer@senador.leg.br; eunicio.oliveira@senador.leg.br; fatima.bezerra@senadora.leg.br; fernandobezerracoelho@senador.leg.br; fernando.collor@senador.leg.br; garibaldi.alves@senador.leg.br; gladson.cameli@senador.leg.br; gleisi@senadora.leg.br; humberto.costa@senador.leg.br; heliojose@senador.leg.br; ivo.cassol@senador.leg.br; jader.barbalho@senador.leg.br; jorge.viana@senador.leg.br; jose.agripino@senador.leg.br; jose.maranhao@senador.leg.br; josemedeiros@senador.leg; jose.pimentel@senador.leg.br; joao.alberto.souza@senador.leg.br; joao.capiberibe@senador.leg.br; katia.abreu@senadora.leg.br; lasier.martins@senador.leg.br; lindbergh.farias@senador.leg.br; lidice.mata@senadora.leg.br; lucia.vania@senadora.leg.br; magno.malta@senador.leg.br; marcelo.crivella@senador.leg.br; marta.suplicy@senadora.leg.br; omar.aziz@senador.leg.br; otto.alencar@senador.leg.br; paulo.bauer@senador.leg.br; paulopaim@senador.leg.br; paulo.rocha@senador.leg.br; raimundo.lira@senador.leg.br; randolfe.rodrigues@senador.leg.br; reginasousa@senadora.leg.br; reguffe@senador.leg.br; renan.calheiros@senador.leg.br; ricardo.ferraco@senador.leg.br; ricardo.franco@senador.leg.br; roberto.requiao@senador.leg.br; robertorocha@senador.leg.br; romero.juca@senador.leg.br; romario@senador.leg.br; ronaldo.caiado@senador.leg.br; rose.freitas@senadora.leg.br; simone.tebet@senadora.leg.br; sergio.petecao@senador.leg.br; tasso.jereissati@senador.leg.br; telmariomota@senador.leg.br; valdir.raupp@senador.leg.br; vanessa.grazziotin@senadora.leg.br; vicentinho.alves@senador.leg.br; waldemir.moka@senador.leg.br; pinheiro@senador.leg.br; wellington.fagundes@senador.leg.br; wilder.morais@senador.leg.br; zeze.perrella@senador.leg.br

Subject: PLC 24/2016

Message template:

Excelentíssimos senadores,

Venho pedir para que, por favor, votem Contra o PLC 24/2016, que visa declarar rodeios e vaquejadas como patrimônio cultural imaterial do Brasil.

O PLC 24/2016, e os próprios rodeios e vaquejadas, são inconstitucionais. O artigo 225 da Constituição Federal determina que:
Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.
§ 1º Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público:
VII - proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade.

Os rodeios e vaquejadas violam também o Decreto nº 24.645/34, que diz ser dever do Estado tutelar os animais e a Lei de Crimes Ambientais, que considera esses atos, em seu artigo 32, como crimes de maus-tratos.

Os rodeios e vaquejadas violam a declaração universal dos direitos dos animais, da qual o Brasil é signatário, pois a mesmo determina em seu artigo 10 que:
1. Nenhum animal deve de ser explorado para divertimento do homem.
2. As exibições de animais e os espetáculos que utilizem animais são incompatíveis com a dignidade do animal.

Além disso, não é prerrogativa do Legislativo definir o que será ou não considerado como patrimônio cultural brasileiro, processo que cabe ao Poder Executivo, por meio de um minucioso processo de consulta, inventário, pesquisa e salvaguarda sob responsabilidade do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

É fato também que rodeios não podem ser considerados patrimônio cultural do Brasil, pois surgiram nos EUA.

Nas vaquejadas bois ou bezerros são perseguidos por dois competidores a cavalo e depois tem seus rabos puxados e são derrubados. A cauda dos animais é composta, em sua estrutura óssea, por uma sequência de vértebras, ao ter a cauda puxada o animal pode sofrer luxação das vértebras, ruptura de ligamentos e de vasos sanguíneos, sendo que às vezes a cauda é arrancada. Os bois e bezerros também podem sofrer fraturas, luxações e hemorragias internas por causa da queda. Antes de entrar na arena os bois e bezerros são agredidos no brete levando choques, socos, tapas e tendo seus chifres serrados sem anestesia. Um estudo demonstrou que as vaquejadas também causam lesões e danos irreparáveis aos cavalos utilizados na atividade, o estudo constatou percentual relevante de ocorrência de tendinite, tenossinovite, exostose, miopatias focal e por esforço, fraturas e osteoartrite társica em cavalos usados em vaquejadas.

Nas diversas modalidades de rodeio são usados instrumentos que causam dor, lesões, estresse e incômodo aos animais e os levam a exercer comportamentos que não lhes são naturais, tais como sedém, corda ameriana, chicote, esporas, bastões de choque, freios e bridões.

O sedém é uma espécie de cinta, de crina ou lã, que se amarra na virilha do animal e que faz com que ele pule nas provas de montaria em touros, cutiano, bareback e sela americana. Momentos antes de o brete ser aberto para que o animal entre na arena, o sedém é puxado com força, comprimindo ainda mais a região dos vazios dos animais, provocando muita dor, já que nessa região existem órgãos, como parte dos intestinos, bem como a região onde se aloja o pênis, no caso dos machos. A região dos vazios dos animais é extremamente sensível e a pele é mais fina nessa região. Há, inclusive, diversos laudos comprovando os maus-tratos aos animais submetidos à utilização do sedém, desmistificando o dito por aqueles que são favoráveis aos rodeios, de que o sedém provoca apenas cócegas. Aliás, mesmo que considerássemos que o sedém cause apenas cócegas, devemos ressaltar a definição de cócegas como sendo “uma sensação particular, irritante, que provoca movimentos espasmódicos”. Portanto, mesmo que apenas as cócegas fossem causadas, por si só já caracterizam os maus-tratos. Os sedéns macios não evitam o sofrimento dos animais, pois a região onde são colocados são extremamente sensíveis e, portanto, é inócua essa tentativa de minimização dos efeitos de danos que os sedéns causam aos animais. Fotos comprovam que mesmo sedéns revestidos de material macio causam ferimentos aos animais.

A corda americana, usada na modalidade montaria em touros consiste em uma corda ou faixa de couro amarrada e retesada ao redor do corpo do animal, logo atrás da axila. A forte pressão que este instrumento exerce no animal acaba causando-lhe ferimentos e muita dor. Na corda americana são colocados sinos, os quais produzem um barulho altamente irritante ao animal, o qual fica ainda mais intenso a cada pulo seu.

Antes das provas de montaria, os animais são agredidos nos bretes com choques elétricos, tapas, chutes, socos, paus e objetos pontiagudos, de forma a deixa-los agressivos. Os touros têm parte dos seus chifres serrados sem anestesia.

As esporas são objetos pontiagudos ou não, acoplados às botas dos competidores, servindo para golpear o animal na cabeça, pescoço e baixo-ventre, dependendo da modalidade, pois as esporas são usadas em todas as modalidades de rodeios e também nas vaquejadas e gineteadas. Sem fundamento o argumento de que as esporas rombas (não pontiagudas) não causam danos aos animais, pois visa-se golpear o animal e, portanto, com ou sem pontas, as esporas machucam o animal, normalmente provocando cortes na região cutânea, lesões profundas nos músculos e nas modalidades cutiano, bareback, sela americana e nas gineteadas, nas quais os cavalos são golpeados pelas esporas na região do pescoço e na região dos ombros, elas também podem causar perfuração no globo ocular, pois existe o risco do animal, ao movimentar-se, ser atingido na cabeça.

Nas modalidades três tambores, team penning, work penning, bulldog, prova do laço e nas gineteadas são usados chicotes. O dicionário define o chicote como um instrumento usado para castigar animais e que no passado também foi usado para castigar humanos que eram escravizados. O chicote é causa de muitos ferimentos. A pele do cavalo tem sua estrutura anatômica e fisiológica que é muito delicada e consiste de glândulas sudoríparas, os músculos da pele, vasos sanguíneos e nervos. É por isso que é extremamente sensível a lesões. Usando um chicote, mesmo sem uma grande força, se faz ferida na pele do cavalo. Por causa da pigmentação da pele esses hematomas são invisíveis a olho nu, no entanto eles existem, sendo comprovados por necropsias que mostram claramente os hematomas causados por chicote. Usar um chicote com uma força maior causa ferimentos graves — cortes e danos de tecidos mais profundos como fáscias, vasos sanguíneos e fibras musculares.
Um estudo feito pela Dra Lydia Tong indica que cavalos podem sentir mais dor do que humanos. O estudo demonstra que os cavalos têm uma camada superior de pele mais fina com mais terminações nervosas e fibras sensoriais que os humanos.

Na prova de laço em bezerros, animais de apenas três meses de idade, são perseguidos em alta velocidade, laçados em volta do pescoço e jogados ao chão, uma experiência horrível causando estresse, medo, dor e, por vezes lesões. Um peão ou amazona laça o bezerro pelo pescoço. Os bezerros podem atingir velocidades de até 35 quilômetros por hora e é parado abruptamente e arremessado contra o chão, se ele se levantar ele é arremessado contra o chão novamente. Enquanto estão atordoados, três de suas pernas são amarradas deixando-os desamparados, e muitas vezes com ferimentos, incluindo ossos quebrados, rompimento da traqueia, danos na coluna e hematomas. Foi observado que a parada abrupta do animal possibilita fratura ou deslocamento na coluna ou no pescoço, em razão do golpe sofrido, com risco dos animais virem a óbito ou ficarem tetraplégicos e serem sacrificados.

Nas prova do laço em dupla, novilhos são perseguidos em alta velocidade e depois laçados sendo que um dos competidores laça a cabeça ou os chifres do animal e o outro laça as pernas, o animal é puxado em direções opostas podendo resultar em fraturas, distensão e ruptura de músculos e tendões, deslocamento de vértebras com risco dos animais virem à óbito ou ficarem tetraplégicos e serem sacrificados.

No bulldog os competidores perseguem novilhos a cavalo, em seguida, saltam dos cavalos para pegar os novilhos que correm aterrorizados pelos chifres antes de torcer o pescoço para forçá-los a cair no chão. Isso causa dor e estresse ao animal. As lesões podem incluir chifres quebrados, rupturas musculares, pescoço quebrado, fratura na coluna do animal e deslocamento de vértebras com risco dos animais virem à óbito ou ficarem tetraplégicos e serem sacrificados.
Um bezerro teve sua coluna quebrada em uma competição de bulldog no rodeio de Barretos em 2011 e foi sacrificado por ter ficado tetraplégico.

Um estudo demonstrou que é comum cavalos usados em provas dos três tambores sofrerem danos na articulação metacarpofalângica. Foram feitos exames em 30 cavalos nesse estudo eentre os cavalos que exibiram anormalidades radiográficas observou-se a prevalência de sinais radiográficos das seguintes doenças: sesamoiditis (70%), sinovite vilonodular (56,6%), osteoartrite (OA), fragmentos osteocondrais (13,3%), capsulite (13,3%), e inchaço nos tecidos moles (STS) (6,6%).
O esforço que o cavalo tem que fazer em competições pode causar hemorragia pulmonar, úlceras e ataque cardíaco, na maioria das vezes os cavalos não morrem na arena devido à hemorragia pulmonar, eles morrem horas depois longe dos olhos do público. Um outro estudo demonstrou que 70% dos cavalos usados em provas de três tambores sofrem de hemorragia pulmonar.

Na paleteada dois competidores perseguem um novilho e o prensam entre os dois cavalos. Nas paleteadas os novilhos podem sofrer fraturas e hemorragias internas.

Nas vaquejadas, paleteadas, prova dos três tambores, paleteadas, team penning, work penning, bulldog e provas do laço, são usados freios e bridões para que os competidores possam controlar os cavalos e também castigá-los caso eles façam algo que o peão ou amazona não quer ou desobedeça, se o animal se recusa a fazer algo ou demonstra um comportamento que o peão ou a amazona não quer que ele demonstre ele é castigado com fortes puxões nos freios ou bridões. Qualquer livro sobre odontologia equina fala sobre a dor e as lesões causadas pelos freios e bridões (também chamados de freios articulados). Segundo estudos realizados pela Nevzorov Haute Ecole, um forte puxão no freio produz uma pressão de 300 kg / cm2, enquanto que uma pressão suave produz entre 80 e 150 kg / cm2. A baba grossa que sai da boca do cavalo ao usar o freio se deve ao fato de que há ressecamento na garganta do cavalo pois com o freio ele não consegue engolir saliva e que a baba grossa saindo da boca do animal indica que as glândulas parótidas estão lesadas, a cervical e o sistema muscular do cavalo são lesados pelo puxão das rédeas.
Os freios se dividem em duas categorias: os de ação trigeminal quando os ramos do nervo trigêmeo que passam ao longo dos ossos que formam a mandíbula inferior são escolhidos como principal ponto da inflição da dor e os de efeito dental (bridões) pela qual as áreas dentais macias – as barras, os dentes (o primeiro e segundo pré-molares), língua, palato e gengivas são submetidos a uma influência dolorosa direta, isto é, à dor direta que atua sobre os nervos palatais menores, os ramos dos nervos maxilares, o nervo sublingual, os nervos alveolares e os nervos faciais. O freio atua sobre o diastema, o espaço sem dentes das gengivas em vertebrados, pois é no diastema que está localizada a parte mais sensível do nervo trigêmeo e que nessa área não há uma camada submucosa que o possa proteger dos impactos da pressão do ferro. O ferro pressiona e impacta exatamente nesse ponto causando no cavalo uma dor aguda, queimante e paralisante.

Um experimento científico realizado pelo Dr. Robert Cook provou que o freio é a causa de 40 diferentes doenças. Dizer que existem freios macios é um mito, pois na verdade o que se chama de freio macio são freios mais grossos, o que muda entre um freio fino e um freio grosso é o ponto em que eles infligem mais dor, os freios grossos, chamados de macios, causam menos dor aos lábios dos cavalos, mas causam mais dor à língua do cavalo.

Importante lembrar que o sofrimento dos animais não se limita ao momento em que está sendo realizado o rodeio ou vaquejada, pois eles também sofrem durantes os treinamentos que duram horas por dia.

Além de sofrerem fisicamente, os animais também sofrem psicologicamente em rodeios e vaquejadas. Os animais são submetidos a um ambiente estressante com muito barulho, são forçados a exibir comportamento de luta e fuga, são expostos a multidões, odores desconhecidos, são transportados por longas distâncias. Nos rodeios e vaquejadas os olhos dos animais mostram uma grande área arredondada, luminosa, consequente à dilatação de sua pupila. Na presença de luz, a pupila tende a diminuir de diâmetro (miose). Ao contrário, a dilatação da pupila (midríase) acontece na diminuição ou ausência de luz, na vigência de processo doloroso intenso e na vivência de fortes emoções (medo, pânico etc.) e que acompanham situações de perigo iminente, caracterizando a chamado Síndrome de Emergência de Cânon.

Cabe lembrar também que em enquete realizada pelo site Vote na Web, a maioria dos brasileiros manifestaram que não querem a aprovação do PLC 24/2016. A população já não mais aceita causar sofrimento a animais por entretenimento.

Atenciosamente,
(your name)


Keep fighting for people power!

Politicians and rich CEOs shouldn't make all the decisions. Today we ask you to help keep Change.org free and independent. Our job as a public benefit company is to help petitions like this one fight back and get heard. If everyone who saw this chipped in monthly we'd secure Change.org's future today. Help us hold the powerful to account. Can you spare a minute to become a member today?

I'll power Change with $5 monthlyPayment method

Discussion

Please enter a comment.

We were unable to post your comment. Please try again.