Impedir a desmatação dos Imbondeiros (Baobás) do Sequele para urbanização anárquica.

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 500!


O crescimento urbano e a desmatação de zonas florestais colocaram o Imbondeiro, (Embondeiro, Baobá, ou Calabaceira) na lista vermelha das espécies ameaçadas de extinção em Angola.

Está acontecendo o genocídio dos Imbondeiros que estão localizados ao longo da via de acesso à Centralidade do Sequele em Cacuaco e arredores. Um santuário de Imbondeiros dentro de Luanda que deveria ser protegido mas infelizmente já tem uma sentença, mesmo inocentes e donos daquelas terras. A floresta de imbondeiros que ocupa um espaço de 33 mil hectares da cidade do Sequele é de “suma importância” e deve ser protegida contra a desmatação, para a urbanização anárquica, e outros fins.

O crescimento das cidades e o aumento populacional é uma das principais ameaças dos Imbondeiros. No caso de Luanda, há pelos menos um Imbondeiro sobrevivente em cada bairro, que acabam por dar nomes à ruas, travessa e bairros, mas à qualquer momento serão também eliminados como em muitos lugares onde ficou apenas o nome "Imbondeiro" sem a árvore. Estes Imbondeiros solitários espalhados pelos bairros de Luanda, antes viviam também em floresta e nós fomos ocupando o espaço deles.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE ANGOLA, Artigo 39.º (Direito ao ambiente)


1. Todos têm o direito de viver num ambiente sadio e não poluído, bem como o dever de o defender e preservar.


2. O Estado adopta as medidas necessárias à protecção do ambiente e das
espécies da flora e da fauna em todo o território nacional, à manutenção do equilíbrio ecológico, à correcta localização das actividades económicas e à exploração e utilização racional de todos os recursos naturais, no quadro de um desenvolvimento sustentável e do respeito pelos direitos das gerações futuras e da preservação das diferentes espécies.


3. A lei pune os actos que ponham em perigo ou lesem a preservação do ambiente.

Os imbondeiros não vêm partir as nossas casa e empreendimentos, nós é que ocupamos e construimos nos espaços que sempre foram deles.

Adoramos o sumo das suas frutas e a sombra das sua folhas, mas nada fazemos para protege-los.

O desenvolvimento é importante mas deve ser de forma sustentável, não pensando apenas em nós.