Petition update

WhatsApp ainda pode ser bloqueado no Brasil?

ITS Rio
Rio de Janeiro, Brazil

Aug 26, 2016 — Após o bloqueio mais recente do WhatsApp, realizado no dia 19 de julho, tivemos uma vitória: o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, determinou liminarmente a suspensão da decisão da juíza da comarca de Duque de Caxias, por lhe parecer que o bloqueio de aplicativos de mensagens viola o preceito fundamental da liberdade de expressão e comunicação. O Ministro se baseou em direitos garantidos pela Constituição e pelo Marco Civil da Internet, que dispõe sobre o uso da rede no nosso país.

Mas o WhatsApp ainda pode ser bloqueado no Brasil? A resposta, infelizmente, é sim.

Uma decisão liminar como a do Ministro é considerada de tutela urgente, mas é provisória e especifica para o caso concreto que lhe foi submetido. Ou seja, em outros casos judiciais, mesmo em cortes inferiores, um juiz ainda pode determinar bloqueios. Para que possamos resolver de vez esse problema, o Supremo Tribunal Federal é determinante. Mais do que uma decisão liminar como a de Lewandowski, a Corte precisa decidir se bloqueios como esses são constitucionais ou não. E já está em curso uma ação que pode definir exatamente isso. Uma manifestação do STF seria um enorme avanço para impedir a repetição de situações como essa.

Por isso continua sendo muito importante compartilhar essa petição. Vamos mostrar que não queremos mais bloqueios de aplicativos e sites no Brasil.


Keep fighting for people power!

Politicians and rich CEOs shouldn't make all the decisions. Today we ask you to help keep Change.org free and independent. Our job as a public benefit company is to help petitions like this one fight back and get heard. If everyone who saw this chipped in monthly we'd secure Change.org's future today. Help us hold the powerful to account. Can you spare a minute to become a member today?

I'll power Change with $5 monthlyPayment method

Discussion

Please enter a comment.

We were unable to post your comment. Please try again.