Vitória

Petition to Cancel Event in Honor of Bolsonaro at American Museum of Natural History

Este abaixo-assinado foi vitorioso com 24.962 apoiadores!


The signatories of this letter stand together in requesting that the American Museum of Natural History (AMNH) immediately cancel the Brazilian-American Chamber of Commerce Gala dinner scheduled for May 14, 2019, at which the Brazilian President Jair Bolsonaro is to be awarded "Person of the Year".


The AMNH is "one of the world’s preeminent scientific and cultural institutions (...) [that] since its founding in 1869, (...) has advanced its global mission to discover, interpret, and disseminate information about human cultures, the natural world, and the universe through a wide-ranging program of scientific research, education, and exhibition."[1]. In direct opposition to these values, Jair Bolsonaro and his government are enacting a strong anti-scientific agenda in Brazil, curtailing research funding, threatening public education, and reducing environmental regulations to an unprecedented level in Brazilian history. By accepting to host the event, AMNH contradicts its principles and its role as one of the world's leading scientific institutions.


Jair Bolsonaro's political campaign has been fueled, among other issues, by a overt anti-scientific discourse. During the political campaign of 2018 and the first hundred days of his government, professors, universities, and research institutions have been systematically threatened and harassed by the president and his allies. The Bolsonaro government has reduced the federal budget for Science and Technology by 42.27%[2]. His government has also publicly praised fascism and expressed nostalgia for the former Military Regime in Brazil: a troubling trend that represents a great danger to freedom of expression, a cornerstone of society's scientific development.


The anti-scientific nature of Bolsonaro's government is well represented in the views of his Minister of Foreign Affairs, Ernesto Araújo, who claims that climate change is an invention grounded in "Marxist" and "Globalist" ideas, and threatens to abandon the Paris Agreement. Furthermore, Bolsonaro’s Ministry of Agriculture has authorized the use of 152 new pesticides[3], many of which are forbidden in other parts of the world, deemed to be related to cancer. The administration has also transferred the responsibility of regulating indigenous reservation demarcations [4], environmental and climate policy, ecological education, and water resource management to the Ministry of Agriculture, which works for the interests of agribusiness [5]. This change represents a threat to the protection of the already endangered environment, human rights, and biodiversity of Brazil, including the Amazon Forest.


We believe that science, technology and education are key elements for the constitution of a free and democratic society. We believe that the discovery, interpretation and dissemination of information about human cultures and the natural world depends on the protection of our natural resources and respect for indigenous populations. We hope that the AMNH will not let its reputation be tainted by associating itself with a figure such as Jair Bolsonaro, renowned for his obscurantism and attacks against science, human rights and nature.

____________________________________________________

Petição para cancelar evento em honra de Bolsonaro no Museu Americano de História Natural

Os signatários desta carta reúnem-se solicitando que o American Museum of Natural History (AMNH) cancele imediatamente o jantar de gala da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, agendado para 14 de maio de 2019, no qual o presidente brasileiro Jair Bolsonaro será premiado "Personalidade do Ano".


O AMNH é "uma das instituições científicas e culturais mais proeminentes do mundo (...) [que] desde a sua fundação em 1869, (...) avançou sua missão global para descobrir, interpretar e disseminar informação sobre culturas humanas, sobre o mundo natural, e do universo através de um vasto programa de pesquisa científica, educação e exposição"[1]. Em oposição direta a esses valores, Jair Bolsonaro e seu governo estão adotando uma forte agenda anti-científica no Brasil, reduzindo o financiamento de pesquisas, ameaçando a educação pública e reduzindo a regulamentação ambiental a um nível sem precedentes na história brasileira. Ao aceitar sediar o evento, o AMNH contradiz seus princípios e seu papel como uma das principais instituições científicas do mundo.


A campanha política de Jair Bolsonaro foi impulsionada, entre outras questões, por um discurso abertamente anti-científico. Durante a campanha política de 2018 e durante os primeiros cem dias de seu governo, professores, universidades e instituições de pesquisa foram sistematicamente ameaçados e assediados pelo presidente e seus aliados. O governo Bolsonaro reduziu o orçamento federal para Ciência e Tecnologia em 42,27%[2]. Seu governo também elogiou publicamente o fascismo e expressou nostalgia pelo antigo Regime Militar no Brasil: uma tendência preocupante que representa um grande perigo para a liberdade de expressão, um dos principais pilares do desenvolvimento científico da sociedade.


A natureza anti-científica do governo de Bolsonaro está bem representada nas opiniões de seu ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que afirma que a mudança climática é uma invenção baseada em idéias "marxistas" e "globalistas" e ameaça abandonar o Acordo de Paris. . Além disso, o Ministério da Agricultura de Bolsonaro autorizou o uso de 152 novos agrotóxicos[3], muitos dos quais são proibidos em outras partes do mundo, considerados cancerígenas. O governo também transferiu a responsabilidade de regulamentar demarcações de reservas indígenas[4], políticas ambientais e climáticas, educação ambiental e gestão de recursos hídricos para o Ministério da Agricultura, que trabalha pelos interesses do agronegócio[5]. Essa mudança representa uma ameaça à proteção do ambiente já em perigo, dos direitos humanos e da biodiversidade do Brasil, incluindo a Floresta Amazônica.


Acreditamos que a ciência, a tecnologia e a educação são elementos fundamentais para a constituição de uma sociedade livre e democrática. Acreditamos que a descoberta, interpretação e disseminação de informações sobre as culturas humanas e o mundo natural depende da proteção de nossos recursos naturais e do respeito pelas populações indígenas. Esperamos que o AMNH não deixe sua reputação ser manchada, associando-se a uma figura como Jair Bolsonaro, famoso por seu obscurantismo e seus ataques contra a ciência, os direitos humanos e a natureza.

 

[1] AMNH website

[2] SBPC manifesto

[3] Greenpeace Brazil

[4] The Guardian

[5] Medida Provisória 879/2019



Hoje: Reconvexo está contando com você!

Reconvexo Collective precisa do seu apoio na petição «American Museum of Natural History: Petition to Cancel Event in Honor of Bolsonaro at American Museum of Natural History». Junte-se agora a Reconvexo e mais 24.961 apoiadores.