Obrigatoriedade da cobertura de lipoaspiração para lipedema por planos de saúde no Brasil

0 have signed. Let’s get to 2,500!


Aos cuidados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS):

Prezados senhores, 

Nós, abaixo-assinados, viemos, por meio deste documento, solicitar a inclusão da lipoaspiração do lipedema entre os tratamentos cobertos por planos de saúde privados no Brasil.

Abaixo, elencamos os argumentos-base da solicitação.

O que é o Lipedema?
O Lipedema é uma doença do sistema do tecido conjuntivo caracterizada por edema nas células adiposas, que se apresenta de maneira simétrica nos membros inferiores, e em certos casos, também nos membros superiores. A doença foi descrita pela primeira vez em 1940 pelos pesquisadores Edgar A. Hines Jr. e Edgar Van Nuys Allen, da Mayo Clinic, nos Estados Unidos, considerada referência em pesquisa médica. A doença acomete especialmente mulheres.

Em 2018, o Lipedema foi reconhecido como doença pela Organização Mundial da Saúde (lipedema), e incluído no ICD-11 (do inglês, Classificação Internacional de Doenças), que entrará em vigência em 1º de janeiro de 2022. Os códigos incluídos no ICD-11 são: Lipoedema (EF02.2), Lipolinfedema (BD93.1Y), e lipomatose subcutânea (doença de Dercum e doença de Madelung) (EFO2.1). A descrição do lipedema no código EF02.2 é: "O Lipedema é caracterizado por edema não-depressível difuso gorduroso, geralmente confinado às pernas coxas, quadris, e braços superiores. Pode ser confundido com linfedema. Lipedema também pode ocorrer no couro cabeludo.

O lipedema é uma doença progressiva composta de 4 estágios. Nos estágios iniciais, o distúrbio se apresenta em pacientes sem sobrepeso. Porém, conforme a doença avança, pode causar a completa perda de mobilidade, afetando a qualidade de vida da paciente e, em muitos casos, chegando a causar obesidade mórbida, já que a paciente não consegue se mover normalmente e se exercitar. O quarto estágio do lipedema é o lipo-linfedema, no qual o edema nas células adiposas causa linfedema secundário.

O lipedema não é um problema estético. Um de seus principais sintomas é a dor. A doença foi inicialmente descrita pela Mayo Clinic como “doença da gordura dolorosa”. As pacientes geralmente sentem pressão interna nos membros inferiores devido ao edema nas células de gordura, além de dor nas terminações nervosas, entre outros.

Um dos problemas causado pelo lipedema é a alteração do modo de andar. É comum que os tornozelos se tornem pronados (virados para fora), o que causa desgaste nos ligamentos, tendões, e juntas, podendo fazer com que a paciente possa precisar de cirurgia reparadora. O lipedema também causa o surgimento de lipomas em locais como tornozelos e joelhos, causando dor e dificuldade ao andar.

A literatura médica mostra ainda que o lipedema não responde à dietas e exercícios. Há, inclusive, exemplos de pacientes anoréxicas que apresentam lipedema. A doença também persiste em pacientes que fazem a cirurgia bariátrica.

Quais são os sintomas do Lipedema?
Os principais sintomas do Lipedema são:

Pernas com aspecto de “coluna”, desproporcionais ao resto do corpo
Acumulação de gordura em volta dos joelhos e tornozelos, deixando um “anel” de gordura (os pés não são afetados, ao contrário do linfedema) 
Dor e sensação de peso nas pernas 
Pernas que ficam com hematomas facilmente 
Hipersensibilidade ao toque 
Pele com pouca elasticidade, muitas vezes transparente 
Pele fria 
Hipermobilidade (ou síndrome de Ehlers-Danlos) 
Fadiga 
Deficiência de vitaminas e minerais como D, B12, ferro, magnésio, entre outros 
Doenças da tireoide, como hipotireoidismo

Como é feito o diagnóstico do Lipedema?
O diagnóstico do lipedema é clínico, feito por profissionais qualificados como médicos vasculares e dermatologistas. Testes de laboratório como a linfocintilografia podem ajudar a descartar linfedema.

Qual é o tratamento do Lipedema?
O Lipedema não tem cura, porém, dezenas de estudos realizados na Europa e nos Estados Unidos e publicados por jornais de medicina de reconhecimento internacional, em diversas áreas como endocrinologia, angiologia, cardiologia, e dermatologia, demonstraram que a lipoaspiração é o tratamento mais eficaz do lipedema.

Segundo estes estudos, o único tratamento considerado eficaz no lipedema é a lipoaspiração feita com anestesia tumescente e micro-cânulas vibratórias, o que ajuda a preservar o sistema linfático. O método já é comumente aplicado em países europeus e nos Estados Unidos, onde muitos planos de saúde já cobrem o procedimento, visto que reconhecem seu impacto positivo na saúde da paciente e sua qualidade de vida.

A terapia descongestionante conservadora também é indicada no lipedema. Esse tratamento consiste em drenagem linfática manual, meias de compressão, enfaixamento, entre outros tratamentos comuns no linfedema. Normalmente, somente pacientes em estágios mais avançados veem benefícios com esse tipo de tratamento.

(ver abaixo um resumo de estudos sobre lipoaspiração no lipedema)

Por que os planos de saúde devem cobrir a lipoaspiração de Lipedema?
Segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), todos os planos de saúde são obrigados a cobrir diversos procedimentos de cirurgia plástica que são considerados reconstrutivos, ou que melhoram a saúde do paciente.

Entre eles, destaco a cobertura de “mamoplastia” (redução ou correção mamária), “dermolipectomia para correção de abdome em avental” (abdominoplastia), “rinoplastia” (correção do nariz), “correção cirúrgica de ptose palpebral” ou “cantoplastia” (redução das pálpebras), “clitoroplastia” (correção do clitóris), “lipomatose cervical” (como na doença de Madelung, que causa lipomas em volta do pescoço, ombros, e braços), além da “correção cirúrgica de linfedema”.

Todos estes procedimentos corrigem condições que causam danos à saúde e diminuição da qualidade de vida, muitos dos quais inclusive, menos do que o lipedema.

A lipoaspiração de lipedema é uma cirurgia que:
- Remove o acúmulo adiposo, imediatamente resultando em uma melhoria na mobilidade, marcha, e qualidade de vida da paciente
- Pode ser reconstrutiva no caso de uma paciente com perda de peso resultante de cirurgia bariátrica
- Previne o avanço da doença, evitando complicações de saúde, entre elas:
   - Perda da mobilidade
   - Danos às juntas, ligamentos, e tendões
   - Obesidade
   - Linfedema
   - Infecções bacterianas (celulite)

Pelas razões acima listadas, nós, abaixo-assinados, viemos, por meio deste documento, solicitar a inclusão da lipoaspiração de lipedema entre os tratamentos cobertos por planos de saúde privados no Brasil. 

 

ANEXO 1 - Estudos sobre os efeitos da lipoaspiração no lipedema

1.
Título: S1 guidelines: lipedema (Guia S1: Lipedema)
Autores: Reich-Schupke S, Schmeller W, Brauer WJ, et al.
Publicação: Journal der Deutschen Dermatologischen Gesellschaft (Jornal da Sociedade Dermatológica Alemã)
Data: 2017

EXCERTOS: A lipoaspiração leva a significativa melhoria na dor espontânea, pressão, edema, tendência a hematomas, com diferenças significativas pré e pós operatórias (Rapprich 2011, Schmeller 2007 a and b, Schmeller 2012). Uma redução de necessidade de terapias conservadoras, e às vezes até mesmo liberdade da terapia, é alcançada (Schmeller 2012, Rapprich 2011, Cornely 2014). Essa melhora dura por muitos anos (Rapprich 2011, Baumgartner 2014, Schmeller 2012). Além disso, além da redução do tecido adiposo na parte interna da coxa e joelho, danos mecânicos relacionados são significativamente reduzidos ou eliminados. A correção da deformidade das pernas leva à uma melhora na marcha e mobilidade (Stutz 2011), além e uma redução do risco de complicações ortopédicas como consequência do modo de andar característico do lipedema (e.g. gonarthrosis and coxarthrosis). Como resultado da redução dos sintomas, aumento da mobilidade, e menos tempo gasto com terapia conservadora e maior autoconfiança, a qualidade de vida das pacientes é significativamente melhorada.


2.
Título: Liposuction for Lipedema (Persistent Fat) in the US Improves Quality of Life (Lipoaspiração para Lipedema (Gordura Persistente) nos EUA Melhora a Qualidade de Vida)
Autores: Leopoldo Cobos, Karen Herbst, Christopher Ussery
Publicação: Journal of the Endocrine Society (Jornal da sociedade endócrina)
Data: 2019

EXCERTOS: A redução de gordura de lipedema é alcançada somente com a remoção da gordura com lipoaspiração que preserva o sistema linfático. A redução da gordura nos membros inferiores através da lipoaspiração melhora a mobilidade. Dados europeus demonstram que a qualidade de vida melhora em mulheres com lipedema após a lipoaspiração. A melhoria da qualidade de vida após a lipoaspiração foi significativa nos estágios 1 a 3, indo de 81% de melhora para estágio 1 até 86% para estágio 3, mas somente 70% para mulheres com lipolinfedema.

CONCLUSÃO: Mulheres com lipedema notaram melhoria na mobilidade após a lipoaspiração, provavelmente devido à remoção do excesso de tecido adiposo das pernas. A melhora da qualidade de vida após a lipoaspiração concorda com dados europeus, e um maior benefício percebido em estágios iniciais denota a importância da detecção em estágios iniciais e intervenção com lipoaspiração.


3. 
Título: Liposuction of Lipedema for Prevention of Later Joint Complications (Lipoaspiração de Lipedema para a Prevenção de Posteriores Complicações nas Juntas)
Autores: Josef Stutz, Schwarzenbach am Wald
Publicação: Vasomed Journal, Volume 23 (Cardiology and Cardiovascular Medicine) (Jornal de Medicina Cardiológica e Cardiovascular)
Data: 2011

EXCERTOS: Pacientes afetadas desenvolvem um padrão característico na forma de andar (marcha), devido as acumulacoes adiposas nas pernas, especialmente na parte interna das coxas. As pacientes notam somente um aumento na circunferência das pernas, e acreditam que as dores nas juntas estejam conectadas ao ganho de peso. Além dos acúmulos adiposos, as pernas também se tornam mais espaçadas, causando um mal alinhamento que se torna clinicamente relevante. Isso causa a deformidade joelhos valgos e, mais tarde, um mal posicionamento dos tornozelos e das juntas dos quadris.

CONCLUSÃO: A lipoaspiração do lipedema é o único tratamento que pode remover o impedimento mecânico da marcha – ou seja, a acumulação anormal de gordura lipedema na parte interna da coxa – portanto, a lipoaspiração funciona para prevenir a deterioração das juntas por artrite dos joelhos e tornozelos. Além disso, também corrige a marcha anormal que ocorre em pacientes com lipedema.


4.
Título:
Tumescent liposuction: a new and successful therapy for lipedema (Lipoaspiração Tumescente: Uma Terapia Nova e Bem Sucedida para Lipedema)
Autores: Schmeller W, Meier-Vollrath I.
Publicação: Journal of Cutaneous Medicine and Surgery (Jornal da Medicina e Cirurgia Cutânea)
Data: 2006

EXCERTOS: Todas as pacientes tiveram grande melhora, com normalização de proporções. Além disso, dores espontâneas, sensibilidade à pressão, e hematomas, todos desapareceram completamente ou melhoraram significativamente. Fora um pouco de inchaço por alguns dias, nenhuma complicação foi observada após a cirurgia. Todas as pacientes reportaram uma tremenda melhora na qualidade de vida. A necessidade de fisioterapia também foi diminuída.

CONCLUSÃO: A lipoaspiração tumescente é um tratamento eficaz para o lipedema.


5. 
Título:
Prevention of Progression of Lipedema With Liposuction Using Tumescent Local Anesthesia; Results of an International Consensus Conference (Prevenção da progressão do lipedema com lipoaspiração usando anestesia local tumescente: resultados de uma conferência de consenso internacional)
Autores: Sandhofer M, Hanke CW, Habbema L, Podda M, Rapprich S, Schmeller W, Herbst K, Anderhober F, Pilsl U, Sattler G, Sandhofer M, Moosbauer W, Sattler S, Schauer P, Faulhaber J, Maier S, Barsch M, Mindt S, Halk AB.
Publicação: Dermatologic Surgery Journal (Jornal de cirurgia dermatológica)
Data: 2019

EXCERTOS: Especialistas internacionais em lipoaspiração de lipedema se reuniram no Primeiro Congresso Internacional de Lipedema em Viena, Áustria, nos dias 9 a 10 de junho de 2017. Múltiplos estudos da Alemanha reportaram benefícios de longo prazo por pelo menos 8 anos após lipoaspiração de lipedema usando anestesia local tumescente.

CONCLUSÃO: A lipoaspiração que preserva o sistema linfático usando anestesia local tumescente é atualmente o único tratamento eficaz para lipedema.


6.
Título: Tumescent liposuction in lipoedema yields good long-term results (Lipoaspiração tumescente em lipedema gera bons resultados de longo prazo)
Autores: W. Schmeller, M. Hueppe, I., Meier-Vollrath
Publicação: British Journal of Dermatology (Jornal britânico de dermatologia)
Data: 2012

EXCERTOS: Um total de 164 pacientes que haviam se submetido a terapia conservadora por anos, foram tratadas com lipoaspiração com anestesia local tumescente e micro-cânulas vibratórias. Todas as pacientes tiveram uma redução significativa na redução do tecido adiposo subcutâneo com melhora na forma e proporções corporais. Além disso, elas reportaram uma grande melhora ou completo desaparecimento de dor espontânea, sensibilidade à pressão, edema, hematomas, restrição de movimentos, e prejuízos cosméticos, resultando em uma tremenda melhoria na qualidade de vida.

CONCLUSÃO: A lipoaspiração tumescente é um tratamento altamente eficaz para lipedema, com bons resultados de longo prazo morfológicos e funcionais.


7.
Título: Long-term benefit of liposuction in patients with lipoedema (Benefícios de longo prazo da lipoaspiração em pacientes com lipedema)
Autores: Baumgartner A., Hueppe M., Schmeller W.
Publicação: British Journal of Dermatology (Jornal britânico de dermatologia)
Data: 2016

EXCERTOS: Comparados com resultados após 4 anos, a melhora de dor espontânea, sensibilidade à pressão, edema, hematomas, e restrição de movimentos, persistiu. O mesmo ocorreu com a auto-avaliação da aparência cosmética segundo as pacientes, além de qualidade de vida, e prejuízos gerais. Oito anos após a cirurgia, a redução na quantidade de terapia conservadora (terapia descongestionante, com meias de compressão) foi semelhante àquela observada 4 anos antes. 

CONCLUSÃO: Esses resultados demonstram pela primeira vez os resultados positivos de longo prazo da lipoaspiração em pacientes com lipedema.


8.
Título: Improvements in patients with lipedema 4, 8 and 12 years after liposuction (Melhorias em pacientes com lipedema 4, 8, e 12 anos após lipoaspiração)
Autor: Axel Baumgartner, Michael Hueppe, Ilka Meier-Vollrath, Wilfried Schmeller.
Publicação: Phlebology (Flebologia)
Data: 2020

EXCERTOS: Os resultados demonstram que os resultados positivos da lipoaspiração duraram 12 anos sem nenhuma piora significativa. Isso indica que a lipoaspiração do lipedema leva a uma redução permanente da severidade de sintomas, bem como a necessidade de terapias conservadoras.


9.
Título: Liposuction is an effective treatment for lipedema (Lipoaspiração é um tratamento eficaz para lipedema)
Autores: Stefan Rapprich, Anne Dingler, Maurizio Podda
Publicação: Journal of the German Society of Dermatology (Jornal da sociedade alemã de dermatologia)
Data: 2011

EXCERTOS: A remoção do tecido adiposo do lipedema se tornou possível empregando técnicas avançadas de lipoaspiração, que utilizam micro-cânulas vibratórias, sob anestesia local tumescente. A eficácia desse tipo de tratamento para lipedema é o tema deste estudo. No total, 25 pacientes foram examinadas antes da lipoaspiração, e depois de seis meses.

CONCLUSÃO: A lipoaspiração reduz os sintomas do lipedema significativamente.


10.
Título: Treatment of lipedema by low-volume micro-cannular liposuction in tumescent anesthesia (Tratamento de lipedema com lipoaspiração de baixo volume microcanular com anestesia tumescente)
Autores: Wollina U, Heinig B.
Publicação: Dermatologic Therapy Journal (Jornal de terapia dermatológica)
Data: 2019

EXCERTOS: Nós reportamos os resultados de 111 pacientes, a maioria com lipedema em estágio avançado, tratados pela nossa técnica no nosso centro, entre 2007 e 2018. O nível médio de dores antes do tratamento era 7,8 e 2,2 ao final do tratamento. Uma melhoria na mobilidade foi alcançada em todas as pacientes. Hematomas também foram reduzidos.

CONCLUSÃO: A lipoaspiração é um tratamento eficaz para lipedema doloroso.


11.
Título: Water-jet-assisted liposuction for the treatment of lipedema: Standardized treatment protocol and results of 63 patients
Autor: Thomas Witte, Mehran Dadras, Falk-Christian Heck, Marion Heck, Brigitte Habermalz, Stefan Welss, Marcus Lehnhardt, Björn Behr.
Publicação: Journal of Plastic, Reconstructive & Aesthetic Surgery (Jornal de cirurgia plástica, reconstrutiva, e estética)
Data: 2020 

EXCERTOS: A lipoaspiração com jato de água é um método eficaz para o tratamento de pacientes de lipedema em estágio inicial, levando a uma diminuição significativa na severidade dos sintomas, e necessidade de terapia conservadora.


12.
Título: Liposuction in the Treatment of Lipedema: A Longitudinal Study (Lipoaspiração no tratamento do lipedema: um estudo longitudinal)
Autores: Mehran Dadras, Peter Joachim Mallinger, Cord Christian Corterier, Sotiria Theodosiadi, and Mojtaba Ghods
Publicação: Archives of Plastic Surgery (Arquivos de cirurgia plástica)
Data: 2017

EXCERTOS: As pacientes mostraram redução significativa em dor espontânea, sensibilidade a pressão, sensação de tensão, hematomas, danos cosméticos, e prejuízos em geral à qualidade de vida, desde o período pré-operatório, até a primeira consulta pós-operatória, e esses resultados permaneceram consistentes até a segunda consulta pós-operatória.

CONCLUSÃO: A lipoaspiração é o único tratamento eficaz para lipedema, e leva a uma melhora da qualidade de vida e diminuição da necessidade de terapias conservadoras. Uma análise dos diferentes estágios da doença também indicou que resultados melhores e mais sustentáveis podem ser alcançados tratando pacientes em estágios mais iniciais. 


13.
Título: Lipedema: friend and foe (Lipedema: amigo e inimigo)
Autores: Yanira Sanchez-De la Torre, Rita Wadeea, Victoria Rosas, Karen L. Herbst
Publicação: Hormone Molecular Biology and Clinical Investigation Journal (Jornal de biologia molecular hormonal e investigação clínica)
Data: 2018

EXCERTOS: Mulheres com lipedema tem dores que geralmente ocorrem quando o tecido é pressionado ou apalpado, mas também na falta de contato. A dor é definitivamente associada com a gordura, visto que a lipoaspiração reduz a dor significativamente. A dor nas juntas também não é incomum em pacientes com lipedema, especialmente nos joelhos e lombar–a última, devido à lordose e mudanças na estrutura da coluna (especialmente doenças degenerativas de disco), tendões e ligamentos. A hipermobilidade também pode contribuir para os danos nas juntas e dores em mulheres com lipedema. A remoção da gordura de lipedema com lipoaspiração melhorou a qualidade de vida em mulheres com lipedema. 

CONCLUSÃO: Outros tratamentos podem reduzir dor e melhorar a qualidade da gordura no lipedema, mas somente a lipoaspiração consegue reduzir a gordura no lipedema.


14.
Título: Lipedema: a misdiagnosed entity (Lipedema: uma entidade mal diagnosticada)
Autor: Vignes S.
Publicação: Journal des Maladies Vasculaires (Vascular Diseases Journal/France) (Jornal das doenças vasculares/França)
Data: 2012

EXCERTOS: Pacientes podem reclamar de dor, sensibilidade, facilidade de desenvolver hematomas nas áreas afetadas, com sensibilidade moderada a severa à pressão. A evolução ao longo prazo pode alterar o sistema linfático e levar a lipolinfedema, com complicações específicas como celulite (infecção bacteriana).

CONCLUSÃO: Lipoaspiração, especialmente usando anestesia local tumescente, pode reduzir edema, dor espontânea, sensibilidade à pressão, hematomas, e melhorar a aparência resultando em uma importante melhora na qualidade de vida.


15.
Título: Lipedema, a Rare Disease (Lipedema, uma doença rara)
Autores: Bae Wook Shin, M.D., Young-Joo Sim, M.D., Ho Joong Jeong, M.D., and Ghi Chan Kim, M.D.
Publicação: Annals of Rehabilitation Medicine (Anais da medicina de reabilitação)
Data: 2011

EXCERTOS: Atualmente, tratamento conservador produziu uma redução em dor e edema. No entanto, tratamento cirúrgico pode ser considerado para pacientes de lipedema que não respondem ao tratamento conservador. A lipoaspiração era feita com anestesia geral no começo dos anos 1990, mas isso vinha associado com algumas complicações, como sangramento excessivo ou linfedema permanente devido aos danos ao sistema linfático. Agora, os danos a tecidos importantes como nervos e veias pode ser minimizado com lipoaspiração feita com cânulas finas (2 a 4 mm de diâmetro), com anestesia local. 

CONCLUSÃO: Por essa razão, a lipoaspiração é atualmente o tratamento cirúrgico padrão.

 

16.
Título: Lipedema: diagnostic and management challenges (Lipedema: desafios no diagnóstico e gerenciamento)
Autores: Anne Warren Peled and Elisabeth A Kappos
Publicação: International Journal of Women’s Health (Jornal internacional da saúde feminina)
Data: 2016

EXCERTOS: A lipoaspiração usando anestesia local tumescente e cânulas vibratórias é considerada um tratamento eficaz no lipedema. Apesar de não ser uma cura, a lipoaspiração pode melhorar a funcionalidade, dores, inchaços, aparência física, e a qualidade de vida. Em alguns pacientes, o linfedema também pode melhorar ou desaparecer após a lipoaspiração. 

CONCLUSÃO: Liposuction appears to be the most effective and long-lasting treatment for lipedema to date, although many patients often require ongoing conservative treatment postoperatively to maintain results.

 

17.
Título: New Insights on Lipedema: The Enigmatic Disease of the Peripheral Fat (Novos insights sobre lipedema: a enigmática doença de gordura periferal)
Autores: Bauer AT, von Lukowicz D, Lossagk K, Aitzetmueller M, Moog P, Cerny M, Erne H, Schmauss D, Duscher D, Machens HG.
Publicação: Plastic And Reconstructive Surgery Journal (Jornal de cirurgia plástica e reconstrutiva)
Data: 2019

EXCERTOS: A pesquisa foi conduzida com 209 pacientes que foram diagnosticadas com lipedema e tinham feito lipoaspiração tumescente. Hipotiroidismo e depressão ocorreram com frequência muito maior do que a prevalência média na população alemã. A prevalência de diabetes foi particularmente baixa entre as pacientes. 47 das pacientes sofriam de enxaqueca. Após a lipoaspiração, a frequência ou intensidade das crises de enxaqueca foi reduzida significativamente em 32 dessas pacientes. 

CONCLUSÃO: A lipoaspiração levou a uma redução significativa nas dores, inchaço, sensibilidade, e facilidade de desenvolver hematomas, conforme confirmado pela maioria das pacientes. A qualidade de vida melhora significativamente após a cirurgia, com uma redução de dor e inchaço, e menor tendência a desenvolver hematomas facilmente. A baixa prevalência de diabetes, dislipidemia, e hipertensão aparenta ser uma característica específica que distingue o lipedema de obesidade induzida pelo estilo de vida.


18.
Título: Lipedema an often overlooked but treatable disease (Lipedema, uma doença negligenciada, mas tratável)
Autores: Perbeck L., Mellgrim S.
Publicação: Lakartidningen (Jornal Médico Sueco)
Data: 2017

EXCERTOS: A acumulação de gordura, especialmente na parte interna das coxas e joelhos causa dificuldades de locomoção. Isso pode ser tratado com lipoaspiração com bons resultados de longo prazo em termos de redução de dores e prevenção de artrite nos joelhos e tornozelos.


19.
Título: Lipedema: up-to-date of a long forgotten disease (Lipedema: update de uma doença esquecida há muito tempo)
Autor: Wollina U.
Publicação: Wiener Medizinische Wochenschrift (Vienna Medical Weekly) (Jornal Médico Semanal de Viena)
Data: 2017

EXCERTOS: Sem tratamento, o lipedema favorece o desenvolvimento de artrite, linfedema secundário, mobilidade limitada, e estigmatização psicossocial. O tratamento consiste em terapia descongestionante conservadora, e cirurgia de lipoaspiração tumescente com microcânula.

CONCLUSÃO: A lipoaspiração é o único tratamento disponível capaz de reduzir o tecido adiposos e prevenir complicações.


20.
Título: Lipedema-Pathogenesis, Diagnosis, and Treatment Options (Lipedema–Patogênese, Diagnóstico, e Opções de Tratamento)
Autor: Philipp Kruppa 1, Iakovos Georgiou, Niklas Biermann, Lukas Prantl, Peter Klein-Weigel, Mojtaba Ghods.
Publicação: Deutsches Ärzteblatt International (Jornal médico alemão internacional)
Data: 2020

EXCERTOS: Em estudos observacionais, a lipoaspiração para a redução permanente do tecido adiposo é considerada eficaz para aliviar sintomas significativamente.


21.
Título: Cause and Management of Lipedema-Associated Pain (Causa e gerenciamento da dor associada com lipedema)
Autor: Hasan Aksoy, Ayse Serap Karadag, Uwe Wollina
Publicação: Dermatologic Therapy
Data: 2020

EXCERTOS: A lipoaspiração tumescente com micro-cânula é a terapia mais eficaz contra o lipedema. Há evidências substanciais que este procedimento reduz a dor significativamente em pacientes com lipedema. 


22.
Autor: NHS (sistema de saúde pública britânico)

EXCERTOS: O único tratamento que aparenta ser eficaz em reduzir o acúmulo de tecido adiposo associado ao lipedema é um procedimento chamado lipoaspiração tumescente.

 

ANEXO 2 - Referências

1. Herbst, Karen, MD “Lipedema and Obesity – What’s the Link?”, 2014, online article at http://www.obesityaction.org/wp-content/uploads/Lipedema_and_Obesity_online.pdf  

2. Rapprich. Stefan, MD et al, "Liposuction is an effective treatment for lipedema-results of a study with 25 patients", Journal of the German Society of Dermatology (JDDG): Vol 9, (2012); p 33-40. 

3. English Translation of the following German Medical Journal Vasomed article: Stutz, Josef J., MD, "Liposuction of Lipedema for Prevention of Later Joint Complications"; the original German publication: Stutz, Josef J., MD, "Liposuktion beim Lipödem zur Verhinderung von Gelenkspätkomplikationen" Vasomed, Vol 23 (2011); [Vasomed is a German peer-reviewed medical journal on topics of vascular surgery].

4. Peled, Anne Warren, MD, Slavin, Sumner, MD and Brorson, Hakan, MD, "Long -term Outcome after Surgical Treatment of Lipedema", Annals of Plastic Surgery, Volume 68, No. 3, (Mar 2012); p 303. 

5. Schmeller, W, MD; Hueppe, M, MD and Meier-Vollrath, I, MD, "Tumescent liposuction in lipedema yields good long-term results", British Association of Dermatologists, British Journal of Dermatology, Vol. 166 (2012); pp. 161-68 Schmeller, W, et al, "Tumescent liposuction in lipedema yields good long-term results", British Association of Dermatologists, British Journal of Dermatology, Vol. 166 pp. 161-68 (2012).

6. Stutz, Josef J., MD, and Krahl, D., MD: "Water Jet-Assisted Liposuction for Patients with Lipoedema: Histologic and Immunohistologic Analysis of the Aspirates of 30 Lipoedema Patients", Journal of International Society of Aesthetic Plastic Surgery (2008).   

7. Fat Disorders Research Society. “Liposuction Surgery”, 2015. http://www.fatdisorders.org/society/patients/liposuction-surgery 

8. Fife, Carolyn E. MD et al: "Lipedema: A Frequently Misdiagnosed and Misunderstood Fatty Deposition Syndrome," Lippincott Williams & Wilkins, Advances in Skin & Wound Care Vol 23, No. 2 (Feb 2010).

9. Elkhatib HA (2014) “Liposuction: A Surgical Tool to Improve the Quality of Life after Morbid Medical Conditions: Review of Literature”. Anaplastology 3:133. 

10. Langendoen, Habbema, Nijsten and Neumann, "Lipoedema: from clinical presentation to therapy.  A review of the literature", British Association of Dermatologists, British Journal of Dermatology (2009); p 980-986.

11. English Translation of the German Phlebotomy Guidelines on Lipedema diagnosis and treatment, June 2009. “Guidelines of the German Society Phiebology (DGP)” “(Lipodem: Leitlinie der Deutschen Gesellschaft fur Phlebologie)”.

12. Forner-Cordero, A.; Szolnoky, G; and Kemeny, L : "Lipedema: an overview of its clinical manifestations, diagnosis and treatment of the disproportional fatty deposition syndrome- systematic review", Clinical Obesity, International Association for the Study of Obesity, Vol 2, Issue 3-4 p. (2012).

13. Dadras, M.; Mallinger, P.; Corterier, C.; Theodosiadi, S.; Ghods, M.: “Liposuction in the Treatment of Lipedema: A Longitudinal Study”, Arch Plast Surg. 2017 Jul; 44(4): 324–331.

14. Cobos, L.; Herbst, K.; Ussery, C.: “Liposuction for Lipedema (Persistent Fat) in the US Improves Quality of Life”, Journal of the Endocrine Society, 2019 Apr 15; 3(Suppl 1): MON-116.

15. Shin, B.; Sim, Y.; Jeong, H.; Kim, G.: “Lipedema, a Rare Disease”, Annals of Rehabilitation Medicine, 2011 Dec; 35(6): 922–927.

16. Bauer AT, von Lukowicz D, Lossagk K, Aitzetmueller M, Moog P, Cerny M, Erne H, Schmauss D, Duscher D, Machens HG.: “New Insights on Lipedema: The Enigmatic Disease of the Peripheral Fat”, Plast Reconstr Surg. 2019 Dec;144(6):1475-1484. doi: 10.1097/PRS.0000000000006280.

17. Sandhofer M, Hanke CW, Habbema L, Podda M, Rapprich S, Schmeller W, Herbst K, Anderhober F, Pilsl U, Sattler G, Sandhofer M, Moosbauer W, Sattler S, Schauer P, Faulhaber J, Maier S, Barsch M, Mindt S, Halk AB.: “Prevention of Progression of Lipedema With Liposuction Using Tumescent Local Anesthesia; Results of an International Consensus Conference”, Dermatol Surg. 2019 Jul 23. doi: 10.1097/DSS.0000000000002019

18. Wollina U, Heinig B.: “Treatment of lipedema by low-volume micro-cannular liposuction in tumescent anesthesia: Results in 111 patients”, Dermatol Ther. 2019 Mar;32(2):e12820. doi: 10.1111/dth.12820. Epub 2019 Jan 30.

19. Perbeck L., Mellgrim S.: “Lipedema an often overlooked but treatable disease”, Lakartidningen. 2017 Nov 13;114. pii: ETHF.

20. Wollina U.: “Lipedema: up-to-date of a long forgotten disease”, Wien Med Wochenschr. 2017 Oct;167(13-14):343-348. doi: 10.1007/s10354-017-0566-2. Epub 2017 May 10.

21. Baumgartner A., Hueppe M., Schmeller W.: “Long-term benefit of liposuction in patients with lipoedema: a follow-up study after an average of 4 and 8 years”, Br J Dermatol. 2016 May;174(5):1061-7. doi: 10.1111/bjd.14289. Epub 2015 Dec 26.

22. Vignes S.: “Lipedema: a misdiagnosed entity”, J Mal Vasc. 2012 Jul;37(4):213-8. doi: 10.1016/j.jmv.2012.05.002. Epub 2012 Jun 13.

23. Anne Warren Peled and Elisabeth A Kappos: “Lipedema: diagnostic and management challenges”, International Journal of Women’s Health. 8/11/2016

24. Yanira Sanchez-De la Torre, Rita Wadeea, Victoria Rosas, Karen L. Herbst: “Lipedema: friend and foe”, Hormone Molecular Biology and Clinical Investigation Journal. 03/2018

25. Canadian Agency for Drug and Technologies in Health (CADTH). Rapid Response Report. Summary with Critical Appraisal: Liposuction for the Treatment of Lipedema-A Review of Clinical Effectiveness and Guidelines.

26. Reich-Schupke S, Schmeller W, Brauer WJ, et al. S1 guidelines: lipedema. J Dtsch Dermatol Ges. 2017; 15(7):758-767.

27. Philipp Kruppa, Iakovos Georgiou, Niklas Biermann, Lukas Prantl, Peter Klein-Weigel, Mojtaba Ghods. Lipedema-Pathogenesis, Diagnosis, and Treatment Options. Deutsches Ärzteblatt International. 2020 Jun.

28. Hasan Aksoy, Ayse Serap Karadag, Uwe Wollina. Cause and Management of Lipedema-Associated Pain. Dermatologic Therapy. 2020 Oct 1.

29. Thomas Witte, Mehran Dadras, Falk-Christian Heck, Marion Heck, Brigitte Habermalz, Stefan Welss, Marcus Lehnhardt, Björn Behr. Water-jet-assisted liposuction for the treatment of lipedema: Standardized treatment protocol and results of 63 patients. Journal of Plastic, Reconstructive & Aesthetic Surgery. 2020 Sep.

30. Axel Baumgartner, Michael Hueppe, Ilka Meier-Vollrath, Wilfried Schmeller. Improvements in patients with lipedema 4, 8 and 12 years after liposuction. Phlebology. 2020 Aug.

31. https://www.nhs.uk/conditions/lipoedema/