Cotas de emprego para pessoas em situação de vulnerabilidade profissional

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 100!


Muitas pessoas no Brasil já passaram dos 25 ano de idade e ainda não tiveram oportunidade de permanecer um período relevante em uma empresa, que lhes faculte adquirir a experiência profissional tão exigida hoje em dia no nosso mercado de trabalho. Isso se deve, muitas vezes, não à falta de vontade de trabalhar desses indivíduos, mas ao fato de haverem sido demitidos por motivos banais, já que a oferta de mão de obra está muito grande no nosso país, devido à grande taxa de desemprego, o que, infelizmente, leva muitas empresas a banalizarem a questão da demissão de seus funcionários, não levando em conta que, com isso, estão prejudicando gravemente a vida profissional e pessoal desses cidadãos. Essa situação se agrava com a crise econômica que o Brasil vem atravessando, já que as empresas vêm se aproveitando dessa situação para exigir cada vez mais e mais qualificação e experiência dos candidatos, mesmo para as funções mais fáceis de se executar. Isso faz com que essas pessoas entrem em situação de vulnerabilidade social, pois vão tendo cada vez mais dificuldade em conseguir emprego por terem pouca experiência e, conforme o tempo vai passando, essa dificuldade só vai aumentando, gerando um círculo vicioso. Isso prejudica não só a vida profissional e pessoal dessas pessoas, como também a economia do país como um todo, visto que deixa-se de dar oportunidades a cidadãos válidos e competentes, que poderiam estar colaborando com o crescimento da nação. A proposta desse abaixo-assinado é que se discuta a criação de uma lei que preveja cotas de emprego para esses cidadãos, semelhante às cotas para pessoas com deficiência física (PDF). Assim, muitos brasileiros válidos seriam reinseridos no mercado de trabalho e, com isso, todo o país só tem a ganhar.



Hoje: Eduardo César está contando com você!

Eduardo César de Oliveira Sales Veloso precisa do seu apoio na petição «Senado: Cotas de emprego para pessoas em situação de vulnerabilidade profissional». Junte-se agora a Eduardo César e mais 8 apoiadores.