Libera alvará para o Instituto Paranaense de Cegos

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 500!


Prefeitura de Curitiba comete crime! #AlvaráProIPC

A Secretaria Municipal de Urbanismo de Curitiba negou e está travando o processo de liberação do alvará de construção no terreno do IPC (Instituto Paranaense de Cegos) no bairro Campo Comprido. Com isso, põe em risco o atendimento gratuito feito a mais de 200 pessoas cegas e baixa visão todos os meses e comete crime de discriminação, infringindo o Artigo 19 da Constituição Federal de 1988, que proíbe criar distinções entre brasileiros ou preferências entre si!

Vamos explicar: a secretaria cria argumentos frágeis e que são derrubados na Justiça; ela para o processo e procrastina, tendo sido alvo de mandados de segurança; e ainda adota dois pesos e duas medidas em suas avaliações, cometendo crime, conforme mostra o dossiê preparado pelo IPC e disponível para consulta no portal www.novoipc.org.br E por que o alvará não é liberado? É a pergunta que nos fazemos e fazemos à Secretaria de Urbanismo! Se outros empreendimentos de mesma finalidade e mesmo porte, porém, de grandes empresários, foram construídos ali, em terreno vizinho, sob a mesma lei de zoneamento e administrativas, por que o IPC não pode? Tudo está regular, todo o processo, cada parte do projeto, conforme analisado pelo próprio Comitê da Secretaria de Urbanismo, pelo Ministério Público do Paraná e pela Justiça. Todos os alvarás - meio ambiente, trânsito etc. - foram dados e aprovados, por que o de construção não, se atende à lei?

Se o alvará não sair, os empresários que atualmente mantém o contrato de locação do terreno, tendo em vista a obra que ali será feita, cancelarão o negócio e o IPC perderá R$ 30 mil mensais, recurso DECISIVO na manutenção dos seus atendimentos.O IPC mantém 23 moradores idosos em sua Moradia Acolhedora. O custo de cada um é, em média, R$ 2.500 por mês. No entanto, a Prefeitura (por meio da FAS - Fundação de Ação Social) repassa apenas R$ 1.000 mensais por morador, o que deixa um buraco de R$ 1.500. Sem falar nos 200 atendimentos gratuitos que o instituto presta todo mês, em média, e nas centenas de outros atendimentos de pessoas com deficiência visual não inscritas no IPC e que batem à porta dele. Para piorar, a FAS cancelou repasses de R$ 20 mil ao IPC. Então, de onde vem o dinheiro para cobrir o trabalho? Vem de algumas emendas parlamentares, doações e recursos próprios, sendo que a maior parte é desse contrato do terreno do Campo Comprido. Entende? Se o alvará não sair, o dinheiro não mais virá e quem sofrerá são as pessoas com deficiência visual.

Você pode ajudar a mudar isso! Engrosse o coro do IPC! Assine a petição (abaixo-assinado)! #AlvaráProIPC



Hoje: IPC está contando com você!

IPC Instituto Paranaense de Cegos precisa do seu apoio na petição «Secretaria Municipal de Urbanismo de Curitiba: Libera alvará para o Instituto Paranaense de Cegos». Junte-se agora a IPC e mais 248 apoiadores.