Contra o racismo e a manipulação de edição no #BBB19.

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 15.000!


Após duas semanas de "BBB19" e um combo de falas racistas, a edição tem evitado mostrar na Globo as situações e frases mais chocantes de uma participante. Quem assiste à transmissão 24 horas do programa sabe que a bacharel em direito é a personagem mais polêmica e maldosa do programa, entretanto quem não é assinante do Globo Play, ignora isso completamente.

Na primeira semana de confinamento, Paula Von Sperling Viana deu star em suas provocações: "Eu já usei maconha. Você já experimentou maconha?", perguntou a Danrley, jovem negro e morador da Rocinha. O rapaz negou, mas Paula ignorou: "Deixa de ser bobo menino, pode falar, eu não conto pra ninguém". Alguns internautas chegaram a duvidar que sua fala tivesse a ver com a estigmatização de jovens negros e periféricos serem obrigatoriamente usuários de drogas. Entretanto, diálogos posteriores comprovam o preconceito.

Como por exemplo, na última sexta-feira, dia 25, enquanto lavava louça, Paula contou a história de uma mulher que foi esfaqueada pelo marido e fez um comentário racista. Ela disse ter ficado surpresa pelo fato do assassino ser "branquinho".

“Ela levou umas 34 facas, mas ela achou que tinha levado três, porque ela levou e desmaiou. Só sentiu um molhado nas costas”, disse a bacharel em Direito. E então Hariany questionou: “Que que ela fez pra ele fazer isso?”. Em seguida Paula terminou a história: “Ele achou que ela tinha traído ele. Ela cheia de vergão, e era aquela faca de pão. E aí eu pensei que ia chegar mó faveladão lá, e quando eu vi o cara era branquinho, morou não sei quanto tempo na Austrália ou no Canadá, não sei”. “O cara era louco mesmo, então”, concluiu Diego.


Em mais de uma ocasião, a bacharel em direito já disse que é brincalhona e que gosta de provocar os colegas de confinamento. Falando de si mesma na terceira pessoa, disse a Hariany: "Daqui a pouco a Globo vai ser processada de tanto bullying que você está fazendo no programa". E completou: "Ai, meu Deus do céu, eu sou terrível. Não é por maldade. Acho graça".

Essas conversas não apareceram no resumo que o "BBB" faz todos os dias durante o programa ao vivo.

A edição mostrou um raro momento questionável de Paula. Foi numa conversa entre mulheres, Gabriela disse que tinha emprestado o shampoo para Elana "porque ela também tem cabelo cacheado". Paula falou: "Eu também tenho cabelo ruim". Gabriela não gostou: "Não fala isso. Ruim é preconceito, cabelo não". A loira respondeu: "É mania, né? Mas quando tem uma dobrinha a gente já fala que não é liso". Gabriela acrescentou: "A gente precisa mudar isso".

A última pérola racista da participante Paula se deu hoje, dia 30, em uma conversa com Gabriela, Hana, Rodrigo e Hariany, Paula disse que “humor negro” é fazer piadas com negros e que ao pesquisar no google "humor negro" aparece um monte de piadas racistas.

 

Textos: Aline Ramos e Maurício Stycer 

Todos estes momentos são escondidos do público. Por qual motivo o participante Gustavo teve seus machismos expostos, mas Paula não tem seus racismos igualmente expostos? Por qual motivo a edição está tentando vender Paula como uma mulher inocente, engraçada, se ela fere com seu racismo os negros que estão convivendo com ela?

Por qual motivo estão sendo coniventes com isso? 

Por qual motivo estão escondendo os fatos do público?

Queremos transparência! Que seja mostrado TUDO para o público.

Vídeos:

https://twitter.com/gramich/status/1090667334862364672

https://twitter.com/TimeRealitys/status/1090716272466239488