PELA SEGURANÇA DA MOOCA, AGUA RASA E REGIÃO

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 2.500!


Prezado Prefeito, subprefeito da cidade e subprefeito da regional Mooca. 

Desde a implantação de um "abrigo" localizado na rua Serra de Jairé nas proximidades da Rua João Soares, na mooca, a vida dos moradores, principalmente dos que tem crianças, são idosos ou até mesmo que procuram a região para ir á agencia do INSS e ao Ama Agua Rasa, tornou-se o começo do calvário para o inferno. 

Todos os dias dezenas de crianças e jovens de má índole são flagrados por moradores e por câmeras de segurança roubando, furtando e ameaçando as pessoas da região. Temos imagens de câmera de segurança que mostram a ação dos meliantes a luz do dia coagindo e roubando o celular de uma criança que voltava da escola. Todas as noites muitos deles "se atrasam" e não conseguem entrar no abrigo, e passam a noite ali, a mercê da "sorte" de passar uma vítima para eles roubarem, usando drogas no meio da rua, amontoados gritando e falando um monte de bobagens. Eles não só roubam, furtam, coagem, como colocam em risco a intimidade de muitas meninas e adolescentes que transitam pela rua pois correm o risco de ser vítimas de estupro. 

 O ECA (Estatuto da criança e do adolescente) tem a OBRIGAÇÃO de ampara-los por lei, mas tem mesma OBRIGAÇÃO com todas as crianças do BRASIL, inclusive com aquelas que moram ao lado do abrigo, aos arredores do abrigo e ás crianças do CCJ que, se não fosse o empenho da igreja católica, já teria desamparado ás muitas dezenas de crianças descentes que passam o dia ali, antes ou depois das aulas, e recebem de três a cinco refeições, fora toda a ajuda e o apoio que deveria caber á Prefeitura dar para nós, pais, porém não existe; nem á nós e muito menos ao CCJ . Apesar de tudo isso, nos calamos e fazemos nós mesmos a própria segurança, evitando entrar ou sair de nossas casas em determinados horários, não tendo vida social, viramos reféns dos menores, nós é que estamos presos enquanto os que de fato em reclusão deveriam viver, estão livres nas portas de nossas casas fumando maconha, usando cocaína e crack, ameaçando nossos meninos e assediando nossas meninas. 

Apesar de todos esses riscos, os moradores da região, os funcionários do AMA e do INSS, assim como os colaboradores do CCJ Padre José e a Comunidade Católica Nossa Senhora de Lourdes não se manifestaram ou denunciaram, acreditando que, por se tratar de criança e adolescente em situação de rua, mereciam uma chance de mudar de vida, mas infelizmente o que vemos são menores infratores se sentido os "donos da rua", monitores agindo como estátuas, sem voz ativa, sem poder de autoridade sobre eles, deixando eles fazer o que bem entendem e do jeito que bem acharem correto.

Para fechar com chave de ouro, o Sr. Prefeito João Dória, nascido em comunidade rica e educado nos melhores colégios, sem ter de fato contato com a classe média/baixa da cidade do qual muito de nós o elegemos para cuidar; querendo diminuir a curto prazo e a "toque de caixa" a população de rua de SP,  montou praticamente no mesmo local do abrigo, um albergue de acolhida provisória onde em tese, os moradores que teriam direito são os que acordam cedo, trabalham, mas voltam para dormir no albergue por não ter onde morar. Mas na prática, Sr. Prefeito, a situação tornou-se um verdadeiro inferno, o Sr. acabou de vez com a paz de todos! 

Todas as noites temos  "montinhos" de crianças, adolescentes e adultos usando drogas sentados nas portas das casas dos moradores, fazendo SEXO na parede da vila próximo a igreja católica (em GRUPOS) ou urinando e defecando na porta dos moradores, desferindo termos nojentos ás meninas/mulheres/senhoras , roubando, furtando, coagindo… veja bem Sr. Prefeito, o bando de menores infratores, ao invés de receber educação de monitores com poder de autoridade coercitiva sobre eles, ganhou um monte de ADULTOS ALIADOS que de certo vão arquitetar como assaltar as residências, empresas e até órgãos públicos da região, e colocar estes planos em prática  utilizando-se de tais menores de má índole, vez que essa lei editada ás avessas (ECA) não permite que castiguemos um filho com um tapa, mas permite que menores façam essa barbárie de crimes e respondam por “analogia”.

 Somos todos HUMANOS, não queremos o mal de ninguém mas também não temos sangue de barata e não vamos esperar que um ente querido nosso morra para tomar uma atitude, portanto Sr. Prefeito, através deste reivindicamos, á priore e a caráter URGENTE:

- Base policial FIXA entre as ruas Serra de Jairé e João Soares, equipada e com policiamento masculino e feminino, afim de devolver a paz que nos foi roubada;

- Câmeras de monitoramento da prefeitura na porta do albergue e do abrigo, desta forma fazendo-nos sentir menos coagidos quando saímos para a rua;

- Monitores competentes e capacitados que emanem poder de autoridade e de coerção sobre estes jovens infratores para que eles não utilizem nossas portas como biqueiras, banheiros ou motel;

- Controle correto e NECESSÁRIO de quem são os de fato moradores do albergue;

- Fim dos “montinhos” de crianças, adolescentes e agora adultos na rua e nas portas de nossas casas com policiamento

- Disciplina!

 Peço que coloque-se em nosso lugar! Pode ser na Mooca, Itaquera ou Capão Redondo, ninguém pode adquirir direito turbando o direito alheio e, se caso tais medidas não forem acatadas, vamos recorrer até a instância mais alta da justiça e pedir a EXTINÇÃO do albergue e do abrigo.

Se está de fato preocupado com as pessoas que o elegeram e com a população de rua e, principalmente, com as crianças de rua que são responsabilidade estatal, tome a providência cabível o quanto antes. Honre suas promessas políticas, honre nossa confiança e voto!

Peço a todos que concordam que assinam este abaixo assinado, para que consigamos o número necessário de assinaturas afim de reivindicar o NOSSO direito roubado



Hoje: A Mooca está contando com você!

A Mooca Pede Paz precisa do seu apoio na petição «PREFEITO JOÃO DÓRIA: PELA SEGURANÇA DA MOOCA, AGUA RASA E REGIÃO». Junte-se agora a A Mooca e mais 1.874 apoiadores.