Vitória

Não à reabertura do comércio em Varginha no dia 06/04!

Este abaixo-assinado foi vitorioso com 5.550 apoiadores!


Há 15 dias atrás, a prefeitura de Varginha editou um decreto que impôs restrições à circulação de pessoas através da determinação do fechamento de estabelecimentos comerciais não-essenciais de várias naturezas. Isso foi feito em razão da disseminação, cada vez mais intensa, em nossa região, do coronavírus, agente patológico causador da covid-19. O objetivo era frear o contágio, de modo que o sistema de saúde não fosse tão precocemente saturado, para que mais vidas pudessem ser salvas em nosso município. Essas medidas, que fazem parte do que se conceitua como isolamento social, são recomendadas pela OMS (Organização Mundial de Saúde) como a única forma eficaz de reduzir os danos que podem ser causados pela pandemia. Deve-se lembrar que contra a covid-19 não existem vacinas e nem medicamentos com eficácia comprovada.

Sabemos que o Brasil não conta com um sistema de saúde capaz de atender à demanda da população, e em nosso município, em particular, existem apenas 40 vagas de UTI do SUS, e 10 na rede privada. Varginha tem 135 mil habitantes e, além do mais, é um polo regional que atende a uma grande rede de municípios em seu entorno. Portanto, as medidas de isolamento social são extremamente necessárias para que mais pessoas possam ser tratadas, caso venham a desenvolver sintomas mais graves.

Em material divulgado nas redes sociais pela própria Prefeitura de Varginha, há um exemplo sobre as dimensões do problema: caso em que apenas 10% da população do município vir a ser contaminada com o vírus, teremos 13.500 pacientes com a covid-19. Em média, 5% desenvolvem sintomas graves e precisam de leitos mais equipados, como as UTIs. Nesse caso, teríamos 675 pacientes, para 40 leitos de UTI públicos e 10 particulares. Uma verdadeira tragédia!

No dia 03/04, o prefeito de Varginha, Antônio Silva, anunciou em vídeo (https://www.youtube.com/watch?v=DtJULhlftHA que está em processo a flexibilização dessas medidas restritivas à circulação das pessoas na cidade, em virtude da pandemia da covid-19. O prefeito anunciou a intenção de realizar a liberação de funcionamento parcial do comércio na cidade, para além das atividades essenciais. Essa medida já foi oficializada pelo decreto nº 9.769/2020 (https://www.varginhaonline.com.br/noticias/arquivos/Decreto_9.769.pdf Contrariando o que parecia ser, inicialmente, a tônica da própria publicidade da Prefeitura, até então favorável ao isolamento social. O mencionado decreto permite a presença de até 30 pessoas simultaneamente em um estabelecimento comercial ou religioso, por exemplo. No vídeo, o prefeito ainda lamenta não dispor de poderes para ampliar ainda mais a reabertura comercial.

Devemos lembrar ainda, que Minas Gerais está em uma flagrante situação de subnotificação dos casos. Apenas casos mais graves são testados, e são múltiplos os relatos de falecimentos sem testes para o coronavírus. Segundo a FUNED, existem, no dia 03/04, 397 casos confirmados no Estado, e expressivos 41.339 casos suspeitos em Minas Gerais.

Segundo a página do Facebook "Varginha 24 horas", tanto a Associação Médica de Varginha (AMV) e o Sindicato dos Médicos (SINMED), se pronunciaram contra a retomada do comércio na cidade (https://www.facebook.com/Varginha24h/photos/a.196660871139897/695140137958632

Por mais que, no mencionado decreto, existam recomendações sanitárias quanto à retomada das atividades comerciais, sabemos que a fiscalização será precária, se existente. Além disso, são colocados em risco milhares de trabalhadores da cidade que se deslocam diariamente pelo transporte público, e têm a possibilidade de, não só desenvolverem sintomas graves, como também se tornarem agentes que contaminarão involuntariamente suas famílias em isolamento.

Sabemos que o ônus econômico não será pequeno, por isso, ao invés de romper o isolamento social de maneira precoce, seria desejável que o poder público municipal cobrasse iniciativas concretas dos níveis Estadual e Federal, como a garantia da renda básica para trabalhadores, desempregados e idosos. Também seria providencial que orientasse o empresário local quanto à busca de crédito com taxas mais acessíveis e possibilidades de isenções fiscais.

É hora de a população de Varginha mostrar seu apreço à ciência, à saúde, e ao bem-estar de seus cidadãos! Não à retomada do comércio na cidade no dia 06/04! Pela imediata revogação do decreto nº 9.769/2020!



Hoje: Elton está contando com você!

Elton Rodrigo precisa do seu apoio na petição «Prefeito Antônio Silva: Não à reabertura do comércio em Varginha no dia 06/04!». Junte-se agora a Elton e mais 5.549 apoiadores.