Abaixo assinado: HORTOLÂNDIA TEM QUE ABRIR!

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 1.000!


Para reabertura do comércio – Hortolândia

Cidade se encontra em quarentena total – com funcionamento apenas de estabelecimentos considerados “essenciais” – desde o dia 23 de março.

Segundo o último boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria municipal de Saúde, Hortolândia tem 20 casos confirmados, 2 casos de isolamento domiciliar , 2 óbitos (segundo consta), 74 casos descartados, 15 pacientes curados, segundo boletim desta terça feira dia 21/04/2020, usando como fonte de informação, os dados anunciados pela própria prefeitura de Hortolândia!

Há a necessidade de se apresentar  propostas para diálogo entre os comerciantes e empresários, que até o momento, não tem se visto uma reunião voltada para esta parte da população que tanto necessita de atenção.

Dos impactos econômicos

Desde o decreto de quarentena, estabelecimentos comerciais que não se enquadram na categoria de essenciais nem dispõe da possibilidade de atuação com delivery (lojas de roupas/ calçados, armarinhos, lojas de ferramentas e de manutenção de celulares e computadores, prestadores de serviço, etc) deixaram de auferir qualquer tipo de renda. As despesas, por outro lado, continuam estáveis (mão de obra, aluguel, contas de consumo, financiamentos, salários de funcionários, etc).

Considerando esses fatores (econômicos, sociais e de saúde), o empresário Eduardo Ricatto, juntamente com um grupo de comerciantes e empresários desta cidade, apresenta a seguinte proposta para reabertura, ainda que parcial, do comércio:

Prestadores de serviço: barbearias, salões de beleza, financeiras e demais atividades do gênero.

Atendimento liberado via agendamento – um cliente por vez – com uso de máscara e luvas por lojistas e funcionários.

Varejo em geral

Atendimento liberado, de segunda a sexta-feira, entre 10h e 18h. Funcionamento com restrição a entrada de pessoas a 30% da capacidade do estabelecimento por vez.  Uso de máscara por lojista em funcionários, dispensário de álcool em gel e higienização constante das superfícies de toque.

Bares, restaurantes e lanchonetes

Abertura liberada com distância mínima de dois metros entre as mesas, dispensário de álcool em gel, reforço na higienização e uso de máscaras pelos funcionários. Shows musicais, cinema, escolas e faculdades, além de outros eventos que possam gerar aglomerações seguem restritos.

Contingências

Divisão de funcionários em turnos (manhã e tarde) para evitar aglomerações no transporte e permitir o cuidado dos filhos, já que as escolas seguem fechadas.

Manutenção, em quarentena, de funcionários que estejam em grupos de risco (idosos e portadores de outras comorbidades que possam ser agravadas pelo coronavírus).

Fornecimento, pelos empregadores, de máscaras aos funcionários.

Reversão das medidas em caso de agravamento do quadro epidemiológico.