Abaixo-assinado encerrado

Intervenção urgente, conluio sistêmico por agentes do judiciário.

Este abaixo-assinado conseguiu 984 apoiadores!


Desde abril de 2013 que sofro perseguição inicialmente dos denunciados e posterior do sistema (judiciário)por efetuar denuncia documentada sobre desvios de milhões de reais através da Sanepar, por laranjas a serviço da organização criminosa transvestida de partidos políticos, PSDB e PMDB que se alternam no comando do Paraná, há um conluio criminoso de agentes do sistema da PF, MPF, juízes, juízas, advogados infiéis, contratados e dativos , Promotores, Desembargadores, Procuradores, para me perseguir e tentar me transformar em criminosa, os fraudadores denunciados moveram dezenas de processos ilegais contra mim alegando difamação e calunia, nos fóruns de Ponta Grossa e de Cascavel, onde Juízas ignoraram existência de Inquérito policial ,5008592-64.2013.4.04.7009, e minhas denúncias documentadas  aos órgãos competentes, que por sua vez ao invés de investigar os denunciados, me investigaram e tem se utilizado criminosamente de suas posições e pelas minhas cobranças por ação formaram conluio para perseguição, confiantes na impunidade, Procuradores do MPF, moveram ação por calunia e difamação, vergonhosamente Delegado da PF, age como defensor dos denunciados fraudadores que há décadas com a proteção do sistema assaltam os cofres públicos, minha denúncia foi aceita pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos em Washington em 2015, Medida Cautelar MC‐594‐15, portanto para maiores informações consultar a Medida Cautelar e meu Grupo Apoiamos Suslaine Soares, na Luta contra a Corrupção através da Sanepar!! segue link,  https://www.facebook.com/groups/387863491337328/ , trata-se de situação emergencial pela sentença recentemente no processo 50082057820154047009, chave 926810477615, pois posso ser presa a qualquer momento e essa foi a maneira que encontraram para me calar definitivamente, pois acredito que de lá não sairei com vida, tenho a obrigação de deixar alguns nomes que participaram ativamente em todos esses ataques através do Judiciário, para que me acontecendo algo, as respeitosas autoridades e os Brasileiros conscientes, continuem essa luta, pois o Judiciário deveria nos proteger de fraudadores como os denunciados, assassinos da Nação, e não formarem conluio para denegrir, tripudiar, ameaçar, difamar e criminalizar Cidadã denunciante...Segue a lista com os nomes que tenho conhecimento com cargos funções e ações no sentido de me atacar e criminalizar:

Juiza,Letícia Pacheco Lustosa, 1°Vara Criminal de Ponta Grossa, autor, Marco Antonio Cenovicz, fraudador Gerente USPOSD, Construmac Eng.

Juiza, Jaqueline Allieve,3°Vara Criminal de Cascavel,autor fraudador Alvir José Presnier da APJ ENG. Esta Juiza recebeu carta registrada que enviei na primeira intimação que recebi dela, com todos os documentos da denúncia formal efetuada a 12° Promotoria Pública de Proteção ao Patrimônio Público do Estado do PR, em Ponta Grossa, como também minha denuncia de ameaças de morte pelo Alvir José Presnier, efetuada a Promotora Adélia Souza Simões no Fórum de Ponta Grossa-PR, mesmo assim essa Juíza Jaqueline Allieve, ignorou e forneceu os documentos ao fraudador e seu advogado que anexaram tudo no Processo 0026593-03.2014.8.16.0019, Franciele Narciza Martins de Paula Santos Lima da 3°Vara Civil do Fórum de Ponta Grossa, em que pede indenização por danos morais, e infelizmente a Juíza Jaqueline Allive, continuou aceitando outros processos no mesmo sentido do fraudador Alvir e enviando a Ponta Grossa na forma de Precatórios.

Juíza, Franciele Narciza Martins de Paula Santos Lima, 3°Vara Civil do Fórum de Ponta Grossa, aceitou o processo de indenização na esfera Civil, mesmo que o Fraudador Alvir e APJ tenham utilizados todos os documentos objetos de denuncia inicial ao Promotor Marcio Pinheiro Dantas da 12°Promotoria do PR, e ciente inclusive das ameaças de morte denunciadas a Promotora Adélia Souza Simões, estranhamente Juíza Francile, não me deixou manifestar em única audiência que foi a preliminar dizendo que já deveria ter efetuada defesa, ignorou o fato de advogado João Flávio Madalozo não ter Procuração para me representar, não gravou audiência, recusou fornecer cópia dos autos, nomeou Dativo Djalma Couto Neto, mesmo Advogada  Contratada, Majoriane Cristina Santos Fagundes, já tendo se cadastrado no processo como defesa, e o Dativo Djalma recebeu, mas nem ele nem advogada contratada atuaram em defesa  e o processo foi enviado ao TJ, Desembargador Marcos S Galiano Daros, que meses depois simplesmente desconsiderou defesa esdruxula apresentada por Majoriane, e julgou a revelia dando ganho de causa ao fraudador, insisti em defesa e contratei advogada Elisangela Aparecida Martins Dubiel, que por sua vez não recorreu de decisão e no dia que renunciou da defesa me enviou já a planilha de calculo do valor devido que acredito passa dos 30mil reais.

Juiza Maria Cecilia Puppi, 3°Juizado fórum de Ponta Grossa, ignorou existência de inquérito, fui intimada muitas vezes para audiências que normalmente eram canceladas sem motivos, teve uma audiência que o advogado Rubens Cezar Teles Florenzano, havia inclusive me alertado que seria presa e tinha impetrado habeas corpus, mas eu disse que não iria pedir desculpas e iria me pronunciar a audiência foi cancelada sem explicações.

Juiza Heloísa da Silva Krol Milak 1°Juizado Fórum de Ponta Grossa, processos movidos pelo Fraudador Marco Antonio Cenovicz. Nunca esteve em presente em audiência.

 

Juiz Pedro Henrique Betio 1°Vara fórum de Ponta Grossa, marcou uma audiência de suspensão condicional para o dia 06/04/2015 que não teve fiquei por horas sendo constrangida pelo advogado do Alvir da APJ, ficamos na sala eu o técnico, o advogado do fraudador Alvir e minha filha, audiência não aconteceu e fui dispensada. Em outra oportunidade Este mesmo Juiz presidiu Audiência com o fraudador Marco Antonio Cenovicz da Construmac Eng. Onde foi nomeado como dativo o Djalma Magalhães Couto Neto, que insistiu que eu ficasse em silêncio, como advogado do Fraudador Marco da Construmac estava o Presidente da OAB,Edmilson Rodrigues Schiebelbein, e o  Promotor,Honorino Tremea que ficou insistindo em saber se eu tinha recebido comunicado do Ministério Público sobre encerramento de minhas denúncias, estranhamente 4dias antes dessa audiência recebi uma carta do Promotor Marcio Pinheiro Dantas da 12°Promotoria que havia encerrado o inquérito sobre minhas denúncias mais desconsiderei pois 2anos antes em abril de 2013, todas as denuncias efetuadas por mim no MPPP, foram encaminhadas ao MPF por se tratar de Recursos BNDES.

Promotores Adélia Souza Simões, Honorino Tremea, e Suzane M. de Carvalho essa acredito que até tentou aplicar a lei pois se manifestou em uma audiência que tive com o fraudador Alvir e a Juíza Maria Cecilia Puppi, e declarou não caber processo por difamação e calunia quando há inquérito investigativo, no entanto houve uma manobra neste processo e antes dela solicitar o arquivamento o Promotor Honorino Tremea pediu que o processo tivesse prosseguimento a advogada Elisangela Martins Dubiel fez a defesa com base no inquérito alertando para uma série de fatores mas a juíza Maria Cecilia Puppi alegou insanidade e continuou com o processo que ainda tramita.

Procuradores MPF de Ponta Grossa, Oswaldo Sowek  declara tanto a Corregedoria quanto em audiência que moveu contra mim que recebeu documentos sobre a Construmac Eng de propriedade do então gerente UDPOSD Sanepar, onde consta que quem assinava as NFs fraudulentas como comparsa é a atual gerente USPOSD Sanepar Jeanne Cristine Schimitt Saldanha, e me enrolou sim por dois anos, nunca foi agendado o meu retorno para conversar com o Procurador e nas tentativas de agendar horário para falarmos sobre andamento do Inquérito nunca houve disposição desse Procurador em me receber.

Lyana Helena Joppert Pereira, esta veio para o MPF de Ponta Grossa acredito pela minha solicitação de intervenção, porém ao invés de me chamar e me ouvir resolve se juntar ao conluio pra me criminalizar e representa contra mim no processo que o Procurador Osvaldo do Sowek move contra mim processo 50082057820154047009 e chave926810477615, sempre que tentei marcar hora pra me informar sobre andamento do inquérito, ou estava de férias ou em viagem ou muito ocupada, após postagem de vídeo e fotos de minha tentativa de pessoalmente obter informações sobre andamento do inquérito ela se dispôs a me receber, compareci acompanhada de advogado mas novamente seu comportamento foi tal qual em audiência que moveu contra mim, de ataques e querendo saber sobre documentação da Construmac Eng, inclusive se eu guardei cópias, eu a questionei o porquê, dessa informação ser tão importante se isso iria influenciar de alguma maneira a conclusão do inquérito, mas ela insistiu, e quando eu fiz perguntas diretas sobre o que estava acontecendo em minhas denuncias pois a fraudadora Jeanne Cristine S. Saldanha comparsa do Marco A. Cenovicz  e Alvir J. Presnier continua como gerente da USPOSD Sanepar bem como outros envolvidos foram promovidos ou a Diretoria ou a Coordenadores na Sanepar, Procuradora simplesmente se calava e nada respondeu, simplesmente dizia que reconhece meu direito a saber sobre andamento, mas se negou a responder. Em suas alegações finais ela me declara uma pessoa que não merece crédito, e questiona muito, sobre os documentos da Construmac eng., mesmo que o próprio Procurador tenha confirmado que recebeu os mesmos que inclusive encaminhou ao Delegado Jonathan da PF.

Procurador Adriano Barros Fernandes, me enviou 4oficios querendo explicações sobre minhas publicações e alegações de protecionismo aos denunciados e comportamento do Procurador Oswaldo Sowek, ele é Procurador do MPF de Paranaguá e ressaltou a importância de prestar os esclarecimentos lá em Paranaguá outro município bem distante de Ponta Grossa.

Delegado Polícia Federal de Ponta Grossa Paraná, Jonathan Trevisan Junior, me investigou ao extremo tendo inclusive oficiado a empresa anterior em que trabalhei, em todos os contatos que tive com ele agiu como advogado dos denunciados, inclusive se verificar no inquérito ele já havia concluído antes mesmo de me ouvir o que demorou e tive que insistir muito, no entanto quando isso ocorreu ele dispensou o escrivão e só quis saber sobre minha vida profissional e pessoal, quando perguntei se estava sendo investigada ele sorriu e disse “não está mas pode vir a ser”, e nada quis saber sobre fatos que até hoje não foi relatado, quando retornei pra conversar com ele sobre a Construmac não constar no Inquérito, quando o primeiro advogado João Flávio Madalosso pegou a Portaria, ele disse que “as coisas não seriam do meu jeito e  que eu era uma louca marrenta.” Aceitou toda a declaração dos denunciados como verdadeiras, forneceu elementos aos defensores dos denunciados para serem utilizados contra mim e sempre disse que nada havia sido encontrado de anormal em sua análise das denúncias, contrariando inclusive declarações de peritos que fazem parte do Inquérito, isso que perícia analisou apenas documentos, em audiência inclusive ele afirma não ter encontrado nada sobre a Construmac Eng. Mesmo os Policiais Federais que foram ao endereço da empresa e verificaram que se tratava do endereço residencial do Marco, conversaram com vizinhos que confirmam nunca ter havido empresa ali.

Advogado João Flávio Madalosso, procurei por ele assim que recebi as primeiras intimações que pipocaram em uma velocidade terrível havia semanas que recebia 3 vezes a mesma intimação, assim que relatei ele me cobrou um valor e foi a Delegacia da PF, foi quando pegou a Portaria com minhas denúncias e outro documento, me garantiu que os processos não iriam pra frente pois eram ilegais pela existência de Inquérito Policial, só que seu comportamento mudou, em audiências ele se mantia quieto, e não se manifestava, e comecei a receber mais intimações de novos processos, ele ria e dizia “mexeu agora aguenta”, dispensei seus serviços verbalmente, mas ele continuou a aparecer, então enviei e-mail, ele não respondeu, enviei dispensa por carta registrada.

Advogados Rubens Cezar Teles Florenzano e Majoriane Cristina Santos Fagundes, solicitaram 2mil reais de entrada para formalizar contrato, também confirmaram que era uma situação fácil e que seria resolvido rapidamente, acreditei neles e entreguei todos os documentos digitais e físicos, tive uma boa pausa nas intimações e fiquei tranquila, porém a Majoriane mudou-se para os EUA, e o Dr,Rubens me chamava no escritório várias vezes e falávamos sobre como aconteceram as coisas, como a situação se tornou repetitiva eu comecei a desconfiar e comecei a enviar e-mails, cobrando dele que fosse a PF, e ao MPF, pois ele insistia que eu aceitasse acordo ou pedisse desculpas publicamente, processos que estavam arquivados há mais de ano eram desarquivados e ainda bem eu tinha insistido para que constasse no contrato, ele começou a falar do processo no civil que eu imaginava estar encerrado, aí que descobri que estava no TJ, que nada foi feito aqui, Dr.Rubens chegou ao extremo de impetrar habeas corpus e dizer que em uma audiência eu sairia algemada direto pra cadeia, eu disse que seja, inclusive orientei minha filha a ir pra casa e avisar meu esposo, então essa tal audiência foi cancelada e pasmem o habeas corpus foi negado.Dr. Rubens então começou a dizer que eu deveria cancelar o contrato, eu disse a ele que não o faria pois haveria uma multa, então ele abdicou do contrato eu dei ciência mais ele não pagou a multa. E a defesa que já havia sido feita no Processo civil meses antes foi anulada pelo Desembargador, pois Rubens enviou uma carta informando que não era mais meu advogado.

Advogadas Elisangela Aparecida Martins Dubiel e Marcia Adriane Bueno, contratadas para ánalise sobre andamento do inquérito sobre minhas denuncias, recorrer da decisão do desembargador no Processo de indenização que o fraudador Alvir da APJ moveu pedindo indenização por danos morais e defender em outros processos que os fraudadores moviam contra mim, inclusive representar contra condutas delituosas de agentes federais e Promotores, mais uma vez muita enrolação pelo menos através dela tive acesso a essa parte do inquérito investigativo de minhas denúncias que foi anexada a MC 594-15, mas quanto aos vídeos das audiências e cópias do processos me foram negados, passou apenas um áudio de uma das audiências quando exigi por e-mail que cumprisse o contrato se ofendeu e renunciou, e no mesmo dia da renúncia enviou planilha de cálculo da indenização que o Alvir pediu no processo na esfera Civil, portanto ela poderia ter recorrido da decisão mas não o fez.

Advogado Dativo, Djalma Magalhães Couto Neto nomeado no processo Civil pela Juíza Francielle, mesmo eu já tendo advogada cadastrada pra defesa recebeu os honorários mas nada fez, foi nomeado em mais um processo que o fraudador Marco gerente USPOSD Sanepar moveu contra mim onde ele esteve presente tanto em audiência conciliatória quanto em audiência que o Juiz Pedro Henrique Betio presidiu, mas apenas nessas, também nunca se manifestou a não ser antes da audiência implorando para que eu ficasse em silêncio, ignorou todos os documentos enviados para anexar a defesa, e alegou insanidade sem ao menos me consultar, recentemente tive conhecimento que houve fraudes em 10processos onde ele recebe os honorários como se tivesse sido meu advogado mas nunca foi ou esteve comigo, em todas as audiências em períodos que não tinha advogado contratado sempre estive só salvo essa mencionada anteriormente. Segue os números dos processos em que houve fraude e o Advogado Djalma recebeu como dativo, mas não atuou, não pra mim.0025387-17.2015.8.16.0019-,0000030-69.2014.8.16.0019-,0024988-85.2015.8.0016.0019-,0021124-39.2015.8.16.0019-,0027187-80.2015.8.16.0019-,0026908-94.2015.8.0019-,0025401-98.2015.8.16.0019-,0026638-70.2015.8.16.0019-,0026986-88.2015.8.16.0019-,0028540-58.2015.8.16.0019.

Recentemente comuniquei que estava em local seguro em busca de apoio jurídico, infelizmente não tive esse apoio e retornei para minha casa.

Senhores solicito socorro urgente para minha pessoa e minha família pois corremos risco real de vida, não há a menor possibilidade de aplicação das leis, vivemos em estado de exceção principalmente após o golpe aplicado a nossa Presidenta Dilma Roussef, agora o parte serviçal do Judiciário nem mesmo disfarça mais e simplesmente persegue covardemente Cidadã denunciante. Conforme os Senhores já tem conhecimento através de documentação inicial enviada em 2015, e outras anexadas posteriormente, não há mais nenhuma instância a quem recorrer em minha Pátria. Não há defesa para minha situação mesmo que eu tivesse recursos financeiros nenhum advogado aceita se opor aos agentes do sistema que não passam de serviçais do crime organizado que assola minha Pátria Brasil

Respeitosamente,

Suslaine Soares da Silva.

Ponta Grossa, 07 de maio de 2017.

 

 

 



Hoje: Suslaine está contando com você!

Suslaine Soares da silva precisa do seu apoio na petição «ONU, Comissão Interamericana dos Direitos Humanos, MC 594-15, ação urgente, conluio sistêmico do judiciário para perseguir Cidadã denunciante de desvios de milhões de reais em recursos BNDES, através da Sanepar.». Junte-se agora a Suslaine e mais 983 apoiadores.