Justiça para a chacina animal no Bairro Goiabal em Além Paraíba - MG!

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 150.000!


No dia 17 de fevereiro deste ano a Polícia Militar de Além Paraíba compareceu no bairro Goiabal em Além Paraíba, atendendo denúncia de que um homem, identificado apenas como A.G da S., assassinou a pauladas uma cadela e seus quatro filhotes. 

Os PMs encontraram o homem num bar no mesmo bairro e ele confessou o assassinato dos animais, permitindo a entrada dos policiais na sua casa, quando foi localizada morta, dentro de uma lata de massa corrida, a cadela e, dentro de uma lata de tinta acrílica, mortos seus 4 filhotes.

O homem informou que a cadela tinha  4 anos de vida e que pertencia a um de seus filhos, e que o animal teria tido cria de 6 filhotes há aproximadamente dois meses, e que eles estariam com vermes, sujando a casa, dando muito trabalho, despesas e incomodando os vizinhos e que anteriormente teria avisado para que doassem os animais e que ajudassem a cuidar dos mesmos.

A motivação para a chacina, segundo o homem, seria que ele estava tendo problemas conjugais com sua esposa e por isso ela teria saído de casa. No dia do crime ele disse que acordou nervoso com a situação da separação e estava realizando a divisão dos bens e que num momento de fúria pegou um pedaço de madeira e desferiu golpes nas cabeças dos animais e os colocou em latas com intuito de descartá-los no lixo. Apenas 2 animais conseguiram escapar!
Um dos cães ficou com um dos filhos do casal e o outro provisoriamente encontra-se com uma PM até encontrar alguém para adotá-lo.

O homem foi levado para o quartel da PM, assinou um TCO - Termo Circunstanciado de Ocorrência se comprometendo em comparecer em dia e hora marcada diante da Justiça para as devidas providências cabíveis.

O artigo 32 da Lei dos Crimes Ambientais, de 1998, prevê detenção de três meses a um ano, além de multa, para quem “praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar” qualquer tipo de animal. No caso de morte do bichinho, a pena aumenta até um terço.

Não podemos permitir que este caso caia no esquecimento e não receba a punição proporcional e justa ao delito cometido!