Justiça por Robson - Liberdade para o ex-motorista do jogador Fernando

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 50.000!


UM BRASILEIRO EM APUROS NA RÚSSIA.

Robson Oliveira está preso em Kashira, na Rússia, há mais de um ano por um crime que não cometeu.

O brasileiro de 47 anos foi para Moscou com sua companheira, Simone, para trabalhar como motorista do volante Fernando, então jogador do Spartak Moscou.

A pedido de familiares do jogador, levou uma mala quando embarcou no Rio de Janeiro. Nela, haviam duas caixas de Mytedom 10mg, destinados a William Pereira, sogro do atleta, para conter dores nas costas que afligem.

O problema é que esse medicamento é proibido em território russo, por também ser utilizado pelos que tentam se livrar do vício pelo ópio ou heroína.
Robson, sem entender nada, acabou detido e preso. Alguns meses após sua prisão, o jogador Fernando admitiu em um vídeo que o remédio era para o seu sogro.

Porém, ninguém da família de Fernando prestou depoimento à justiça russa confirmando a versão. Willian, o verdadeiro dono do remédio, nunca deu uma declaração sequer ou se apresentou às autoridades e nem informou que ele era o dono do medicamento, tampouco que Robson não sabia do remédio que estava levando.

Em entrevista recente a TV Globo, Robson pede ajuda e diz que não cometeu nenhum crime. Também informa que Fernando e sua família não estão fazendo nada para ajudá-lo. Hoje, o volante joga na China.

De acordo com a justiça russa, a pena mínima para Robson é de 15 anos de prisão. Robson atualmente perdeu mais de 14 quilos e apresenta sérios problemas de depressão.

Neste manifesto, nós, influenciadores digitais, pedimos ajuda as autoridades brasileiras para dar a devida atenção a este rapaz humilde, trabalhador e chefe de família que encontra-se esquecido na Rússia e sob risco de permanecer preso, por no mínimo, 15 anos, de forma injusta.

#JustiçaPorRobson