O mundo precisa saber o que acontece nos bastidores do exército brasileiro!!

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 7.500!


Meu nome é Conceição Barbosa Torres Da Costa. Sou mãe de um jovem sargento que foi morto pelo exército brasileiro dentro do hospital central do exército no Rio. Ele tinha completado 23 anos 5 dias antes de sua morte.

Meu filho era um rapaz cheio de sonhos,que como a maioria da população brasileira nossa família teve muitas dificuldades financeiras, as vezes não tínhamos o que dar para comer aos nossos filhos. Estávamos desempregados. A solução que ele viu de mudar nossa situação foi prestar concurso para Escola de Sargento das Armas e passou concorrendo c 64 mil candidatos para 1.200 vagas.Após se formar ingressou no curso de paraquedista e viu ao seu lado um amigo morrer,os oficiais não se importaram e a visão dele mudou referente ao exército.Ele trancou o curso de pqd e foi para Joinville, quando contou ao médico do quartel que estava com depressão eles começaram a persegui-lo chamando o de fraco,homossexual,até levarem ele a loucura.Aqui em juiz de fora ele foi espancado pela polícia do exército na minha frente eu recebi ordem de prisão e sem a autorização do advogado, do psiquiatra q o acompanhava levaram ele para o Rio onde ele ficou preso,cortaram toda a medicação que ele tomava. Nos ligaram dia 30/01/2020 dizendo que ele havia suicidado, mas quando trouxeram o corpo para nós no dia 01/02/2020 percebemos sinais de espacamento na sobrancelha, a boca completamente inchada e cortada por dentro. E com certeza meu filho morreu asfixiado. Até hj não tivemos acesso ao do IML.

O rosto todo maquiado de base para esconder os hematomas. No velório havia o Chefe de estado maior, outros coronéis como se meu filho fosse importante. Eu estou na justiça mas até agora nada . Eu preciso divulgar este caso,porque todas as vidas importam !