NOVO, por favor, adote essas 3 regras. Moralize de verdade.

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 500!


Partido NOVO, pedimos que vocês adotem internamente dentro do partido essas 3 regras de EUNOMIA (Deusa grega da Disciplina), COMO SE já fossem Lei:

1) Político condenado À PRISÃO já em 1ª (PRIMEIRA) instância, em qualquer crime, já automaticamente e instantaneamente PERDE aquele mandato;

2) Qualquer cidadão condenado À PRISÃO já em 1ª (PRIMEIRA) instância, em qualquer crime, não pode se candidatar a nada, até ser inocentado em instâncias superiores;

3) Qualquer cidadão com condenação À PRISÃO transitada em julgado (mesmo que em passado distante e já totalmente cumprida) é vitaliciamente impedido de se candidatar a qualquer cargo eletivo. Ou seja, é BANIDO da política para sempre.

 

Daí quem caísse em uma dessas 3 situações e não efetuasse essa autopunição, seria expulso do partido.

Para a regra 1, até que o Foro Privilegiado seja extinto, a 1ª instância seria o STF. Mas é importante o texto já falar em 1ª (PRIMEIRA) instância a fim de forçar a extinção do Foro Privilegiado.

Enquanto não conseguimos endurecer a Lei da Ficha Limpa com essas 3 regrinhas, vocês podem dar o exemplo seguindo-as à risca.
Observe que estas regras não têm intenção de influenciar/alterar nada em relação a prisão de indivíduos, apenas em relação a candidatura e manutenção em cargo eletivo.
Porém é bom mencionar que, nos países desenvolvidos, até mesmo a prisão já ocorre após a condenação na 1ª (PRIMEIRA) instância. O cidadão pode recorrer da decisão por um eventual erro no julgamento ou por "perseguição do juiz", mas ele recorre já preso. No Brasil, a atual jurisprudência diz que a prisão pode ocorrer somente após a condenação na 2ª (SEGUNDA) instância.

Isso é o início para COMEÇARMOS a ser um país disciplinado, sério, correto, honesto e acabarmos com a impunidade de uma vez por todas. É só o início!
Precisamos de uma OVERDOSE de ética e idoneidade moral na política brasileira.
Hoje nós somos motivo de chacota entre outros países em razão de nossas Leis FROUXAS e de nossa complacência com criminosos, principalmente os de colarinho branco (políticos).

Ora, que borogodó é esse que existe em um cargo eletivo, para ser um absurdo tão imenso um CRIMINOSO (ou ex) não poder se candidatar? Por que pintam esse impedimento como sendo uma tortura tão colossal? Existe um zilhão de outras coisas para a pessoa ir fazer na vida. Se, para ser tabelião ou policial, tem que ter reputação ilibada, então para ser político e ter o PRIVILÉGIO de definir os rumos do país tem que ter muito mais ainda. Nos EUA um adolescente que comete crime nunca mais entra em universidade renomada. E até o brasileiro mais desonesto acha isso lindo, certíssimo, maravilhoso!

Devemos sempre lembrar que cargo eletivo não é profissão. É um enorme privilégio que somente deve ser concedido àqueles que são dignos, honestos, honrados, coerentes, decentes, de bom caráter, com idoneidade moral e reputação ilibada.

Precisamos acabar com ABSURDOS como o que acontece com o senador Acir Gurgacz (PDT-RO), que mesmo preso continua trabalhando como senador. Inclusive foi pivô da confusão de 82 votos na eleição para presidente do senado:
https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/02/02/senado-decide-refazer-eleicao-depois-de-constatar-na-urna-82-votos-de-81-senadores.ghtml

Outro ABSURDO é o caso do Delcídio Amaral, que mesmo preso continuou recebendo todos os benefícios de senador e depois de ser cassado quer voltar a ser senador novamente.

Pode até haver alguma desvantagem nessa proposta, mas as vantagens são infinitamente maiores. E caso ocorra alguma condenação injusta e consequente perda de mandato, a justiça tem dispositivos para ressarcir, da mesma forma que hoje um cidadão condenado em 2ª instância e depois absolvido em 3ª instância é ressarcido por ter ficado preso. Além disso, o político que fosse absolvido em 2ª instância se candidataria em uma próxima eleição com muito mais "moral". Pensar que juízes de 1ª instância condenariam políticos por perseguição ou de forma parcial, seria assumir que a Justiça Brasileira é predominantemente desonesta e injusta, o que também é absurdo.

Alguém poderia argumentar: "Então se o Danilo Gentili tivesse cargo eletivo, ele perderia o mandato? É isso?"
Sim, é isso mesmo! No caso do Gentili o erro não foi a regra/Lei. O erro foi da juíza. Além disso, se o Danilo não fosse absolvido em instâncias superiores, a condenação teria sido realmente justa.
O mesmo raciocínio se aplica a prisão por não pagamento de Pensão Alimentícia.

Sabemos que o maior problema do Brasil é o corporativismo, mas logo em seguida vem a corrupção. Precisamos de medidas drásticas e realmente eficazes contra isso.

Somente vocês do Partido Novo têm coragem e honestidade pra tomar esta atitude!

Contamos com vocês! Em vários países isso já é Lei.

Assinantes, aproveitem e também esta ideia no site do Senado:
https://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaoideia?id=12491