Assine contra o corte dos auxílios na bacia do rio Doce

Assine contra o corte dos auxílios na bacia do rio Doce

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 50.000!


No dia 1º de julho de 2020, a Fundação Renova (Samarco\Vale\BHP Billiton) divulgou que encerrará o pagamento do Auxílio Financeiro Emergencial (AFEs) para milhares de atingidos e atingidas na Bacia do Rio Doce. Quase cinco anos depois de o rompimento da Barragem do Fundão, em meio à crise de Covid-19 que enfrentamos no país, milhares de famílias estão correndo o risco de passarem por grande instabilidade econômica e alimentar, caso o auxílio não seja retomado.

A Fundação Renova tomou tal decisão ilegal, autoritária e em meio a uma pandemia que impede a participação de reuniões, inclusive da Governança. Além disso, sem nenhuma justificativa para o Comitê Interfederativo (CIF), a Câmara Técnica de Organização Social e Auxílio Emergencial (CTOS), as Instituições de Justiça e as Comissões Locais.

Os atingidos e atingidas organizados no Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e seus parceiros de luta nos territórios exigem o restabelecimento do Auxílio Financeiro Emergencial para todos que pescavam, plantavam e utilizavam do rio para garantir suas rendas.

Demandamos que o CIF determine a retomada imediata do Auxílio Financeiro Emergencial até o restabelecimento das condições para o exercício das atividades econômicas e/ou produtivas da região atingida ou, no caso de comprovada impossibilidade, quando forem criadas alternativas econômicas – como está escrito na Nota Técnica da Câmara Técnica de Organização Social e Auxílio Emergencial (CTOS) n° 25/2018, aprovada pela Deliberação 210/2018.

Fundação Renova: cumpra os prazos e os acordos e não piore os efeitos da pandemia em nossa região! Respeite a vida e a dignidade dos atingidos! 

Comitê Interfederativo: atue e impeça esta injustiça!

O Auxílio Financeiro Emergencial às famílias, afetadas diretamente ou indiretamente pela tragédia em Mariana e pela contaminação do rio Doce é uma indenização a crimes contra humanidade e ao descaso completo dessas empresas com as populações pobres e trabalhadores. Precisamos que o Auxílio seja retomado já!