Manifesto dos estudantes da UGB referente á pandemia de COVID-19

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 500!


Nós, estudantes da UGB, nos reunimos no dia 08/03/2020 - por meio de uma reunião online -, e tiramos esse manifesto como posição dos estudantes em relação as medidas adotadas frente a pandemia de COVID-19.

Logo assim que foi decretado pandemia - devido ao avanço da doença - a UGB tomou a decisão correta de suspender as aulas, antecipando um período de 15 dias das ferias do meio do ano letivo.

Porém, de forma equivocada, a Universidade lançou em suas redes sociais um pronunciamento que dizia que iria adotar o método de Ensino a Distância (EaD) nesse período de quarentena, com o maledicente argumento de que tinha tomado essa decisão pensando nos alunos. Mas a instituição deve considerar, que muitos alunos não tem livre acesso a internet, muitos não tem computador, e que diante de uma necessidade maior, a internet pode ser um item supérfluo entre as contas no fim do mês. O que faz do EaD, um instrumento insuficiente pro momento, mesmo sendo considerada uma medida provisória.

Para nós o EaD, poderia sim ser colocado a disposição dos alunos mas como um conteúdo suplementar, para o aluno que pudesse ter acesso a plataforma o usasse como ferramenta de estudo e pesquisa mas, para os que não fosse possível o acesso, de nada afetaria a continuidade do curso ou seu desenvolvimento. E aos que optassem por utiliza-lo, seria definido um valor X pela suplementação.

Todos nós sabemos que o método EAD reduziria a qualidade de nossa formação, e que pagamos por um curso presencial (de valor superior aos cursos EAD que existem no mercado) que além da experiência em sala de aula, nos dá acesso à biblioteca e aos laboratórios, dos quais nenhum de nós, poderemos usufruir.

Após o pronunciamento, iniciaram as nossas preocupações de como ficaria, a partir daquele momento, o valor da mensalidade referente ao período em que nos encontramos parados ou em EaD, como propôs a UGB.

Considerando que, a maioria de nós, alunos, trabalhamos para pagar nossas mensalidades e que nesse período de pandemia muitos contratos foram cancelados, empresas demitiram seus funcionários, nos encontramos numa situação em que se mostra difícil arcarmos com a mensalidade da nossa faculdade.

Essa questão também trouxe a muitos de nós o questionamento de como seriam arcadas as despesas com o pagamento dos funcionários, caso a medida de suspender as aulas fosse tomada. No entanto, não podemos nos esquecer é que é dever desse governo garantir aos trabalhadores uma maneira de se sustentar e sustentarem suas famílias em momentos de crise como a que estamos vivendo. Vale lembrar, que o mesmo liberou o valor de 1,2 trilhões de Reais para salvar os bancos e que até o presente momento desta reunião, o subsidio de R$ 600 prometido pelo Governo, aos trabalhadores desempregados e autônomos, etc. não foram pagos. Governo esse, que é um dos responsáveis pela EC 95, que congelou os investimentos nas áreas de saúde e educação por 20 anos, e que mente em afirmar que a crise do corona vírus não passa de uma gripezinha, negligenciando assim as centenas de mortes causadas pelo vírus em nosso país.

Tendo tudo isso em vista, o que nos, estudantes do Centro Universitário Geraldo di Biasi defendemos através desse manifesto é a suspensão das aulas até o vírus e sua transmissão serem controlados. Sem aula presencial - que é o tipo de serviço que nós pagamos à UGB para termos acesso ao ensino e ao conhecimento – as mensalidades não podem ser cobradas integralmente.

As aulas via EaD, não podem contar como forma de avaliação dos estudantes e, principalmente, caso o estudante venha a não fazer as aulas online - sua falta, não pode contar como forma de medir sua frequência. Lembremos: muitos de nós, pode ter pouco ou nenhum acesso à internet.

Em todo caso o EaD deve ter a característica de suplementação do ensino, sendo apenas um ponto de apoio, para aqueles que quiserem se manter atualizados sobre os conteúdos de seus cursos, mas sem que seja considerado pela instituição, como conteúdo dado para não prejudicar os demais. Nesse sentido, as mensalidades devem ser reajustadas à este tipo de modalidade.