Vitória confirmada

Fim da exigência de RSG para homologação de candidaturas ao CsF

Este abaixo-assinado foi vitorioso com 334 apoiadores!


No dia 30 de Novembro, o DRI lançou novamente, para nosso desagrado, o edital interno de seleção para o programa Ciência Sem Fronteiras, em que retoma a exigência absurda de posse de RSG maior ou igual a 3 (três) para homologação da candidatura do aluno ao programa.

É público e notório que cursos de Engenharia possuem dificuldade muito superior a outros cursos contemplados no programa, o que leva nossos rendimentos globais, evidentemente, a patamares muito inferiores aos exigidos na seleção da UFMG.

Além disso, vários outros fatores contribuem para provar que esta é uma forma de classificação injusta e deve ser urgentemente revista:

- A UFMG é uma universidade de nível muito superior a outras do Brasil, que enviam seus alunos sem nenhum pudor para o programa, enquanto nós temos a candidatura indeferida. Alunos que são capazes de passar no rigoroso processo seletivo da Universidade são clamorosamente alunos de excelência, pelo menos superior à grande parte dos alunos que têm sido enviados por outras faculdades, onde o processo avaliativo é mais brando e contaminado até financeiramente. Estamos sendo punidos por ter passado na UFMG!
- Um aluno muito mais novo no curso, que tenha cursado menos semestres e com matérias mais básicas tem muito mais chances de ter um RSG maior do que um veterano, que poderia aproveitar o conhecimento no exterior com muito mais propriedade do que o primeiro. Além disso, as matérias mais específicas na engenharia são muito mais "puxadas" do que as do ciclo básico. Mais uma vez, estamos sendo punidos por estarmos mais a frente no curso!
- Alunos que participam de uma Iniciação Científica, estágio ou precisam de trabalhar fora para se sustentar tendem a obter uma queda acentuada de rendimento, e com isso diminuição no seu RSG. Mais uma vez, o RSG nos pune por procurarmos diversificar nossa formação ou por sermos mais pobres.
- Um aluno que tenha RSG 2,95 será automaticamente desclassificado pelo sistema...
- O modelo atual oferece muito mais resistência à melhora do aluno, pois considera TODOS os RSG desde o ingresso deste na universidade. Ou seja, quanto mais tempo passa, mais difícil é de recuperar a média. Seria muito mais justo considerar, pelo menos a média dos 3 últimos semestres, dando assim um incentivo aos alunos para melhorarem seu rendimento
- Alunos que venham de outras faculdades com rendimento muito baixo, ou que já tenham o RSG baixo e façam o vestibular de novo possuem vantagem, pois ao cancelar as matérias já realizadas seu rsg é "zerado" e por isso podem concorrer no processo, enquanto os alunos comuns estão excluídos!
- Muitos alunos com RSG muito inferior a 3 já foram contemplados com a homologação em outras chamadas, por diversos motivos, e é injusto barrarem-nos sendo que eles tiveram este direito assegurado!

Todo ano a Universidade tem "devolvido" centenas de bolsas ao Governo brasileiro, pois sobram vagas em todas as chamadas públicas para todos os destinos. O CsF tem claramente um direcionamento para estudantes da Engenharia, para que busquem um aprimoramento da tecnologia brasileira atual no exterior, e estamos sendo muito prejudicados com essa exigência descabida do DRI.

É por esses e vários outros motivos que venho pedir a assinatura de vocês neste documento, que será levado à reitoria e aos órgãos representativos interessados, para que possamos juntos mudar essa realidade e permitir um processo mais igualitário para nós. Nos vemos no exterior!



Hoje: Mateus está contando com você!

Mateus Parma precisa do seu apoio na petição «UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais: Fim da exigência de RSG para homologação de candidaturas ao CsF». Junte-se agora a Mateus e mais 333 apoiadores.