Manifesto sobre violência de gênero contra mulheres

Abaixo-assinado encerrado

Manifesto sobre violência de gênero contra mulheres

Este abaixo-assinado conseguiu 3.121 apoiadores!

IB Mulheres criou este abaixo-assinado para pressionar Reitoria da Universidade de São Paulo

Nós - da comunidade do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo - acolhemos, apoiamos e agradecemos a luta e a coragem daquelas que representam muitas mulheres na academia e fora dela. Esperamos que o processo doloroso e longo pelo qual passaram nos ajude a transformar o ambiente acadêmico e endossamos seu manifesto.

Manifestação sobre Violência de Gênero contra Mulheres

O assédio moral ou sexual contra mulheres é hoje um dos fatos mais combatidos e devidamente punidos em diversos países do mundo.
Em um local de trabalho, o assédio é definido por Marie-France Hirigoyen (1998) como “toda e qualquer conduta abusiva, manifestando-se sobretudo por comportamentos, palavras, atos, gestos, escritos que possam trazer dano à personalidade, à dignidade ou à integridade física ou psíquica de uma pessoa, pôr em perigo seu emprego ou degradar o ambiente de trabalho”.
O assédio sexual, por sua vez, é um passo a mais na perseguição moral. Tem relação com os dois sexos e, muitas vezes, não se condiciona a obter favores de natureza sexual, mas de afirmar o próprio poder sobre o outro. Assédio sexual praticado por professor(a) acrescenta a dimensão hierárquica do poder que ele ou ela pensa possuir sobre o histórico escolar do(a) estudante. Mais que isso, corrói a ação pedagógica de toda a instituição de ensino.
O assédio, seja moral ou sexual, foi identificado como um fenômeno destruidor do ambiente de trabalho a partir dos anos 1990. Foi tomado como objeto de estudo inicialmente nos países anglo-saxões e nórdicos. A partir de 2010, a violência de gênero desencadeou um movimento mundial, estabelecendo em toda parte convenções, protocolos e leis.
Na USP, emergiram coletivos seriamente engajados no enfrentamento à violência de gênero. Desde 2013 e 2017, o Coletivo Trepadeiras e o IB Mulheres têm atuado dando acolhida e promovendo discussões sobre condutas nas relações interpessoais dentro do Instituto. Organizações maiores, como a Rede Não Cala e o USP Mulheres, promovem ações no âmbito de toda a Universidade. Tais iniciativas da comunidade acadêmica receberam um valioso suporte institucional com o lançamento, em dezembro de 2020, do Protocolo de Atendimento da Superintendência de Assistência Social da Universidade de São Paulo para casos de Violência de Gênero contra Mulheres.
É nesse contexto global e local que se enquadra a recém noticiada demissão de um docente da Universidade, resultante de processo administrativo disciplinar deflagrado por comportamentos que envolvem conduta inadequada.
O reconhecimento da gravidade desse tipo de comportamento pela Universidade de São Paulo pode ser considerado um marco em sua história. Ignorar ou encontrar desculpas para a ação do assediador significa abrir caminho para que ele continue procedendo da mesma forma e penalizar as verdadeiras vítimas.
A mudança cultural promovida por este episódio sinaliza que a USP está aberta à modernidade e que nossa comunidade preza os valores que são o pilar da respeitabilidade e prestígio da instituição. É em nome desses valores que nos manifestamos.

Maria Elice B. Prestes    
Cristina Arias

 

We - as part of the community of the Institute of Biosciences at the University of São Paulo, Brazil - share the pain, support the struggle, and deeply thank the bravery of those who represent many women in and outside academia. We hope that the long and painful process you have been through can transform our academic environment. We wholeheartedly endorse your manifest.

Statement on Gender Violence against Women

Moral or sexual harassment against women is today one of the most fought and duly punished facts in several countries worldwide.

In a workplace, harassment is defined by Marie-France Hirigoyen (1998) as: "Any abusive conduct, manifesting itself generally through behavior, words, acts, gestures, writings that can harm the personality, dignity or to the physical or mental integrity of a person, endanger their employment or degrade the work environment".
Sexual harassment, in turn, is another step in moral persecution. Related to both sexes, often not conditioned to obtain favors of a sexual nature, but to assert power over the other. Sexual harassment by a teacher adds a hierarchical dimension to the power he or she thinks he or she has over a student's school record. More than that, it erodes the pedagogical action of the entire educational institution.
Harassment, whether moral or sexual, was identified as a destructive phenomenon in the work atmosphere from the 1990s onwards. As a result, anglo-Saxon and Nordic countries started studying the phenomenon. By 2010, gender violence has triggered a worldwide movement, establishing conventions, protocols, and laws.
At USP, groups seriously engaged in fighting gender violence emerged. For example, since 2013 and 2017, the Group Trepadeiras (Climbing Plants’ Group) and the IB Mulheres (IB Women) have been working in welcoming abused people and promoting discussion on the subject within the Institute. In addition, community-academic initiatives, such as Rede Não Cala (Network Doesn't Shut Up) and USP Mulheres (USP Women), promote actions throughout the University. In December 2020, the University of São Paulo offered institutional support with the Protocol for Gender Violence against Women.
In this global and local context, the recently announced dismissal of a professor at the University resulted from a disciplinary-administrative process triggered by inappropriate behaviors.
The University of Sao Paulo's recognition of the seriousness of this type of behavior can be considered a milestone in its history. Ignoring or finding excuses for the harasser's actions means opening the way for him to continue doing the same and penalizing the real victims.
The cultural change promoted by this episode signals that USP is open to modernity and that our community values are the pillar of the institution's respectability and prestige. It is in the name of these values that we speak out.

Maria Elice B. Prestes
Cristina Arias

 

Endossam Grupos e Coletivos:

  • IB Mulheres
  • Coletivo Trepadeiras - IB-USP
  • Coletivo Negro Bitita - IB-USP
  • Coletivo Biodiversidade - IB-USP
  • Centro Acadêmico da Biologia - CABIO
  • Representantes Discentes da Graduação - IB-USP
  • Representantes Discentes da Pós-graduação - IB-USP
  • Pós-doutorando(a)s do IB-USP do PNPD nos Programas de Pós-graduação de Zoologia, de Ecologia, e de Fisiologia
  • Representantes de funcionário(a)s do IB-USP no CTA, Congregação e CDB (Sintusp): Leandro Tadeu, Marcelo Cardagi, Paulo Diaz, Patrícia Biral Varela

Professores:

  • Renata Pardini: Departamento de Zoologia - IBUSP;
  • Daniel J. G. Lahr: Departamento de Zoologia - IBUSP;
  • Fernando P. L. Marques: Departamento de Zoologia - IBUSP;
  • Maria D. Vibranovski: Departamento de Genética e Biologia Evolutiva - IBUSP;
  • Ricardo Pinto da Rocha: Departamento de Zoologia - IBUSP;
  • Alessandra Fernandes Bizerra: Departamento de Zoologia - IBUSP;
  • Sónia Andrade: Departamento de Genética e Biologia Evolutiva - IBUSP;
  • Paulo Inácio de Knegt López de Prado: Departamento de Ecologia IBUSP, Professor. Programa de Pós-Graduação em Ecologia do IBUSP, Coordenador;
  • Silvia Cristina R. de Souza: Departamento de Fisiologia - IBUSP;
  • Maíra Batistoni e Silva: Departamento de Fisiologia - IBUSP;
  • André Frazão Helene: Departamento de Fisiologia - IBUSP;
  • Jean Paul Metzger: Departamento de Ecologia - IBUSP;
  • José Eduardo Marian: Departamento de Zoologia - IBUSP;
  • Paulo R Guimarães Jr: Departamento de Ecologia - IBUSP;
  • Mônica de Toledo Piza Ragazzo: Departamento de Zoologia IBUSP;
  • Daniela Lopes Scarpa: Departamento de Ecologia - IBUSP/Professora.Programa de Pós-Graduação Interunidades em Ensino de Ciências (IB/IF/IQ/FE-USP)/Coordenadora;
  • Carlos Ribeiro Vilela: Departamento de Genética - IBUSP;
  • Cristiane Calixto: Departamento de Botânica - IBUSP;
  • Silvio Shigueo Nihei: Departamento de Zoologia - IBUSP;
  • Adriana Maria Zanforlin Martini: Departamento de Ecologia - IBUSP;
  • Fernando Ribeiro Gomes: Departamento de Fisiologia -  IBUSP;
  • Rodrigo Cogni: Departamento de Ecologia - IBUSP;
  • Maria Magdalena Rossi: Departamento de Botânica - IBUSP;
  • Tiago B. Quental: Departamento de Ecologia - IBUSP;
  • Michael Hrncir: Departamento de Fisiologia - IBUSP;
  • José Guilherme Chaui-Berlinck: Departamento de Fisiologia - IBUSP;
  • Gisele Akemi Oda: Departamento de Fisiologia - IBUSP;
  • Alexandre Adalardo de Oliveira: Departamento de Ecologia - IBUSP;
  • Suzana Ursi: Departamento de Botânica - IBUSP;
  • Lucile Maria Floeter Winter: Departamento de Fisiologia - IBUSP;
  • Igor Cesarino: Departamento de Botânica - IBUSP;
  • Lygia V Pereira: Departamento de Genética - IBUSP;
  • André C. Morandini: Departamento de Zoologia - IBUSP;
  • Márcio Reis Custódio: Departamento de Fisiologia - IBUSP;
  • Rui Sergio Sereni Murrieta: Departamento de Genética e Biologia Evolutiva - IBUSP;
  • Beatriz Pacheco Jordão: Departamento de Fisiologia - IBUSP;
  • Mariana Cabral de Oliveira: Departamento de Botânica - IBUSP;
  • Déborah Yara A C dos Santos: Departamento de Botânica - IBUSP;
  • Paulo Takeo Sano: Departamento de Botânica - IBUSP;
  • Antonio C. Marques: Departamento de Zoologia - IBUSP;
  • Federico David Brown Almeida: Departamento de Zoologia - IBUSP;
  • Glauco Machado: Departamento de Ecologia - IBUSP;
  • Michel Naslavsky: Departamento de Genética e Biologia Evolutiva - IBUSP;
  • Eduardo S. A. Santos: Departamento de Zoologia - IBUSP;
  • Diogo Meyer: Departamento de Genética e Biologia Evolutiva - IBUSP;
  • Gregório Ceccantini: Departamento de Botânica - IBUSP;
  • Rosana Louro Ferreira Silva: Departamento de Zoologia - IBUSP;
  • João Miguel de Matos Nogueira: Departamento de Zoologia - IBUSP;
  • Gabriel Marroig: Departamento de Genética e Biologia Evolutiva - IBUSP;
  • Tatiana Teixeira Torres: Departamento de Genética e Biologia Evolutiva - IBUSP;
  • Sergio Tadeu Meirelles: Departamento de Ecologia - IBUSP;
  • Taran Grant: Departamento de Zoologia - IBUSP;
  • Tábita Hünemeier: Departamento de Genética e Biologia Evolutiva - IBUSP;
  • Miguel Trefaut Rodrigues: Departamento de Zoologia - IBUSP;
  • Cristina Yumi Miyaki: Departamento de Genética e Biologia Evolutiva - IBUSP;
  • Rachel Montesinos: Departamento de Zoologia - IBUSP;
  • Isabel Alves dos Santos: Departamento de Ecologia - IBUSP;

Abaixo-assinado encerrado

Este abaixo-assinado conseguiu 3.121 apoiadores!