EM DEFESA DO INTERNATO DE PEDIATRIA NO IDTNP

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 200!


Recebemos consternados a notícia de que cogita-se suspender as atividades do internato em pediatria no Instituto de Doenças Tropicais Natan Portela (IDTNP), o único hospital especializado no manejo de doenças infecto-contagiosas e negligenciadas em todo o estado do Piauí. Na categoria de alunos do curso de medicina da Universidade Federal do Piauí (UFPI), a mais tradicional escola médica do estado, manifestamos nossa posição absolutamente contrária à esta ação: cientes estamos dos prejuízos irreparáveis que esta sanção pode trazer à nossa formação, haja vista que o internato em infectopediatria tem sido um dos grandes diferenciais da instituição; e cônscios de que a suspensão de atividades do internato poderia representar um dos decisivos golpes de misericórdia em um hospital cuja importância e imprescindibilidade cresce diariamente à mesma medida que é negligenciado e aviltado pelo poder público.
As atividades de pediatria no Instituto de Doenças Tropicais Natan Portela (IDTNP), no âmbito da enfermaria e dos ambulatórios tem sido, portanto, uma exclusividade e um dos grandes diferenciais na grade curricular do internato em pediatria da Universidade Federal do Piauí (UFPI). Mesmo sabendo que atualmente o hospital sofre com problemas estruturais inegáveis, além de problemas relacionados à regulação e fluxo de pacientes, inclusive no setor pediátrico; reafirmamos a importância crucial do serviço na assistência à essas populações – assistência esta que tem tido participação de internos de medicina ao longo de anos. Além disso, destacamos que nenhum outro hospital fornece aos alunos em formação o contato com patologias tão cruciais na prática clínica diária, especialmente no contexto do Nordeste brasileiro – leishmaniose visceral, meningite, toxoplasmose, tuberculose, piodermites, síndrome da imunodeficiência humana (AIDS), dentre outras; seja no âmbito da enfermaria, dos ambulatórios ou até mesmo no âmbito das corridas de leito e discussões engendradas por médicos e preceptores, cujo acréscimo ao conhecimento dos alunos tem sido gigantesco. Nenhum outro serviço pode manifestadamente tornar o acompanhamento dessas patologias tão palpáveis ao olhar dos estudantes. Privar os alunos desta experiência representaria um prejuízo irreparável em sua formação e diferencial e é público e notório o acréscimo em aprendizado que este estágio proporcionou aos inúmeros egressos que já tiveram passagem pelo ciclo da pediatria.
O hospital, atualmente, se sustém, em parte, especialmente, graças à boa-vontade e dedicação de muitos profissionais que diariamente dão exemplo de competência e prática da boa medicina. No setor da pediatria, é válido destacar especialmente a figura da professora doutora Dorcas Lamounier Costa, eximia médica, professora e pedagoga, além de célebre docente do curso de medicina da Universidade Federal do Piauí (UFPI); que sabidamente se dedica às atividades de internato na enfermaria pediátrica do hospital de doenças infecto-contagiosas do estado há anos, cujo esforço e desvelo na condução das respectivas atividades tem contribuído para a formação de profissionais melhores, mais críticos, competentes e completos; além de ter mudado positivamente a vida de muitas crianças e suas famílias, que tiveram o curso de patologias diversas interrompido. Destacamos também as figuras de Kelsen Dantas Eulálio e Maria do Amparo Salmito, médicos infectologistas cuja competência e afã profissional pôde ficar evidenciada aos estudantes que tiveram passagens pelo serviço em muitas oportunidades, comprometidos com a prática da boa medicina e o aprendizado dos alunos, haja vista a natureza de hospital-escola da referida instituição. É claro, portanto, que as atividades de ensino realizadas no hospital têm sido ao longo de anos um de seus principais pilares de sustentação. Defenestrar as atividades de internato realizadas no local seria portanto, conferir um dos golpes de misericórdia em um hospital que já é diariamente negligenciado pelas autoridades e poder público e agoniza mediante tamanho descaso, de uma maneira geral; apesar de sua gigantesca importância na assistência à diversos segmentos da população.
Acreditamos que o Instituto de Doenças Tropicais Natan Portela (IDTNP) tem muito a melhorar. Entretanto, privar os alunos de terem parte de sua formação médica no único hospital especializado no manejo de doenças infecto-contagiosas em todo o estado; representaria, portanto, um prejuízo incalculável não somente à formação dos alunos da Universidade Federal do Piauí, cujo estágio no hospital de doenças infecto-contagiosas tem sido um dos grandes diferenciais da instituição; como também ao próprio funcionamento e continuidade do hospital, cujo papel na saúde pública do estado tem sido inegável.