Prisão para PMs que agrediram jovem negro que foi trocar relógio no RJ

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 75.000!


Matheus Fernandes, de 18 anos, foi vítima de racismo na semana passada quando foi trocar um relógio que comprou para presentear o pai no Dia dos Pais. O jovem é entregador de comida por aplicativo e está sempre circulando pelo Shopping Ilha Plaza no RJ, onde tudo ocorreu. Mas, na última vez, ele foi seguido por dois homens dentro da loja Renner e, enquanto aguardava ser atendido para efetuar a troca do relógio, foi puxado violentamente para a área da escada de emergência. Ali, Matheus foi acusado de ter roubado o relógio, mesmo estando com a nota fiscal do produto nas mãos. O jovem foi imobilizado, espancado e teve uma arma apontada para a sua cabeça.

Isso é inaceitável! Só não aconteceu algo pior porque um amigo de Matheus acompanhou tudo, gravou a cena e chamou outras pessoas. Os seguranças do shopping presenciaram o crime e não fizeram nada.

O relógio era o primeiro presente que Matheus, com muito orgulho, tinha comprado para o pai, com o seu próprio dinheiro. "Fui tratado como se não fosse nada e ainda colocaram uma pistola na minha cabeça", lamentou. Matheus ainda questionou: "Todo dia entro no shopping para trabalhar. Agora, só porque eu sou preto, eu não posso ir lá para me divertir?".

Após a repercussão do caso, os dois agressores foram identificados como policiais militares à paisana que estavam prestando serviços para o shopping Ilha Plaza. Portanto, EXIGIMOS que Diego Alves da Silva, soldado do Batalhão de Choque, e Gabriel Guimarães Sá Izaú, agente do programa Segurança Presente, sejam afastados imediatamente de suas funções, devidamente investigados e punidos de acordo com rigor da lei pelos crimes de abuso de autoridade (lei 13.869/2020) e racismo (lei 7716). Além disso, a empresa contratada pelo shopping Ilha Plaza, Moura Corbage Serviços Gerais, onde os dois policiais trabalhavam, também deve responder pelo crime à Polícia Federal, uma vez que não tem autorização da PF para prestar serviço de segurança armada e atua de forma irregular.