Prefeitura: forneça acolhida e álcool gel para os moradores de rua se protegerem do corona

1 resposta

Prefeitura: forneça acolhida e álcool gel para os moradores de rua se protegerem do corona

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 500.000!

Angela Zucarelli Cavalheiro Salem
Angela Zucarelli Cavalheiro Salem assinou este abaixo-assinado

A cidade de São Paulo tem, segundo o último Censo, mais de 24 mil pessoas morando nas ruas. Desse total, 17% está na faixa etária de maior vulnerabilidade e mais de 50% não está em centros de acolhida, e algumas possuem doenças crônicas ou pré-existentes, como a tuberculose. O que será dessa população e de toda a cidade durante a pandemia do coronavírus?

Todos dizem: “Fiquem em suas casas”, “Lavem as mãos de duas em duas horas”, “Usem álcool gel”, mas onde é a casa do morador de rua? Como é que ele vai fazer a higiene recomendada se ainda tem dificuldade de acesso à água potável e à alimentação? Algumas pessoas estão de quarentena, outras trabalhando em seus lares, mas as pessoas que estão debaixo dos viadutos, nas ruas e praças não tem como se proteger.  

Oferecemos a “Casa de Oração do Povo da Rua”, na região central da Capital, para acolher moradores de rua com suspeita do coronavírus e com necessidade de quarentena. Acreditamos que o espaço tem capacidade para isolar até 50 pessoas. Mas precisamos que a Prefeitura, por meio das secretarias municipais de Saúde, Assistência Social e de Direitos Humanos e Cidadania, forneça ao menos o básico para garantir alguma proteção a esse povo que, assim como qualquer outro cidadão, tem direitos! 

Decidi criar este abaixo-assinado para pedir urgentemente que a Prefeitura Municipal de São Paulo forneça kits com álcool gel e materiais básicos de higiene para destinação aos moradores de rua. E que abra espaços públicos que estão fechados para o acolhimento dos que dormem nas ruas, como centros esportivos, onde eles poderão ter acompanhamento de saúde e fornecimento de alimentação, e seja garantido acesso à água potável e higiene, conforme recomendou o Grupo de Trabalho em Prol das Pessoas em Situação de Rua da Defensoria Pública da União. 

Acreditamos que a medida é essencial para evitar um surto ainda maior da pandemia em nossa cidade, além de ser uma obrigação do governo oferecer saúde e proteção a todo e qualquer cidadão, independente de quem seja.

Sou padre há mais de 34 anos e, ao longo dessas mais de três décadas, me dedico ao cuidado do povo de rua, seres humanos descartados pelo sistema. Mesmo sob constante ameaça do braço armado do Estado e daqueles que não toleram os “descartados”, sigo nessa luta. Agora, peço o seu apoio para assinar essa petição e fazer com que a Prefeitura faça sua parte! 

Que o medo não afaste ninguém, especialmente neste momento em que os moradores de rua mais precisam de alguém que os olhe. Assine e compartilhe este abaixo-assinado! Obrigado!