COVID-19: pelo isolamento social em Cuiabá e Várzea Grande.

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 1.000!


No mês de fevereiro, fomos surpreendidos pela chegada do novo coronavírus ao Brasil. Por conta disso, além das drásticas mudanças do dia a dia, passamos a lidar com uma realidade de incertezas, medos e falta de perspectiva em relação ao futuro.

Infelizmente, assistimos, nos últimos dias, a um aumento considerável de casos da Covid-19 no estado de Mato Grosso. De acordo com o site G1, a Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde deste domingo (24), 40 óbitos e 1.464 casos confirmados, sendo mais de 600 só em Cuiabá e Várzea Grande. Os números podem não parecer tão expressivos se comparados aos de estados como Rio de Janeiro e São Paulo. A questão é: NÃO ESTAMOS EM UMA COMPETIÇÃO DE DESASTRES.

Aos poucos, a doença totalmente desconhecida começa a ser desvelada. Hoje, no mundo inteiro, diante de um cenário catastrófico e assustador, há um enorme esforço por parte de cientistas e médicos para alertar sobre as MEDIDAS ESSENCIAIS de combate à Covid-19. Entendemos, assim, que cabe a nós, membros da sociedade, estarmos atentos às informações transmitidas por esses profissionais. Do mesmo modo, os agentes políticos devem agir de modo ÉTICO e COERENTE, levando em consideração os dados estatísticos e todo conhecimento científico que é disposto em prol da nossa proteção e da garantia de nossa vida. 

Para evitarmos maiores tragédias, solicitamos à Prefeitura de Cuiabá e à Prefeitura de Várzea Grande que atuem LADO A LADO em prol do ISOLAMENTO SOCIAL, medida comprovadamente importante para poupar vidas e não estrangular o sistema de saúde, já que não há vacina e medicamento eficaz contra a doença. Estimular abertura de comércio e retorno de atividades não essenciais é um ato inconsequente e irresponsável, e tem sido visível a aglomeração de pessoas nas ruas, sentadas em distribuidoras de bebida, circulando sem máscara e amontoadas em lojas no centro da cidade e pontos de ônibus. Pedimos, então, que as prefeituras NÃO FLEXIBILIZEM e REFORCEM as medidas de isolamento nos dois municípios, atuando em conjunto (o que é essencial para o êxito do combate à doença nas duas cidades) e com rígidas normas de fiscalização.