Decrete nova quarentena em Joinville!

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 1.500!


De forma irresponsável, o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, cedeu à pressão de entidades que representam a elite do estado e decretou que Santa Catarina abandone a quarentena a partir de quarta-feira (1º), enquanto os casos confirmados de coronavírus no estado não param de crescer. 

Apesar de, na teoria, o fim do isolamento fazer bem à economia, a realidade é que decretar o fim da quarentena pode custar a vida de muitos catarinenses. A cidade de Milão, na Itália, voltou cedo demais seu povo às ruas e já enterrou mais de 4 mil cidadãos em um período de 30 dias por essa irresponsabilidade. Além de colapsar o sistema local de saúde, a cidade italiana teve que fechar novamente a cidade e, dessa vez, por ainda mais tempo. Essa conta, portanto, não fecha.

Com medida apresentada e sendo negociada pelo congresso, trabalhadores informais e de baixa renda podem passar a ter assegurados até R$ 1200 por mês podendo ficar em casa. Além disso, o governo pode liberar R$ 40 bilhões para garantir o emprego de brasileiros nas suas empresas mesmo estando em isolamento. 

Já é sabido que a prefeitura de Joinville tem sub-notificado os casos do novo vírus através do não-registro de inúmeros pacientes no quadro de infectados e que, por isso, já não é mais possível mensurar o tamanho coronavírus na cidade. É de conhecimento público também que o pico da transmissão na cidade deverá ser no mês de abril, justamente para quando está previsto o fim da quarentena.

Por isso, pedimos ao prefeito Udo Döhler que decrete a continuidade da quarentena no município de Joinville pelo tempo que especialistas na área de epidemiologia e saúde no geral recomendarem ser necessário. A prefeitura de Florianópolis decretou hoje mesmo que fará esse procedimento pelo bem de seus 500 mil cidadãos. Nossa cidade tem mais gente ainda: será que não vale o alerta?

Pandemia é coisa séria. Podemos recuperar a economia, mas uma vida perdida não volta mais. Joinville não quer morrer, prefeito. Apareça, tenha sensatez e seja responsável.