Contra o Golpe à democracia Catarinense

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 5.000!


Carlos Moisés da Silva foi eleito com mais de 70% dos votos dos eleitores catarinenses. Sem vícios políticos por desconhecer a maliciosa forma tradicional de governar, trouxe para o executivo estadual a cultura da disciplina, da ética e dos bons princípios de governança. Como revelou pretender cumprir o mandato sem os propósitos clássicos de reeleição ou perpetuação no ambiente político, conseguiu inéditos resultados de racionalidade e eficiência na administração. Com medidas simples e objetivas, reverteu o déficit orçamentário, destacadamente no crônico ambiente da saúde, antes da pandemia da COVID-19 chegar. Investiu nas funções básicas de sua competência, unicamente com economias realizadas na própria máquina pública. Mostrou-se bom gestor e administrador probo.

A sociedade, depois do ano inicial de reorganização, passou a constatar inúmeras obras e melhoramentos, principalmente em infraestrutura, por todo o Estado. Politicamente, estes posicionamentos têm um preço, uma reação difícil de entender para quem está fora daquele ambiente. É o que mostrou a votação de abertura do processo de impedimento, quinta-feira, na ALESC.

Não houve nenhum destaque de fundamento de voto sobre os fatos reais de uma temerária denúncia, mas sim, queixas de posturas do governo, porém não de atos diretos do governador sobre a questão a ser avaliada. Os parlamentares ignoraram a vontade popular dos votos. Ignoraram os pareceres jurídicos dos atos que não poderiam comprometer o governador, ignoraram a eficiência de gestão imprimida pelo acusado para o bem do Estado, para posicionarem-se essencialmente em interesses absolutamente escusos.

71% DOS VOTOS DOS CATARINENSES NÃO PODEM SER IGNORADOS.
IMPEACHMENT É GOLPE!!