PELAS ATIVIDADES REMOTAS DE ENSINO NO IFRS ENQUANTO DURAR A PANDEMIA COVID-19

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 1.000!


Ao presidente e aos membros do Conselho Superior do IFRS,

Os servidores e estudantes do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, abaixo assinados, vêm a público revelar preocupação com a possibilidade de cancelamento/transposição do semestre e com a impossibilidade de realização de atividades letivas remotas com vistas à retomada do semestre/ano letivo.

Temos consciência de que não será possível o retorno imediato às atividades presenciais e de que a sua suspensão foi realizada com o intuito de preservar vidas de toda a comunidade. Atividades remotas dos mais diferentes tipos são um meio de atendermos aos estudantes, inclusive, previstas em diversos dos nossos cursos. Portanto, é uma alternativa para se realizar o processo de ensino-aprendizagem enquanto a pandemia persistir. Além disso, quando houver o retorno presencial, talvez não seja possível termos todos os alunos em sala de aula e o início imediato das atividades remotas propiciará um menor risco no ambiente escolar.

Considerando que o Estado do Rio Grande do Sul autorizou aulas remotas nas redes pública e privada a partir de 1º de junho, considerando ainda que o parecer CNE nº 05/2020 foi homologado, solicitamos que haja a possibilidade de reativação  dos calendários acadêmicos, dando a cada campus, através de seus respectivos Conselhos de Campus (CONCAMP), a autonomia para deliberarem sobre a possibilidade de:

a)  Oferta de disciplinas com carga horária integralmente EAD já previstas em PPCs;

b)  Oferta de disciplinas de modo remoto, nas quais se tenha concordância dos estudantes e dos professores envolvidos, em consonância com o Parecer CNE nº 05/2020;

c)    Defesa remota de Relatórios de Estágios Obrigatórios;

d)    Defesa remota de Trabalho de Conclusão de Curso;

e)   Realização de estágios não-obrigatórios em empresas cujas atividades não foram paralisadas e que tenham tomado as medidas sanitárias recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS).