Pela Moralização do PSL Gaúcho

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 500!


Os cidadãos gaúchos que se uniram em torno do nome de Jair Messias Bolsonaro, o fizeram motivados por firmes convicções. O desejo de vermos nossa Pátria livre da corrupção nos levou a envidarmos esforços, disponibilizarmos recursos e nos jogarmos na luta. Vencemos! Ainda que a vitória tenha sido esmagadora, não temos tranqüilidade para trabalhar e tocar o país em frente. A esquerda enlouqueceu, os corruptos de diferentes partidos se aliaram para gerar o caos e perpetuar a barbárie da ignorância, da miséria social, moral e econômica, continuar com uma prática política que propiciou o assalto contínuo, implacável e sistemático às riquezas do país. Nós, cidadãos comuns, continuamos. Não desistimos do nosso País nem do bem nem do certo. Só que não cobramos correção só dos nossos opositores, desejamos as coisas corretas dentro do nosso próprio partido, o PSL. Somos a base do Presidente da República. Representamos a conduta social e moral que o mesmo prega. Portanto,cobramos, através deste, lisura, correção e austeridade em todas as ações e atitudes dos nossos representantes eleitos sob nossa sigla partidária.

Manifestamos aqui nosso repúdio à conduta e comportamento dos deputados federais Nereu Crispim e Bibo Nunes, ambos do PSL-RS, desejamos conviver partidariamente com atitudes e ações norteadas por ética e valores morais. Não podemos acatar atitudes que pressionem e ou intimidem pessoas. O desrespeito e a falta de compostura e urbanidade por parte desses senhores deputados nos levam à manifestar nossa inconformidade junto à Executiva Nacional e correlegionários. Os desacatos e vexames rodam a internet. Agora, mais intimidações a bolsonarianos de bem são acrescidas a esse rol de sucessivas vergonhas?! Os municípios gaúchos de Canoas, Santana do Livramento e São Borja, entre outros, assistem perplexas a essa total falta de equilíbrio; a Fronteira lamenta e o Rio Grande do Sul divide-se entre o desconforto e a responsabilidade de continuar respaldando o Governo recém eleito.