Mudar a forma com que doações a streamers são disputadas no PayPal

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 1.000!


Este abaixo-assinado servirá para tentar pressionar a empresa PayPal no tema de doações a Livestreamers / YouTubers.

Nós (streamers) sofremos imenso com as politicas do PayPal em relação a doações feitas como pagamentos por bens e serviços. Utilizamos plataformas como Streamlabs e Tipeeestream para conseguirmos fazer aparecer em tempo real no ecrã sempre que alguém faz uma doação (lembrando que cada doação não é esperada, tornando-se algo voluntário e deixando sempre o factor surpresa para o streamer em questão).

Porque é que as pessoas doam? Muitas delas fazem doações para mostrar algum apoio ao streamer, pois muitos de nós dependemos das mesmas por vezes para nos sustentar-mos, visto a taxa de desemprego em Portugal estar super alta em relação a anos anteriores.

O que é que temos a perder? Primeiramente falando das taxas altíssimas por cada transação, começando pelas doações de 1.00€, que levam automaticamente uma taxa de 0.38€ de cada vez, mas mesmo assim continuamos a utilizar a vossa plataforma PayPal, continuamos a aceitar doações porque acreditamos sempre que um dia essas taxas possam melhorar. Segundo, cada vez que uma disputa é aberta em relação a uma transação, ficamos automaticamente com o dinheiro bloqueado, sem lhe poder mexer, por mais que façamos, por mais que contactemos o apoio ao cliente, só poderemos mexer naquele dinheiro após o caso ter sido encerrado (o que por vezes demora semanas, e maior parte das vezes perdemos).

O que queremos com esta petição? Queremos mudanças. Queremos que pessoas como nós sejamos tratadas de outra forma, sem exclusivismos, apenas que entendam que certas pessoas fazem doações para nos "magoarem financeiramente", pois sempre que fazem uma doação por cartão de crédito e a mesma leva chargeback, temos de pagar 20 $ de taxas adicionais pela mesma. Temos diversos exemplos cá em Portugal de casos de chargebacks, começando pelo criador desta petição, que dia 8 de Fevereiro, acordou com 403 euros negativos na conta PayPal, porque um rapaz menor de idade decidiu pegar no cartão de crédito do pai, e doar uma quantia absurda de 640€ em apenas uma livestream. Como devem imaginar, isto para nós é um emprego, podemos não ter nenhum papel, nem nenhum contrato, mas é isto que nos sustenta, e sempre que recebemos 1€, sabemos que é nosso, que o ganhámos com o trabalho que fizémos "gratuito" para dezenas, centenas, e por vezes milhares de pessoas.

O que seria ideal fazer? Como "ex-configurador" de servidores de jogo, apesar de não ter grande experiência com empresas do tamanho da PayPal, após falar com diversos streamers, acho que a PayPal deveria estabelecer um tipo de "parceria" com sites como Streamlabs.com, Tipeeestream.com, etc. Sites estes que nos ajudam a inovar o conteúdo que trazemos, que nos disponibilizam ferramentas para podermos trabalhar "gratuitamente" para milhares de pessoas. Uma empresa como a vossa ganha milhões, estamos a falar da empresa que mais dinheiro virtual gere no mundo, que vos custaria chegarem a acordo com um dos sites acima referidos, e estabelecerem um acordo para ajudar streamers como nós a serem bem sucedidos e continuarem a usar a vossa plataforma?

Exemplos de reembolsos? Eu, ShutDowN (Mauro Ferreira), recebi 3 doações à cerca de 3 semanas atrás. Uma doação do valor de 1€, e outras duas doações do valor de 4.20€ cada. A pessoa que fez a doação, colocou no caso PayPal, que me teria comprado "um carregador usbc, e que o mesmo não tinha chegado". Após responder ao caso com o link da livestream em questão, adivinhem quem ganhou... Exatamente, a pessoa que doou. Isto é apenas 1 dos milhares de casos que devem existir relacionados a este tema.

Nós todos sofremos com isto, por favor façam isto parar, não merecemos o mal que estas pessoas nos fazem passar, aproveitam-se de nós para ganharem a atenção no momento, e depois acabam sempre por pedir reembolso.

Por favor, PayPal.

Em nome de "quase" toda a comunidade Portuguesa de streamers e YouTubers.