ABAIXO-ASSINADO EM DEFESA DO CEDESP DE QUALIDADE!

0 have signed. Let’s get to 1,000!


Pra quem não conhece, o CEDESP (Centro de Desenvolvimento Social e Produtivo para Adolescentes, Jovens e Adultos) é um programa caracterizado pelo desenvolvimento de atividades com adolescentes, jovens e adultos, com idades de 15 a 59 anos, com a finalidade de investir na formação profissional, assegurar o conhecimento do mundo do trabalho e capacitar em diferentes habilidades, na perspectiva de ampliar o repertório cultural e a participação na vida pública, preparando-os para conquistar e manter a empregabilidade e a autonomia.
O CEDESP - Santa Terezinha existe desde 2015, e vem fazendo um trabalho impecável desde então, promovendo mudanças na vida da população que mora e frequenta os arredores do espaço. Hoje, é um CEDESP de referência, junto à Prefeitura Municipal, de competência e transparência na gestão. A Vila Brasilândia, região periférica onde se localiza o espaço, é um local carente de serviços públicos gratuitos e de qualidade como os oferecidos pelo instituto; é um local onde cada projeto importante e qualitativo como este faz toda a diferença.
Porém, apesar dos ótimos serviços prestados, da competência no exercício das funções e no atendimento humanitário que promovem, o corpo de funcionários – que alavancou o CEDESP ao patamar que se encontra hoje – sofreu baixa injustas, repentinas e injustificadas. A nova gerência do espaço, advinda da ONG Comunitária Vila Terezinha, achou de bom grado demitir SEM JUSTIFICATIVAS (literalmente!) dois importantes funcionários: Lucas Chacon, o Coordenador Pedagógico, e Sirlene Santos, professora da aula de Convívio – uma das mais importantes atividades realizadas no instituto, pois visa o fortalecimento de vínculos e o convívio social dentro e fora do espaço -, que é o eixo central para o funcionamento das atividades no CEDESP. Não haviam problemas na gestão do espaço (pelo contrário), não houveram problemas com os alunos e nem problemas entre a equipe. Não houveram reclamações ou quaisquer tipo de acusações de qualquer cunho contra os colaboradores; pelo contrário, ambos (assim como toda a equipe CEDESP – Santa Terezinha), são constantemente elogiados por quem estuda e/ou frequenta o espaço. Todos, entre funcionários e alunos, que saíram de suas casas na manhã do dia 07/02/2019 para realizar suas atividades no instituto, foram pegos de surpresa com a péssima notícia. É indiscutível que, com a saída desses funcionários, a qualidade do serviço seja relevantemente abalada. Além de tudo, os alunos encontram ali mais que um serviço de oferta de capacitação gratuita: encontram também acolhimento, carinho, cuidado e atenção. Encontram, com eles, o que precisam pra suprir desde suas mais básicas necessidades fisiológicas às afetivas; é uma relação familiar indispensável pra maioria! E é importante frisar que: mais do que uma simples baixa no quadro de funcionários, o que acontece é um ataque direto ao funcionamento desse serviço de qualidade que é tão indispensável. E reforçamos: a demissão dos dois profissionais citados, Lucas e Sirlene, provocarão queda relevante nessa qualidade – até hoje evidente –, pois serão retirados componentes cruciais para o funcionamento qualitativo do espaço: um coordenador extremamente competente, responsável e honesto, e uma professora igualmente cheia de qualidades e responsável pela disciplina de Convívio, que é a base de sustentação para o funcionamento das demais disciplinas no local, pois visa o bem-estar e o fortalecimento de vínculos dos que se utilizam deste espaço de convivência.
Visto isso, afim de garantir o acesso da periferia à serviços de qualidade, em defesa da educação e dos educadores e como cidadãos que querem fazer valer seus direitos, que querem ver os profissionais sendo respeitados no cumprimento de suas funções e que não ficam apáticos e passivos a decisões autoritárias e impositivas de quaisquer superior que seja, viemos aqui pedir que nos ajudem a reforçar, junto às autoridades competentes, nosso total repúdio às demissões injustas e repentinas de profissionais tão competentes e importantes para o exercício de suas funções e para o funcionamento geral do instituto. E solicitamos, também, a reconsideração dessa baixa INJUSTA e IRRESPONSÁVEL a esse quadro de funcionários. Não nos calaremos diante de injustiças!