Abaixo-assinado encerrado

PMES pede SOCORRO!

Este abaixo-assinado conseguiu 583 apoiadores!


Você sabia que um Militar não tem insalubridade, periculosidade, tiket alimentação entre outros beneficícios?! E que esses mesmos militares quando por algum motivo trabalhando para a população se bate alguma viatura tem que pagar o conserto? E que ser militar é uma das profissões mais extressantes com tentativas  de suicidio, tendo em vista não somente o risco de sua própria vida como também da sua família?! Concerteza você conhece algum militar, você vê ele ou sua familia rodeado de seguranças? Você acha que uma pessoa nessas condições e preocupações estaria  satisfeita e entusiasmada com o seu trabalho mediante tantas dificuldades e ainda passando necessidades em casa? O militar é um cidadão como outro qualquer e que precisa da sua ajuda para prestar um serviço público de qualidade! Como se não bastasse ainda foi lançado pelo governador Paulo Hartung um Projeto de lei Complementar que “Dispõe sobre normas de promoção dos oficiais combatentes e especialistas da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Espírito Santo" que altera a estrutura da corporação diminuindo as vagas de promoção dos quadros do QOA e prejudicando assim as promoções dos praças. Determinado projeto mexe com anos de história de uma instituição honrada que sempre teve como objetivo um serviço publico de qualidade para a segurança e bem estar da sociedade! Não podemos ficar calados mediante tanta perseguição e impunidade!! Assine a petição!
O estado do Espírito Santo no dia 03/02/2017 ouviu o começo do grito de socorro dados pelas esposas e familiares dos militares que começou um movimento em frente aos batalhões reivindicando melhores condições de trabalho e o reajuste anual que é previsto por lei e nao é cumprido a anos. Durante o movimento em frente aos batalhões que durou 22 dias houve varias tentativas de negociação com o governo na pessoa do governador Paulo Hartung e o secretário de segurança pública André Garcia, porém desde o começo os mesmos afirmavam que só negociariam se as mulheres e familiares saíssem de frente dos batalhões e impuseram ameaças tanto aos militares quanto as mulheres que sofreram pressão psicológica e física durante esses dias de extrema insegurança que o estado viveu com roubos, furtos e mortes. Por fim no dia 25/02/2017 as esposas, familiares e amigos de pms saíram de frente dos batalhões após uma negociação com a intermediação do Ministério Público do Trabalho que previa a suspensão dos processos administrativos de rito ordinário (PADs RO) desistência das ações judiciais contra os familiares e amigos de militares e anulação das transferencias dos policiais. Assim que os familiares cumpriram a sua parte o governo do estado começou uma perseguição incessante aos policiais e familiares, vista como uma retaliação e punição aos fatos ocorridos, desde o não cumprimento do acordo à criação de um projeto de lei Complementar em caráter de urgência que “Dispõe sobre normas de promoção dos oficiais combatentes e especialistas da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Espírito Santo". Este projeto altera a estrutura da corporação diminuindo as vagas de promoção dos quadros do QOA e prejudicando assim as promoções dos praças! Precisamos da sua ajuda para o cumprimento da lei e o e melhorias na segurança pública tanto para os policiais que arriscam todos os dias as suas vidas quanto para a população que precisa de segurança para realizar suas atividades cotidianas!!

 



Hoje: Pamela está contando com você!

Pamela Pamela precisa do seu apoio na petição «Ministério Público Estadual do Espírito Santo: PMES pede SOCORRO!». Junte-se agora a Pamela e mais 582 apoiadores.