MEDITAÇÃO E RELAXAMENTO MENTAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS.

MEDITAÇÃO E RELAXAMENTO MENTAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS.

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 100!
Com 100 assinaturas, é mais provável que essa petição seja recomendada a outras pessoas!
CRITEENS criou este abaixo-assinado para pressionar Ministério da educação e

Tito, psicólogo, Francisco Henrique de Oliveira, RG 5.215.806 SSP SP, aposentado se dirige aos órgãos federais no sentido de se implantar com urgência normas técnicas quanto a ATENÇÃO PLENA, RELAXAMENTO MENTAL e MEDITAÇÃO  nas escolas públicas do país.

Para tanto considera os seguintes dados sobre a VIOLÊNCIA CONTRA PROFESSORES:

A.      Pesquisa APEOESP

Pesquisa inédita realizada pelo Instituto Locomotiva e Apeoesp revela que 54% dos professores já sofreram violência nas escolas. Em 2017, o percentual era 51% e, em 2014, 44%.

Entre os estudantes, 37% declararam ter sofrido violência, em 2014 eram 38%, e 2017, 39%.

Fonte:https://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2019-12/violencia-contra-professores-e-alunos-cresce-na-rede-publica-paulista

B.      Pesquisa OCDE

Brasil 1º no ranking da violência

Uma pesquisa global da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) com mais de 100 mil professores e diretores de escola do segundo ciclo do ensino fundamental e do ensino médio (alunos de 11 a 16 anos) põe Brasil no topo de um ranking de violência em escolas.

C.      Pesquisa Nova Escola

Cerca de 66% dos professores já precisaram se afastar do trabalho por questões de saúde. Destes, 87% acreditam que o problema é ocasionado ou intensificado pelo trabalho. Os dados são de uma pesquisa conduzida pela Associação Nova Escola em 2018.

Considerando a dinâmica afetivo-emocional da criança e adolescentes:

A.      Depressão na adolescência

Segundo estatísticas da Organização Mundial da Saúde (OMS), 20% dos adolescentes terá algum problema de saúde mental, sendo 17% depressão (Who, 2011). Este quadro é especialmente preocupante porque a depressão na adolescência aumenta a probabilidade de a depressão reincidir na idade adulta, com uma taxa de 40% dentro de dois anos, chegando a 70% em 5 anos (Keenan-Miller, Hammen, & Brennan, 2007). Vide referências consultadas no final.

B.      Suicídio na adolescência

Conforme a tese “Depressão na esfera escolar”

Outros fatores igualmente preocupantes são os índices e/ou tentativas de suicídio nessa fase da vida, a sua idealização é considerada comum e aumenta após a puberdade (BAHLS; BAHLS, 2002, p. 5). Ainda, segundo o citado autor, “adolescentes apresentam taxas de ideação suicida que variam entre 23 a 27%, e 3,5% relatam pelo menos uma tentativa de suicídio’’.

No Brasil, o suicídio é a quarta maior causa de mortes entre jovens, e pessoas entre 10 a 19 anos representam 44,8% dos óbitos de acordo com o 1º Boletim do Suicídio no Brasil, divulgado pelo SUS em 2017. Fonte: Conforme a tese “Depressão na esfera escolar - periodicos.utfpr.edu

Implantação da Meditação e Relaxamento mental nas escolas

Considerando os dados anteriores e buscando o enfrentamento dos cenários dramáticos que envolvem as escolas públicas e tendo como racionalidade acatar que é de declarada covardia e apatia deixar tudo como está, vimos pelo presente propor a imediata implantação de procedimentos técnicos e/ou administrativos quanto ás técnicas de Meditação e Relaxamento mental nos cenários educacionais do país.

Em resumo entendemos que esta proposição merece urgência sim, pois vidas e desempenhos estão sendo feridos, em muitos casos silenciosamente, tornando-se estatísticas frias e inúteis.

Sendo assim vimos propor a imprescindível implantação de técnicas de meditação e relaxamento mental junto a classe estudantil desde o ensino fundamental até o médio com os objetivos entre outros como:

1.      Melhoria da qualidade de vida afetivo-emocional de crianças e adolescentes;

2.      Desenvolver conexões internas no plano mental que favoreçam o aprendizado

3.      Desenvolver hábitos quanto a atenção à experiência presente, diminuindo assim dispersões da atenção;

4.      Vivenciar experiências interiores sem a predisposição de pré-julgamentos;

5.      Desenvolver a visualização criativa tanto nos cenários escolares como no lar;

6.      Habilitar o aluno para o desenvolvimento do autocontrole emocional;

7.      Trabalhar no plano subjetivo as habilidades mentais para a superação de conflitos.

Fontes consultadas:

https://www.scielo.br/pdf/pee/v22n2/2175-3539-pee-22-02-347.pdf

https://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2019-12/violencia-contra-professores-e-alunos-cresce-na-rede-publica-paulista

Fonte: Conforme a tese “Depressão na esfera escolar - periodicos.utfpr.edu...” das autoras:

Cássia Corrêa Theodoro cassiatheodoro@alunos.utfpr.edu.br e Marisa Corrêa Lima Ricci Neta marisaryuzaki@gmail.com

http://orcid.org/0000-0002-2675-5730 Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Curitiba, Paraná, Brasil.

http://orcid.org/0000-0002-1073-9541 Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Curitiba, Paraná, Brasil.

Amparo, 03 dez 2020

Tito, psicólogo CRP 06-1631-3

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 100!
Com 100 assinaturas, é mais provável que essa petição seja recomendada a outras pessoas!