Decision Maker Response

Metrô - São Paulo’s response

Feb 20, 2020 — O assédio e a importunação sexual são problemas que atingem a sociedade e não acontecem apenas nos trens e estações do metrô. Nesses locais, o Metrô oferece uma estrutura que envolve funcionários capacitados e tecnologia, como sistema de câmeras, para prevenir e atuar em benefício de todos os passageiros, em qualquer circunstância. Prova disso, é que em 70% dos casos de assédio nas dependências do Metrô, os suspeitos são detidos e encaminhados para a delegacia.

Não se trata apenas de coibição, o Metrô foi pioneiro em encarar esse problema com a criação de um programa de combate ao assédio que envolve ações, campanhas para o estímulo a denúncia e, principalmente, a conscientização de seus funcionários que devem acolher as vítimas prioritariamente e acionar a rede de colaboradores para identificar os suspeitos.

E a empresa não se furta a melhorar, por isso frequentemente são feitas outras ações que alertam aos passageiros e também aos funcionários da empresa sobre como agir nessas situações, como inclusive vem sendo feito neste carnaval com a campanha “Não é Não”. O Metrô se tornou referência no combate a essa prática e está aberto a aperfeiçoar sua atuação, transmitindo novos conhecimentos aos seus funcionários.

Mas não se trata apenas de uma instituição agir contra o assédio e abuso. Esse é um problema que deve ser encarado por todos e, sempre que vista situações inadequadas, as pessoas podem comunicar aos colaboradores do Metrô ou enviar mensagens pelo SMS-Denuncia (973332252) ou aplicativo de celular MetrôConecta. Ações como essas colaboram com a identificação dos suspeitos para o registro de Boletim de Ocorrência que pode gerar na prisão dos infratores e redução dos casos.

A prática do respeito sempre foi uma bandeira do Metrô.