CONTRA O RECOLHIMENTO DAS APOSTILAS POR DÓRIA!

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 200!


A Associação Etcétera e Tal – Psicanálise & Sociedade, em conjunto com as cidadãs e cidadãos abaixo assinados, vem a público expressar seu repúdio à decisão do atual governador do Estado de São Paulo, João Dória, de recolher todas as apostilas do 8º Ano da Rede Estadual por considerar “ideologia de gênero” conteúdo de texto educativo que trata de comprovações científicas sobre sexualidade e relações humanas e exigir sua imediata devolução às escolas. 

Escreveu o governador em seu Twiter: “Fomos alertados de um erro inaceitável no material escolar dos alunos do 8º ano da rede estadual. Solicitei ao Secretário de Educação o imediato recolhimento do material e apuração dos responsáveis. Não concordamos e nem aceitamos apologia à ideologia de gênero.”

Não podemos aceitar tamanha ignorância vinda de um governador que, arbitrariamente e autoritariamente, retira um material educativo que está de acordo com a Base Nacional Comum Curricular, produto de debates de educadores, pesquisadores e da produção científica que trata das questões da sexualidade humana. A atitude do governador incita o preconceito e a violência em nossa sociedade e ceifa a oportunidade de estudantes terem acesso à informação de qualidade, com o argumento da “ideologia de gênero”, uma falácia sem fundamento que refuta o conhecimento contemporâneo aceito pelas sociedades científicas internacionais das ciências da sexualidade, da antropologia, da sociologia e da filosofia.

“O texto diz respeito à realidade vivenciada por muitos humanos e não faz nenhuma apologia. Mas vivemos tempos obscuros administrados por pessoas cruéis”, disse Arnaldo Domínguez de Oliveira, psicanalista fundador do Etcétera e Tal.

Mariana Friedrich, psicanalista e também uma das fundadoras de nossa Associação, argumenta: “Trata-se de algo que ultrapassa as explicações que existem a respeito desses preconceitos, o que os torna excessivamente perigosos. É preciso levar a compreensão aos outros que se apartam, para enfrentar e trazer paz àqueles que são alvos dessas questões”.

Em defesa de uma educação inclusiva e de qualidade, que respeite os preceitos aceitos pela comunidade científica no que tange ao que somos como seres humanos, dotados de uma complexa e variada orientação sexual, repudiamos a retirada das cartilhas especificadas e a pronta devolução do material educativo às salas de aula.

A Associação Etcétera e Tal, entidade civil sem fins lucrativos, fundada em 1991, tem por objetivo lutar pela livre orientação sexual e pelo engajamento social de pessoas discriminadas, contribuindo e apoiando diversas organizações, além de desenvolver pesquisas e projetos sobre a sexualidade humana.

Atuou em São Paulo junto à Secretaria Municipal dos Portadores de Deficiência Física, no Conselho Municipal do Idoso, na primeira manifestação na Praça Roosevelt, marco zero do que viria a se constituir a chamada "Parada do Orgulho GLBT" (atualmente, “Parada do Orgulho LGBT de São Paulo”, em sua 23ª edição). Junto ao Núcleo de Psicanálise e Sociedade na PUC-SP, participou da fundação do Instituto Kaplan. Estão entre seus apoiadores a Dra. Miriam Debieux do Núcleo de Psicanálise e Sociedade da PUC -SP e também o Dr. Carlos Passarelli, um dos fundadores de nossa Associação. O Etcétera organizou também debates, seminários e mesas redondas na Câmara Municipal de São Paulo, por meio da Comissão de Direitos Humanos, no CEP – Centro de Estudos Psicanalíticos de São Paulo, entre outros.


Fora de São Paulo, a Etcétera e Tal – Psicanálise & Sociedade trabalhou pela criação do primeiro Grupo Brasileiro de Travestis e Transexuais, em Vitória (ES). Também, fez parceria com o Grupo Potiguar de Direitos Humanos em Natal (RN), com um grupo semelhante em Porto Alegre (RS), colaborando ainda com o Instituto Tempos Modernos, no Rio de Janeiro (RJ), e Buenos Aires (Argentina).

Atualmente, a entidade gerencia as atividades da Biblioteca Popular de Itaquaciara – Dona Nélida, do Movimento Ambientalista Preservar Itapecerica da Serra e conta com dois grupos de estudos sobre a teoria psicanalítica.

Desde 2010, inspirados na construção de espaços para reflexão e promoção de novas propostas para os relacionamentos humanos, os integrantes do grupo organizam eventos com tal propósito. No primeiro ano, realizou a Jornada sobre “A Banalidade do Mal”. Até hoje, tratamos dos seguintes temas: “Mal-Estar na Cultura: A Solidão”; “Mal-Estar na Cultura: O Medo”; “A Liberdade”; “Identidade”; “Intolerância”; “Palavra”; “O lugar do Outro” e “Silêncio”.