Retorno as atividades do setor de eventos no Estado do Ceará

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 2.500!


Vimos por meio deste, contribuir para a retomada do setor de eventos de forma organizada e dentro dos protocolos.

Nosso setor tem grande impacto econômico e social na população, pois movimentamos buffet, decoração, cerimonial, fotografia e filmagem, estrutura e iluminação, músicos, doces e chocolates, bolo artístico, bebidas, animação, bandas e toda a equipe envolvida em grandes eventos, esses são fáceis de entender, mas também atingem milhares de garçons e garçonetes autônomos, coreógrafos, lojas de aluguel de trajes de festa, estilistas de vestido de noivas, lojas de presentes, salão de beleza e muitos outros braços que são beneficiados. A nossa cadeia produtiva é muito relevante para a economia também.

Queremos que haja uma retomada do setor de eventos no Estado do Ceará seguindo as regras expostas nos protocolos.  Segue as justificativas para reabertura do setor:

Do ponto de vista sanitário: O Estado do Ceará se encontra atualmente com estabilidade do ponto de vista epidemiológico e com prognostico de contínua queda. Para a manutenção dessas taxas é imprescindível o cumprimento de todas as regras sanitárias. Queremos ajudar com um retorno escalonado e responsável, evitando assim que as aglomerações que estão ocorrendo de forma clandestina e sem qualquer respeito às regras sanitárias, continuem acontecendo por todo o Estado do Ceará. As empresas responsáveis pelos eventos estão impossibilitadas de realiza-los da forma correta como todos nós queremos.

Da perspectiva de similaridade de atuação: Comparando os espaços de eventos a restaurantestemos muitas similaridades no serviço de alimentação, ainda contando com muitas vantagens: eventos sãocontratados com antecedência, com número de pessoas pré-determinado e a entrada é controlada, fazendo com que determinemos o quantidade máxima de pessoas em cada evento. Além disso, não há manipulação de cardápios ou pagamento, não há troca de pessoas e sua permanência está limitada ao tempo do evento.

Do ponto de vista econômico: Precisamos de definições de datas para o retorno. Até o momento as empresa do ramo se organizaram para retornar em 20 de julho. Após esse longo período sem atividades os profissionais que vivem desse setor e, principalmente, os autônomos e terceirizados já estão em situação de vulnerabilidade social. Isso faz com que não consigam nem seguir regras de higiene como o uso de álcool gel (produto que se tornou artigo de luxo), e em caso de doença não conseguem pagar as medicações.

Quando olhamos para as empresas, a falta de definição de datas para a nossa reabertura deixam os clientes de eventos sociais cada vez mais inseguros, fazendo que aumente muito o risco do cancelamento e da remarcação desses eventos atingindo fortemente o setor, que nos levará a uma crise econômica que poderá durar até o final de 2021; ao remarcar uma data a empresa perde o potencial de venda do ano seguinte, fazendo com que tenhamos dois anos perdido e não apenas o de 2020.
Já no ramo de show os empresários, músicos e toda a equipe de apoio estão sem perspectivas. Várias bandas que são patrimônio cultural do Ceará caminham para a dissolução. A quebra de diversas empresas do setor já é certa e será uma perda inestimável para o estado.

Se você concorda com o nosso retorno, assine e ajude a divulgar