Alunos da UNILAGOS pedem a redução da mensalidade presencial devido à Quarentena COVID-19

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 1.000!


Os alunos da Faculdade União Araruama de Ensino (UNILAGOS), Araruama - RJ, buscam, por meio deste, uma solução conjunta para a redução do valor da mensalidade dos cursos presenciais durante o período de “quarentena” devido ao surto de SARS-CoV-2 (causador do COVID-19), decretado pelo Governo Estadual do Rio de Janeiro a partir do dia 13 de março e, embora com duração estipulada de 15 dias, muito provavelmente sem fim previsto – a julgar pelo reconhecimento de situação de emergência na saúde pública estadual, curva de casos confirmados e atitude precária da população quanto a uma efetiva prevenção.

No atual cenário, a fim de se evitar o alastramento da infecção e a contaminação de novos indivíduos, a pandemia do novo coronavírus teve como uma de suas consequências o isolamento social. Esta medida protetiva tomou proporções a nível nacional, com diversos estados brasileiros adotando as mesmas providências. Mediante este acontecimento, as aulas presenciais na Instituição de Ensino Superior (IES) supracitada foram temporariamente suspensas, de acordo com o disposto legalmente, e serão adaptadas da melhor forma decidida pela Instituição, com aulas realizadas por meio de videoconferências.

É evidente, porém, que embora a IES também esteja sendo diretamente afetada com tais medidas, a ausência de aulas presenciais ocasiona determinados tipos de “economia”: seja de energia, água, gerador ou combustível dos ônibus, dentre outros. Simultaneamente, pequenos negócios e trabalhadores informais, por exemplo, terão sua renda drasticamente diminuída – ou zerada. Além disso, o estresse gerado pela mudança radical para o novo método de estudo pode dificultar consideravelmente a aprendizagem e formação dos alunos, visto que muitas vezes as casas não possuem um ambiente propício para os estudos. Fora isso, muitos trabalhadores não foram liberados completamente para o isolamento (principalmente os relacionados à área de saúde e segurança pública, mas também aos supermercados, por exemplo), alguns tendo ainda uma carga de estresse maior por ter que lidar com a atual crise, e não necessariamente tendo condições (psicológicas ou físicas) de atender às aulas ou chegar a tempos de assisti-las, o que tornaria o ato de estudar exaustivo, ainda mais complexo e improdutivo.

À vista disso, faz-se necessário a reavaliação dos custos das mensalidades de todos os cursos presenciais da UNILAGOS, com o intuito de evitar o encargo de se pagar por um serviço não recebido (aulas presenciais) ao mesmo tempo em que se lida com uma crise generalizada que afeta a todos – e que poderia resultar em matrículas trancadas e carreiras interrompidas. Declaramos, ainda, que compreendemos que a Faculdade não apenas tem precisado se reestruturar para a plataforma online, como também está cumprindo com os Decretos do Poder Executivo Estadual de forma a evitar – ou diminuir – atrasos nos semestres; contudo, a crise é grave para todos, e, considerando as particularidades individuais e a situação geral, é fundamental que as medidas adotadas apresentem benefícios a todas as partes.