Reforma da previdência :economia, retirada de direitos e suas consequências

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 100!


A reforma da previdência, lançada como um combate aos privilégios dos servidores públicos do executivo e uma reforma mais justa para os servidores da iniciativa privada, esconde um pacote de mentiras contra os servidores públicos e da iniciativa privada e não contempla os servidores dos poderes legislativo e judiciário, os verdadeiros detentores de privilégios (auxílio moradia, combustível, "guarda-roupas", alimentação, etc).

O governo esqueceu de contar que desde 2013 todos os funcionários públicos do executivo ,que ingressam na carreira, já obedecem ao teto do INSS da iniciativa privada (cerca de R$ 5.531,00) e que para receber a aposentadoria integral tem de contribuir com uma previdência complementar por 30 anos para mulheres e 35 anos para homens, para ter direito ao valor total.

Por quê o governo quer uma reforma "às pressas", sem discussão com a sociedade se está disposto a uma renúncia fiscal , com redução de impostos para as petroleiras , da ordem de R$ 40 bilhões de reais por ano, ou R$ 1 trilhão de reais em 25 anos, através da MP 795/17, que tenta aprovar no congresso; oque representa mais de 20 anos da suposta economia que seria obtida com a reforma da previdência? (fonte:A carta capital online)

Por quê as empresas devedoras do INSS não são cobradas, sendo que de acordo com dados da Procuradoria geral da Fazenda Nacional (PGFN) esse déficit é da R$ 426 bilhões de reais e cerca de 3% de grandes empresas atuantes são responsáveis por 63% dessa dívida ? (fonte:A carta Capital online)

Por quê não acabar com as desonerações sobre a folha de pagamentos das empresas e revisar as isenções fiscais? O trabalhador da iniciativa privada e o funcionalismo público do executivo terão de trabalhar 40 anos para ter direito a aposentadoria integral (diga-se o teto do INSS do regime geral) e a nova previdência também proíbe o acúmulo de aposentadorias e pensões (fonte: O Estadão online) .

Não é difícil imaginar as consequências dessa reforma, a qual certamente afetará de imediato a qualidade do serviço público, com uma enxurrada de aposentadorias proporcionais e piora do SUS e do ensino público superior. Provavelmente médicos e outros profissionais da saúde pública abandonem seus postos para privilegiar melhores rendimentos na iniciativa privada, já que não poderão ter mais de uma aposentadoria e teremos um apagão no ensino superior, com carência de formação de novos profissionais.

Esse é o legado da atual proposta da reforma da previdência e peço a todos apoio, dividindo essa petição com seus conhecidos, para que possamos lutar por uma reforma da previdência mais justa e abrangente, que contemple a todos!



Hoje: Luciani C está contando com você!

Luciani C Santos precisa do seu apoio na petição «Congresso nacional: Reforma da previdência :economia, retirada de direitos e suas consequências». Junte-se agora a Luciani C e mais 7 apoiadores.