Pela cedência do Ponto de Encontro para a realização do 2º Festival "Ritmo no Ponto"

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 2.500!


Com esta petição, o Grupo Informal de Jovens Maktub, apoiado pelos seguintes assinantes, pretende que a 2ª edição do Festival Ritmo no Ponto se mantenha nas mesmas instalações da 1ª Edição, espaço este cuja competência é mesmo a de albergar projectos dirigidos à Juventude, como é o caso. Este espaço não só possui uma acessibilidade essencial para a realização do evento e deslocação das escolas e grupos participantes, como igualmente uma estrutura adaptada à programação que implica a presença de várias salas interligadas entre si no mesmo edifício. O Festival Ritmo no Ponto é a celebração do Dia Mundial da Dança, com o apoio do Conselho Internacional da Dança da UNESCO, numa festa com muita partilha e descoberta da Dança nas suas mais variadas expressões e culturas aberta a todos. A adesão na primeira edição foi superior à esperada e este ano existem mais inscrições, pelo que se pretende garantir as melhores condições para a prática de aulas de dança, competição e apresentações por parte dos participantes.

 Após o sucesso da primeira edição, o Festival Ritmo no Ponto, quer regressar para mais um dia de verdadeira partilha e colaboração na égide da celebração do Dia Mundial da Dança, na icónica, efervescente, almadense e privilegiada Casa Municipal da Juventude Ponto de Encontro em Cacilhas.Icónica sim, porque foi desde a sua criação palco de imensos projectos musicais, culturais e teatrais e nomes que cresceram no seio da nossa reconhecida cultura portuguesa (desde Da Weasel até muitas outras bandas e projectos musicais mais conhecidos de todos nos mais variados estilos musicais, iniciaram a sua actividade nas humildes instalações desta casa), é sem dúvida um espaço onde se pode conhecer um pedaço da história da cultura e música portuguesa. Efervescente, sim, porque serve desde a sua génese todos os jovens que queiram criar e se exprimir através dos mais variados meios, providenciando um espaço quer para ensaios e processos de criação artística, quer para apresentações, reconhecemos este factor como essencial desde o início da nossa actividade na Casa, já que é um espaço que recebe projectos que de outra forma não teriam possibilidade de ver a luz do dia, um verdadeiro terreno fértil para a inovação e expressão e que se pode mesmo atestar pelo desgaste das instalações. Almadense porque para além da história que carrega, desde 1989 que praticamente todos os jovens de Almada podem afirmar que já visitaram esta casa, sendo que já foi em tempos um ponto de encontro mais regular de jovens, com o funcionamento do bar. Privilegiada sim, pela proximidade aos transportes públicos, é servida de Estação de Barco, Metro e Autocarros, com estacionamento na proximidade, o que é fulcral para o nosso evento vistos muitos professores virem com os alunos de transportes públicos (em particular de Barco); por outro lado a paisagem e luz natural deste espaço é inspiradora e propícia para o evento que estamos a propor favorecendo por sua parte os nossos participantes e visitantes.


Compreendemos que a recusa deste espaço para a nossa segunda edição se deve ao requalificamento que está projectado para o Cais do Ginjal e que tem afectado a actividade na Casa Municipal da Juventude, no sentido que os projectos têm sido direccionados para a outra Casa da Juventude, a Casa Amarela, que não possui de todo as mesmas características. O gradual esvaziamento das instalações relembra-nos uma era que acaba, um ícone para a juventude de Almada que estava realmente a merecer uma nova cara, mas que compreendemos que seja hora de o erradicar para um bem comum. Ainda assim sentimos que é merecida uma despedida deste espaço, num metafórico canto do cisne que é apenas merecido pela sua história para a juventude e pelo significado que esta casa adquire para todos nós que passámos por esta Casa Municipal da Juventude; nem que seja aproveitando enquanto temos ainda meses para a sua proscrição.

A vontade de todos é que a segunda edição do Festival Ritmo no Ponto possa decorrer nas instalações do Ponto de Encontro, este festival foi concebido para ser realizado neste espaço, como o próprio nome indica, exactamente pelas suas características práticas, desde a presença de diferentes salas com acesso directo entre elas sob o mesmo telhado (permitindo a realização de diferentes actividades ao mesmo tempo como estamos a programar), o que permite o acesso fácil para o público para ir alternando de workshops já que temos intervalos reduzidos entre os mesmos, e com o evento a decorrer em finais de Abril há muita probabilidade de chuva o que se torna impeditivo (já que é maior a probabilidade do público sujar as instalações) em comparação com as instalações propostas, o terraço exterior para actividades aí planeadas (Em específico o Live Stage, transmitido em directo para diferentes redes sociais, tirando partido da vista panorâmica sobre o Tejo), a sua história e decoração que atesta a sua imagem urbana e jovem segue na linha do nosso evento, as facilidades de estacionamento nas proximidades (na última edição a colocação de sinalética facilitou o fácil acesso de quem vinha de carro), sendo servida igualmente de um eixo de transportes públicos, com particular destaque para os barcos, já que muitos alunos virão em grupo com o professor utilizando apenas o barco visto serem de outros municípios limítrofes servidos da mesma forma (Lisboa, Seixal, Barreiro, Montijo), o Metro e os Autocarros foram igualmente uma opção muito utilizada pelos nossos participantes e visitantes, e o facto de ser o único espaço público de apresentação na freguesia é igualmente uma forma de organizar um evento aberto a todos que traga Entretenimento e Cultura a Cacilhas, a sua comunidade local e os seus visitantes.

Sem dúvida que queremos que reconsiderem a vossa decisão, sendo que apelamos à boa vontade para podermos oferecer um festival ao nível da primeira edição, e que desta vez já tem mais grupos e escolas inscritas para participar à data, pelo que esperamos ultrapassar facilmente a audiência de 500 pessoas do ano passado. 
Serve este abaixo assinado para que possam debater esta questão e ceder as instalações da Casa Municipal da Juventude Ponto de Encontro em Cacilhas para o Festival Ritmo no Ponto no dia 29 de Abril de 2018, das 10h às 23h.

 



Hoje: Maktub - Organização Festival Ritmo no Ponto está contando com você!

Maktub - Organização Festival Ritmo no Ponto precisa do seu apoio na petição «Chefe de Divisão da Juventude da Câmara Municipal de Almada: Dr.ª Cristina Silva: Que a Câmara ceda o Ponto de Encontro para a realização do 2º Festival "Ritmo no Ponto"». Junte-se agora a Maktub - Organização Festival Ritmo no Ponto e mais 2.000 apoiadores.