Vamos revolucionar o Brasil substituindo a corrupção pela educação gratuita e universal

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 1.000!


A adesão a esse abaixo assinado, apartidário, exigindo compromisso amplo, geral e irrestrito, tem a intenção de promover a verdadeira revolução brasileira. Seu objetivo é determinar e exigir que, nos próximos 30 anos, a educação venha a ser a maior e mais importante prioridade do Estado. Exigindo, de todos os poderes e em todas as instâncias, que a educação, até o término do ensino médio, seja preponderantemente pública, gratuita, universal, unificada, libertária, igualitária e de qualidade – onde todos estudem juntos, independentemente de classe social, credo ou raça, absolutamente subsidiados pelo Estado. Obviamente que, para isso, de início, será necessário muito investimento na educação e formação dos educadores, levando em conta que a pré-escola é o início fundante da base qualitativa de educandos! Só assim teremos uma renovação ética e estaremos fazendo a verdadeira revolução! Foi esse o caminho percorrido por países que, há trinta anos atrás, estavam abaixo do Brasil no IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). Atualmente estamos no 79º lugar neste ranking, enquanto Finlândia e Coreia do Sul, que há trinta anos estavam bem abaixo do Brasil, após fazerem esta revolução educacional, cada um a seu modo, atualmente estão entre os 20 melhores do mundo e, praticamente, com tolerância zero à corrupção. Um indivíduo mal-educado, via de regra, vai viver em função do “próprio umbigo”, de acordo com a lei da vantagem e do: “quem pode mais chora menos”, em busca de poder e domínio territorial, sem ética, devido sua incapacidade de reflexão, em função do seu existir estar priorizando a bio sobrevivência! Com isso, essa massa mal-educada, continua votando nos seus iguais, e assim continuamos na mesma situação de egoísmo, individualismo, corrupção, desmando, ingerência e ignorância, tanto do povo quanto dos nossos governantes. Porque a ignorância aprisiona e tira a liberdade, o individualismo tem primazia sobre a coletividade, a exclusão nos impede de mantermos nossa sociedade com igualdade, e o medo, pela falta de conhecimento e do autoconhecimento, impede a verdadeira fraternidade, estimulando o egoísmo competitivo, dificultando o surgimento do altruísmo e o investimento no ativismo ambiental, cultural e espiritual. Somente com um sistema educacional ético, crítico, reflexivo, autossustentável, cooperativo, consequente, inclusivo e amoroso, será possível instalar a ética, erradicar a corrupção para que possamos adquirir a compreensão de que Todos Somos Um.

 A UNESCO, em 1999, estabeleceu o paradigma da educação inclusiva e autossustentável, para um mundo melhor em quatro pilares, interdependentes: 1- Aprender a ser; 2- Aprender a aprender; 3- Aprender a conviver; 4- Aprender a fazer e servir. Esta deveria ser a base desta revolução, despertando, desde a tenra infância, a curiosidade, a capacidade crítica e reflexiva, priorizando, no ensino fundamental, o conhecimento de si mesmo, da humanidade, incluindo cultura, arte, história, filosofia, sociologia e religiões, capacitando e estimulando esse futuro adulto a usar seus conhecimentos à serviço do social. Sem essa base, jamais conseguiremos modificar esta triste situação que o Brasil se encontra, onde somos obrigados a votar naquele que achamos ser menos pior, ou que vai atender, iludidamente, os interesses, geralmente individualistas e egoístas mais imediatos, sem crítica reflexiva e consequente. Isso que C. G. Jung, em 1916, escreve a respeito da imbecilidade humana  e dos seus governantes, corrobora com nossa demanda revolucionária de um Brasil livre de corruptos e corruptores, por meio da educação e do autoconhecimento:

 “A I Guerra Mundial mostra implacavelmente que o homem civilizado ainda é um bárbaro. Ao mesmo tempo, prova que um açoite de ferro está à espera, caso ainda se tenha a veleidade de responsabilizar o vizinho pelos seus próprios defeitos. A psicologia do indivíduo corresponde à psicologia das nações. As nações fazem exatamente o que cada um faz individualmente; e do modo como o indivíduo age, a nação também agirá. Somente com a transformação da atitude do indivíduo é que começará a transformar-se a psicologia da nação. Até hoje, os grandes problemas da humanidade nunca foram resolvidos por decretos coletivos, mas somente pela renovação da atitude do indivíduo. Em tempo algum, meditar sobre si mesmo foi uma necessidade tão imperiosa e a única coisa certa, como nesta catastrófica época contemporânea. Mas quem se questiona a si mesmo depara invariavelmente com as barreiras do inconsciente, que contém justamente aquilo que mais importa conhecer.”

 Conhecer nosso mundo interior não é fácil. Na realidade é assustador, porque nos coloca diante dos nossos esqueletos sombrios que, via de regra, são projetados nos outros. Porém, esse é o verdadeiro caminho da libertação e do desenvolvimento evolutivo, individual e coletivo. Desenvolvimento, significa sair de um envolvimento primitivo para outro mais complexo e evolutivo, é condição inexorável da natureza, apesar de gerar crises. Parece que seguimos um fluxo teleológico, que deixa explícito, cada vez mais evidente que o processo evolutivo está acelerando. Partimos da velocidade da diferenciação e separação das espécies até chegarmos ao homus sapiens sapiens, intrinsecamente presente na essência biológica e psíquica de todos os seres humanos. Por isso, não faz sentido ficarmos estagnados ou até retroagirmos, como indivíduos e, consequentemente como nação, devido a manutenção deste atual estado de ignorância, deliberada e maldosamente imposta pelos últimos governantes, com o objetivo de manter o povo sendo usado apenas como bem de produção, anestesiado no tradicional “pão e circo”,  fomentando cada vez mais a exclusão, em detrimento da manutenção de muitos poucos que estão no topo da pirâmide econômica, obcecados pela dinâmica circular do: poder, lucro e acúmulo, mantendo a maioria aprisionada na dinâmica oposta do: consumo, dívida e trabalho!

 Por isso, pedimos sua adesão e divulgação deste abaixo assinado, que pretende pressionar e exigir essa revolução educacional, para salvarmos o Brasil dos corruptos e corruptores que, infelizmente, por ignorância, somos nós mesmos!



Hoje: IJEP - Instituto Junguiano de Ensino e Pesquisa está contando com você!

IJEP - Instituto Junguiano de Ensino e Pesquisa precisa do seu apoio na petição «brasileiros: Vamos erradicar a corrupção pela educação». Junte-se agora a IJEP - Instituto Junguiano de Ensino e Pesquisa e mais 740 apoiadores.