SOLIDARIEDADE COM OS LUTADORES ARGENTINOS! CONTRA A CRIMINALIZAÇÃO DAS MANIFESTAÇÕES!

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 200!


Em muitos países da América Latina estamos constatando graves violações aos direitos humanos, das liberdades democráticas e das garantias constitucionais. Tentam instalar um estado de repressão para impor um ajuste contra os trabalhadores e o povo.

No Brasil e na Argentina, os governos de Temer e Macri estão tentando aprovar reformas previdenciárias e trabalhistas que atacam os direitos dos trabalhadores e das organizações sindicais e populares.

Por isso que protestamos contra a criminalização das manifestações sociais, que se materializa nas prisões e perseguições aos lutadores sociais.

Na Argentina, a ofensiva repressiva deu um salto a partir do desaparecimento forçado seguido da morte de Santiago Maldonado e do assassinato de Rafael Nahuel, ambos pelas mãos das forças de segurança.

Recentes manifestações foram alvo de perseguição e detenções indiscriminadas, com abertura de processos criminais.

Nos dias 14 e 18 de dezembro de 2017, nas marchas contra a reforma da previdência, centenas de milhares de pessoas foram reprimidas com gases tóxicos e houve uma perseguição feroz e caça aos manifestantes quando estes iam embora. O uso de balas de borracha e pedras pelas forças de segurança, visando o peito das mulheres e o rosto dos homens, deixou muitos feridos, alguns em estado grave, sendo que três manifestantes perderam um olho.

Tentam criar um inimigo interno, inventando grupos terroristas inexistentes para criminalizar as comunidade indígenas, sindicatos, movimentos sociais, organizações políticas e até mesmo o movimento de mulheres.

É por isso que, do Brasil, onde também se criminalizam os movimentos sociais e produzem uma guerra social na periferia e no campo, somos solidários com nossos irmãos e irmãs trabalhadoras na Argentina.

A prisão emitida de César Arakaki e Dimas Fernando Ponce e agora, sua criminalização e judicialização; a perseguição e demonização de Sebastián Romero por terem participado da manifestação popular do dia 18 de dezembro; a detenção arbitrária de Rossano, Parodi, Giusto, Giancarelli e Valotta na caça desencadeada pelos aparatos de repressão do Estado, os torna novos prisioneiros políticos de Macri. Acusam Arakaki, Ponce e Romero de um suposto plano de rebelião, sem provas, com o objetivo de criminalizar uma grande manifestação popular.

Recentemente foi cometido um atentado contra Martín Alderete, advogado de Sebastián Romero, com a clara intenção de intimidar e cercear o direito à defesa.

Violência é responder com cassetetes e bombas de gás às reivindicações sociais.

Violência é saquear os bolsos dos aposentados e aqueles que recebem suas aposentadorias.

Violência é a reforma trabalhista que acaba com os direitos históricos.

Violência é a demissão.

Violência é ameaçar com multas ou caçar o registro de sindicatos, organizações políticas e sociais, buscando minar o direito democrático e fundamental de manifestação.

Mas mesmo com toda a repressão, a luta continua no Brasil, Argentina, Honduras e em toda a América Latina contra os planos de fome e ajustes dos governos.

Por isso, neste marco de luta, unidade e resistência, os abaixo assinados exigem:

● Justiça para Santiago Maldonado e Rafael Nahuel.
● Descriminalização de César Arakaki, Dimas Ponce e todos os detidos dos dias 14 e 18 de dezembro e a todos os presos políticos. Fim da perseguição a Sebastián Romero
● Arquivamento de todas as ações contra os lutadores sociais.
● Não ao ajuste e repressão de Temer e Macri e dos governantes da América Latina.



Hoje: Sabrina está contando com você!

Sabrina Marcelino precisa do seu apoio na petição «ativistas: SOLIDARIEDADE COM OS LUTADORES ARGENTINOS! CONTRA A CRIMINALIZAÇÃO DAS MANIFESTAÇÕES!». Junte-se agora a Sabrina e mais 116 apoiadores.