NO to giant Avocado Monocultures! YES to a healthy Algarve! NÃO à monocultura de abacates!

0 have signed. Let’s get to 5,000!


 

 

NÓS ESTAMOS PREOCUPADOS  --- English version below ---

Há cerca de dois anos e meio, começou uma grande limpeza de terras perto de Barão de São João.

A empresa CITAGO comprou mais de 100 hectares de terra, sendo que 70 destes foram destinados a uma plantação de abacates que é agora a maior monocultura de abacates da Europa.

Graças a tecnologia moderna e ao herbicida Montana Sapec, os abacateiros cresceram bastante rápido sem qualquer concorrência por parte de outras espécies de plantas. Com isto, cresceram também as preocupações da população local que puderam testemunhar os efeitos-colaterais deste projecto durante o verão do ano (2017): diminuição de insectos, seguida de uma diminuição das aves, naturalmente relacionados com o uso de herbicidas, bem como, a grande quantidade de água que 21.000 abacateiros precisam para crescer. E tudo isto está a acontecer num momento em que Portugal atravessa o maior período de seca das últimas décadas e em que o Parlamento Europeu discute a proibição da utilização de Glifosato, uma vez que pode provocar cancro.

Em Outubro de 2017, pudemos ler no jornal Barlavento que a empresa CITAGO tem planos para criar uma outra monocultura de abacates do tamanho de 45 hectares. Foi exactamente neste momento que o nosso grupo se formou. Alguns habitantes e população local reuniram-se para manifestar a sua preocupação.

Em alguns jornais e também na newsletter da Almargem, foram publicados artigos sobre os perigos que o glifosato causa para a saúde humana e para meio ambiente através da sua infiltração nas águas subterrâneas. Também o grande consumo de água e o seu impacto nas áreas envolventes foram mencionados. Em relação a outros países europeus, Portugal dispõe ainda de um ambiente intacto. Nos dias de hoje e dada toda a informação de que dispomos, existe como alternativa a agricultura biológica que em Portugal cresceu cerca de 20% nos últimos 4 anos. Crescimentos económicos e ambientes saudáveis podem não se excluir um ao outro.

  • O objectivo com a assinatura desta carta é o de informar a população em geral sobre os efeitos-colaterais das monoculturas, do grande consumo de água necessário para plantar plantas tropicais no Algarve e do uso de herbicidas.
  • Pensamos que é extremamente necessário evitar a outra plantação de 45 hectares de abacateiros, perto da que existe actualmente.
  • O ideal seria criar-se uma “mesa redonda” com a Câmara Municipal de Lagos, a Citago e a população local.

Apesar de existirem diferentes pontos de vista, acreditamos na possibilidade de um entendimento mútuo que poderá beneficiar todos os envolvidos: humanos, plantas, animais, solo, água, ar. Pelo bem do planeta.

-------------------------------------------------------------------------

WE ARE CONCERNED    --- versão portuguesa em cima ---


About 2 ½ years ago a huge area of land started being cleared of indigenous trees and vegetation near Barão de S. João. CITAGO, the company undertaking the work, had acquired more than 100 hectares. Over 70 were transformed into an Avocado plantation that is now described as the largest Avocado Monoculture in Europe.

Thanks to modern technology and the herbicide MONTANA SAPEC, CITAGO’s planted trees have grown extremely rapidly without any ‘competition’ from other plants. Growing also however is the concern of local residents who have witnessed the ‘side effects’ of this project.

The summer of 2017 brought the impacts into sharp focus. There was a drop in the prevalence of insects followed by a consequent fall in habitual birdlife which we believe to be related to the use of the herbicide which contains the controversial compound linked to cancer, glyphosate.

There was also an incidence of a borehole ‘drying up’ which we fear could be a consequence of the trees’ regular irrigation from underground aquifers.

In October 2017 we read in JORNAL BARLAVENTO that CITAGO plans to extend the Monoculture of Avocados by another 45 hectares. This was the moment our group was formed. Some residents and involved people came together to manifest their concern. In some newspapers and also in the newsletter of ALMARGEM articles were published about the health and environmental dangers posed by glyphosate. Also the consumption of water and its impact on the surrounding areas was mentioned. In relation to other European Countries Portugal still has areas of unspoilt countryside. These days too see alternative biological farming methods, which Portugal especially has embraced in the last few years, showing that economic growth can be attained hand-in-hand with a healthy environment.

  • The objective of the people signing this petition is to inform the public about the ‘side effects’ of monocultures and herbicides like Montana Sapec, as well as warn of the high water consumption of tropical plants.
  • We think it is absolutely necessary to avoid another 45 hectares of this avocado plantation.
  • Our goal is to create a Round Table Talk between the CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOS, CITAGO and local residents.

We believe in the possibility of mutual understanding that can benefit everyone - even in this case where different viewpoints clearly exist.



Today: Terra Saúdável is counting on you

Terra Saúdável needs your help with “Assembleia Municipal de Lagos: NO to giant Avocado Monocultures! YES to a healthy Algarve! NÃO à monocultura de abacates!”. Join Terra Saúdável and 4,846 supporters today.