Reenvindique para que o BMX possa ser praticado na skatepark da Atlantica Vale !,

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 500!


Os cidadãos abaixo-assinados, brasileiros, residentes e domiciliados na cidade de Vitória e ou no Estado do ES e outros estados, solicitam a Vossas Excelências através das Entidades FDESK – Federação de Skate do Estado do ES e FESRAD – Federação de Esportes Radicais do Estado do ES, respectivamente administradoras de seus respectivos esportes no estado do ES e totalmente regulamentadas e amplamente reconhecidas perante a opinião pública,Secretária de Esportes do Estado do ES e devidamente registradas no cartório de registro de pessoas e atletas, aficionados do esporte, pais e mães de família, moradores e brasileiros pedem uma intervenção na área de skatepark da Vale pelo seguinte motivo : 

Fato
Por ter depositado resíduos de minério de ferro na Praia de Camburi na cidade de Vitória/ES - Brasil, por mais de 30 anos, foi firmado com o Ministério Público Estadual, Governo do Estado e Prefeitura de Vitória um contrato de termo de compromisso Ambiental com a Vale, chamado TCA, uma contrapartida da Vale pelos prejuízos causados a cidade, com isto nasceu o Atlântica Parque.

Que consistia em fazer um parque em área pública para a população, em cima do minério de ferro depositado na praia a mais de 30 anos e que seria voltado para o lazer da população de Vitória tendo na contrapartida, incluso também a confecção de equipamentos esportivos mais populares. Essa iniciativa foi feita para valorizar a região, compensar o estrago feito pela empresa à sociedade durante todos estes anos e proporcionar mais qualidade de vida para os moradores e frequentadores da praia... 

... Então decidiram realizar obstáculos Esportivos de Esportes Radicais e de Skate! E ao contrário do que foi anunciado em sua propaganda, a Vale não consultou a Sociedade Civil especializada nesta área e que é representada pelas Federações de Skate e de Esportes Radicais do estado do ES. Respectivamente chamadas de FDESK e FESRAD e PRINCIPALMENTE Os seus atletas.

Em seu lugar foi chamada uma entidade que se auto intitula Associação Capixaba de Skate “A SUPOSTA gestora do esporte skate no estado do ES”, mesmo não sendo afiliada a Federação FDESK, e sem estar REGISTRADA desde 2012 no cartório de pessoas jurídica, ainda assim curiosamente é afiliada a CBSK ?
Chefe do(a) ... Sr.Lauro de Almeida, engana a todos e se passa por uma entidade a nível estadual e ainda dá ordens de mando e desmando no local, como dono. Como ele conseguiu isto não sabemos ? Mas é no mínimo curioso ! 

Se o que você está lendo já não fosse absurdo, ainda se comporta como cabo eleitoral ligado ao atual prefeito de Vitória, Luciano Rezende, uma troca justa já que o prefeito finge que defende os interesses dos skatistas e da população, dando a eles uma área ruim, a metade da metade que teriam direitos como cidadãos e ainda de lambuja pode se promover nas costas dos skatistas e ainda nas costas deste Personagem esperto... E o espertinho pode montar nas costas de todos dando a entender que também está defendendo o interesse dos skatistas... mas na verdade está mesmo ajudando o prefeito a enganar a todos. Já que de qualquer maneira ninguém é mesmo especialista em skate e o que vão saber ??

Resultado, a prefeitura colocou esta entidade FRAUDULENTA NA FRENTE PARA ESCOLHER COMO SERIA A ÁREA de skatepark do parque da Vale, sem consultar ninguém e então fizeram uma obra que só atende ao Skate proibindo e IMPEDINDO a prática de outros esportes no local, Impedindo que as pessoas usem um espaço público!?. 

Só que como ele não é especialista em nada e ainda não consultaram ninguém, acabam fazendo uma pista pequena demais, cheia de defeitos e que ainda é só voltada para uma modalidade ? Agora só uns tem "permissão para usar" uma área pública enquanto outras tem que ficar olhando !?

Cuidado não deixe o seu filho pequeno andar de BMX no local ele pode levar porrada da polícia !

...Isto está criando um verdadeiro conflito entre a população em geral : 
Moradores locais de Jardim Camburi e bairros, Garotos que vem de outros municípios do estado só para poder praticar o esporte na área são impedidos e mal tratados, criando atritos entre tribos, jovens, classes sociais, agora temos que presenciar ameaças, brigas, violência, agressividades desnecessárias entre modalidades esportivas só por causa de uma infra-estrutura esportiva.

Isto tudo mancha a imagem da Vale e da Prefeitura de Vitória e novamente as pessoas não são escutadas ... e novamente está ali um elefante branco.

Quando falamos... : Cuidado que você pode levar porrada de polícia, realmente este fato já aconteceu.... os seguranças locais atacaram atletas e depois chamaram a polícia... Só porque um garoto de 15,16, 17 anos queria andar de bicicleta nesta área pública ? 

Se a Vale tivesse consultado a FDESK e a FESRAD e PRINCIPALMENTE os atletas das outras modalidades saberia desde o início que as skatepark não são mais utilizadas somente por skatistas. Se “padronizou” dizer Skatepark para áreas de “Park´s Radicais” da mesma maneira que se fala Bombril para designar a palha de aço. Hoje em dia as skateparks ou Parks Radicais abrigam também praticantes do BMX(bike), Agressive Inline(patins) e Patinete e quaisquer outras modalidades que por ventura surjam no futuro. É a Evolução fazer o que ? Aceitem e evoluam também. Aprendam a conviver com as outras pessoas diferentes de você.

Se o Apartheid das modalidades esportivas e as pessoas que elas praticam, por si só não fosse algo gravíssimo e que deveria ser banido de todos os ambientes, existe também na infra-estrutura da skatepak, inúmeros erros de projetos, que infelizmente temos que citar aqui, tais como:

Dimensões erradas para o bowl/banks, altura inadequada, transição inadequada, previsão de velocidade de manobras inadequadas, material frágil empregado na construção, há de saber se foi feito de segunda mão, pois no segundo dia de sua inauguração estava já caindo pedaços das estruturas, além de ser um obstáculo esportivo extremamente pequeno, sem nenhuma área disponível para o aprendizado de quem começa e não dando condição para que sejam realizados nenhum campeonato a nível nacional e nem internacional na área.

Se todo este caus não bastasse, a empresa divulgou em propaganda enganosa, de que teria no park a maior skatepark do estado do ES, que na verdade se trata apenas de uma pequena skatepark de concreto, muito menor do que a skatepark do Parque do Tancredão, também localizada na cidade de Vitória/ES, perto da rodoviária ou seja além de ludibriar a população com a sua propaganda enganosa ainda mentem sobre o seu conteúdo. E por fim ainda SEPARAM / DISCRIMINAM impedindo que outras pessoas/modalidades esportivas possam usar o local ?

Por este motivo solicitamos neste abaixo assinado que o BMX como os outros esportes que naturalmente andam na skatepark como o Agressive Inline e o Patinete sejam inclusos na Infra-estrutura skatepark imediatamente, já que fica evidente o prejuízo e a discriminação na qual a infra-estrutura da Vale, com projeto feito em parceria com a Prefeitura de Vitória para uma AREA PÚBLICA está propositalmente pensado para apartar pessoas desde projeto, fazendo com que a área seja apenas apta para que só alguns privilegiados possam se divertir.

Solicitamos ao Ministério Público estadual e Federal a Liberação temporária da área skatepark para os outros esportes Radicais ENQUANTO PERSISTIR A FALTA DE ÁREA destinada na área do Atlântica Parque da Vale, para uso pelos outros esportes radicais das modalidades esportivas do BMX(bike), Agressive Inline(patins) e Patinete,

Solicitamos ainda a criação e execução de uma nova Skatepark ao lado da que só segrega, mas agora realizada com a consultoria, assessoria e com a presença da FDESK e FESRAD e os Atletas Capixabas das modalidades excluídas e não excluídas, para se pensar e fazer juntos uma skatepark voltada para todos,
( SKATE , BMX(bike), Agressive Inline(patins) e Patinete ) e que sirva para atleta iniciante, avançado, e que sirva para que a infra-estrutura possa ser utilizado em eventos municipais, estaduais, nacionais e internacionais, elevando a todos, indiscriminadamente !

Um só esporte. Um só município, Um só estado. Um só País.

Solicitamos que o Ministério Público Estadual e Federal revise e inclua no termo de contrapartida mais estas necessidades, num ano pré-Olímpico e tendo o Skate e o BMX como participantes dos Jogos mundiais em 2020 em Tóquio/Japão , há que rever urgentemente esta necessidade e agora focar numa contrapartida mais democrática, e que realmente possa atender a todos no contrato de Termo de Compromisso Ambiental (TCA). Consideramos ser o mínimo para ressarcir a população e todos os inconvenientes que a Prefeitura de Vitória, esta associação fraudulenta de skate e a Vale, criaram para a população de Vitória e para o Estado do ES.

. Favor Intimar a Vale a cerca da propaganda enganosa.

.. Processar administrativamente o responsável por todo este desastre. A associação Capixaba de Skate e o seu presidente e diretória, por espalhar material mentiroso na média em geral. Solicitamos a dissolução desta entidade por se fazer passar por entidade administradora do Esporte sem ser e por ficar impedindo que outras pessos tenham direito a utilização de uma área pública . Por engabelar a população e atletas. Por praticar Falsidade ideológica, que dá a entender que são algo que não são de verdade.

. Solicitar que seja criado pela Vale na área de Esportes Radicais ainda mais duas  novas infraestruturas, para atendimento da população, que corresponderia a duas Salas de 6x9 metros, para que a Federações possam disponibilizar equipamentos de segurança para a população e que se possa fazer o cadastro dos usuários, para possibilitar que as entidades passem informações de segurança e perigos de uso dos obstáculos esportivos. para que se tenha como realizar um contrato de responsabilidade por uso da infra-estrutura. Cada sala tem que estar equipada com cadeiras, mesas (mobiliário de escritório), computadores novos, impressoras matriciais, acesso a Internet, ar condicionado , electricidade, banheiro, bebedouro e água e compra dos equipamentos de cadastro, catraca eletrônica e dois seguranças disponíveis só para o gerenciamento da área. Comprados sobe orientação das entidades. Projeto será apresentado em anexo. Para que as Federações possam deixar bem informada a sociedade e possa assegurar o controle e bom ambiente no local. Solicitamos ainda quatro funcionários pagos pela vale para atendimento no balcão, com atendimento de Segunda a Domingo, no turno de manhã, tarde e noite administrada pela FESRAD e FDESK.

E se existe um espaço esportivo que Aparta, discrimina, Proíbe a população, jovens de conviver harmonicamente com outros, onde todos os esforços do poder público em geral é de tentar harmonizar, cuidar, dar mais espaços para que os jovens possam vingar na vida, este espaço esportivo está indo em contramão a tudo que a Justiça trabalha, a assistência social prega, a evolução da sociedade prega, os diretos humanos estaduais e a ONU prega, o que era para ser bom, está sendo palco de intrigas, ameaças, agressões, violência físicas, emocionais e verbais, conflitos e os mais variados problemas existentes entre os seres humanos. Devemos fazer algo para mudar isto. Contamos com a sua ajuda ela será primordial.


Eu iniciei esta petição, porque …
Os termos esporte ou desporto radical, de aventura ou de ação são usados para designar desportos com maior grau de risco físico, dado às condições de altura, velocidade ou outras variantes em que são praticados. Muitas vezes o desporto de aventura é confundido, por isso, quando na dúvida se Desporto ou Turismo de Aventura o termo "Atividade Física de Aventura" pode ser empregado por encaixar ambos ou apenas Esportes Radicais. Tais desportos são assim considerados por oferecerem mais riscos do que os desportos em geral, o que os torna mais emocionantes, já que exigem um maior esforço físico e maior controle emocional. No início, eram considerados desportos radicais a prática do paraquedismo, snow board e voo livre. Com o tempo, atividades como o tricking, rafting, trekking, cannoying, verticália, entre outras, foram incorporadas à lista dos desportos de aventura. Os esportes de aventura também podem estar relacionados a desportos na natureza, por envolverem escaladas, trilhas, montanhismo.

Definição e características
A definição de esporte de aventura, também conhecido como esporte da natureza, surgiu no final da década de 1980 e início da década de 1990, quando foi usado para designar esporte de adultos como paintball, skydiving, surfe, alpinismo, montanhismo, paraquedismo, hang gliding , bungee jumping, trekking , ciclismo de montanha, que antes eram esportes praticados por um pequeno grupo de pessoas, passaram a se tornar populares em pouco tempo.

Uma característica de atividades semelhantes na visão de muitas pessoas é a capacidade de causar a aceleração da adrenalina nos participantes. De qualquer forma, a visão médica é que a pressa ou altura associadas com uma atividade não é responsável para que a adrenalina lance hormônios responsáveis pelo medo, mas sim pelo aumento dos níveis de dopamina, endorfina e serotonina por causa do alto nível de esforço psíquico. Além disto, um estudo recente sugere que haja uma ligação para a adrenalina e a "verdade" dos esportes radicais.

O estudo define os esportes radicais como um lazer ou atividade recreativa muito agradável, mas se tiver uma má administração poderão gerar acidentes e até a morte do praticante. Esta definição é designada para separar anúncio comercial que exagera na descrição dos fatos e "aumenta" a atividade realizada. Outra característica das atividades rotuladas é que elas tendem serem de preferência individuais do que esportes de equipe.

O BMX ou bicicross é um esporte praticado com bicicletas especiais, uma espécie de corrida em pistas de terra. Surgiu no final da década de 1950 na Europa e se popularizou na Califórnia no começo dos anos 1960. Recentemente foram descobertos fotografias e um vídeo que comprovam que o BMX e as suas corridas organizadas não nasceram nos anos 1960 e 1970 na Califórnia, mas, de fato, em Amersfoort, na Holanda, no ano de 1958.

No final dos anos 1970 alguns pilotos mais velhos, como Tinker Juarez, começaram a se aventurar em piscinas e skateparks - até então território dos skaters. As manobras que começaram a criar fora das pistas de terra, começaram a dar nas vistas. Surgia o freestyle ou "estilo livre". Um dos pioneiros, e considerado "pai" do freestyle foi Bob Haro, que inventou muitas das primeiras manobras e também criou a Haro Bikes e a primeira BMX de freestyle - a Haro Freestyler.[2] Outros pioneiros foram R.L. Osbourn, Woody Itson, Mike Dominguez e Martin Aparijo.

Durante os anos 1990 apareceu um novo herói, Matt Hoffman, que "salvou" o BMX Freestyle numa época em que BMX perdia muito da sua popularidade. Hoffman criou a Hoffman Bikes, organizou campeonatos e bateu vários recordes mundiais, tendo sido durante muitos anos o campeão mundial na modalidade Vert. Kevin Jones foi a outra grande figura dos anos 1990 mas no estilo flatland. Jones apenas participou de alguns campeonatos como amador, no final dos anos 1980, mas era suficiente para meter medo aos "PROs" cada vez que aparecia. Foi na sua pequena cidade de York, Pensilvânia, nos Estados Unidos, que ele inventou centenas de manobras novas e criou uma série de filmes chamados "Dorkin' in York" que revolucionaram o Flatland.

O documentário Joe Kid on a Stingray é o primeiro filme a contar a história do BMX desde o lançamento da bicicleta Schwinn Stingray em 1963 até aos X Games passando pela época de ouro do BMX nos anos 80.
O BMX, que para alguns é um esporte e para outros estilo de vida, é caracterizado pelas manobras que vão desde as simples às arriscadas, e sempre onde é praticado chama a atenção do público por ainda ser um esporte novo e pelo belo visual conferido pelas manobras e pela emoção sentida pelo público a cada manobra arriscada.

Atualmente o BMX já está entre os maiores desportos de ação do mundo, sendo inclusive um dos que mais crescem em número de participantes. Vários campeonatos são realizados anualmente, no mundo e agora por fim conseguiu o seu espaço nas Olimpiadas. tal qual o skate, esportes muito apreciados pelos jovens de todas as idades.

Patins Street, (agressive Inline) também conhecido como Patins In-line, é um esporte radical praticado com patins em linha, em locais apropriados, como half pipe, parques, e ruas.

Mesmo que a patinação pareça ser um desporto moderno e futurista, os primeiros patins datam do início do século XVIII. E os patins de gelo são mais velhos ainda. Dessa forma não se enganem, pois o patins - em inglês skate - surgiu muito antes do skateboard, sendo assim chamado pelos leigos de skate.

O retorno dos patins in-line promoveu o surgimento da patinação agressiva, subdividida nas modalidades street e vertical. Esses patins só foram chegar ao Brasil na década de 1990. Hoje é um desporto bem difundido e praticado em todo Brasil sendo considerado desporto Olímpico graças ao 'X-GAMES"