REFORMAR A LEI COMPLEMENTAR 1.123/2010 QUE MODIFICOU A LICENÇA-SAÚDE DO SERVIDOR ESTADUAL

0 pessoa já assinou. Ajude a chegar a 200!


Desde a promulgação da Lei Complementar 1123/2010, a qual modificou o Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do Estado, houve um retrocesso nos direitos do trabalhador, servidor público estadual, no que se refere às Licenças de Saúde, principalmente no artigo 199, quanto às licenças que o servidor tinha direito a retirar para acompanhar a saúde de seu familiar que venha adoecer, sendo que não havia limitação de um prazo máximo, como esta lei complementar modificou, ou seja, anteriormente o servidor poderia retirar 30 dias retornar ao trabalho sem perda dos seus vencimentos, depois quando necessitasse novamente poderia retirar nova licença para acompanhar seu familiar, mesmo que fosse o mesmo parente (filho no meu caso). Agora com esta nova Lei o servidor poderá retirar somente 30 dias em um prazo de vinte meses (20) desde a promulgação desta, depois deste prazo até o final de sua vida funcional o servidor não poderá mais retirar licença para acompanhar seu familiar que vier adoecer. No meu caso tenho um filho com deficiência e este sempre necessita de afastamentos para realizar cirurgias e para cuidar de sua saúde que é frágil, necessitando do meu acompanhamento e já não posso mais retirar licença para ele, a preocupação é urgente, pois se ele vier a necessitar, o que é bem provável devido ao seu diagnóstico, terei que entrar na justiça para garantir este direito, o que poderia ser revisto pelo Exmo. Sr. Governador em gestões junto à ALESP, conforme indicação realizada pela ex-Deputada Estadual Célia Leão ao Governador, mas o referido documento foi arquivado, bem como realizar gestões junto ao Presidente do TJ-SP, levando em conta estas situações específicas de familiares que possuem não somente pessoas com deficiência, mas idosos, pessoas com doenças raras, terminais, etc, que necessitam de cuidados mais intensivos e principalmente do acompanhamento e apoio afetivo dos familiares nestes momentos de tamanha fragilidade de saúde não somente física como psicológica.